MESMO COM ACORDO, CAMINHONEIROS MANTÊM PARALISAÇÃO EM RODOVIAS NO MARANHÃO

Apesar de acordo do governo com os caminhoneiros ocorrido na quinta-feira (24) onde foi proposto a suspensão da greve da categoria no país, 14 trechos de rodovias federais no Maranhão permanecem bloqueadas. Os caminhoneiros no estado decidiram continuar em greve e não aceitaram a proposta.
Veja os pontos de protestos de caminhoneiros nas BRs do Maranhão:
Imperatriz: Km 246 da BR-010
Cidelândia: Km 299,5 da BR-010
 
Estreito: Km 131 da BR-010
 
Balsas: Paralisação ocorre nos Kms 396 e 406 da BR-230
 
Caxias: Km 544 da BR-316
 
São Domingos do Azeitão: Km 216 da BR-230
 
São Luís: Kms 2, 5 e 6 e 16,2 da BR-135
 
Grajaú: Km 413 da BR-226
 
Açailândia: Acontece na localidade Pequiá na BR-222
 
Bacabeira: Km 46 da BR-135
A greve dos caminhoneiros que já entra pelo quinto dia consecutivo já causou reflexos em vários segmentos no estado. A paralisação é devido a alta do óleo diesel. Os atos dos caminhoneiros foram iniciados na segunda-feira (21).
Em São Luís, por exemplo, vários postos já não possuem combustível. A falta de gasolina e diesel na cidade é uma consequência direta do bloqueio no transporte do combustível pela BR-135 e pela Vila Maranhão, que dá acesso ao Porto do Itaqui. Em outras cidades do Maranhão também há registros de escassez do produto em alguns postos.
Por falta do combustível, o Sindicado das Empresas de Transporte de São Luís (SET) decidiu disponibilizar aos usuários do transporte público da capital apenas 50% da frota. De acordo com o SET, a medida visa garantir um atendimento mínimo na cidade por conta da falta de combustível.
O protesto dos caminhoneiros também já gerou reflexos no setor alimentício. De acordo com o presidente da Ceasa, Milton Gadelha, a expectativa é que a partir desta sexta-feira (25), os produtos considerados essenciais aos consumidores como tomate, cebola e batata comecem a faltar nas prateleiras e que na segunda, não tenha mais produtos que possam ser revendidos aos supermercados da capital.

1 ano sem Herialdo Pelúcio

Em 25 de maio do ano passado, depois de uma briga com o cancer, o empresário Hrialdo Pelúcio que tinha sido eleito para dirigir os destinos de Presidente Vargas no quadriénio de 2017/2020, perdeu a luta contra a doença e faleceu. Hrialdo tinha disputado a eleição de 2016 com a professora e empresária Aninha, e saiu derrotado. Na eleição de 2016 Herialdo se elegeu, mas infelizmente quis o destino que ele não governasse o município por muito tempo. A aconselhado por médicos e amigos a procurar cura para sua doença, Herialdo relutou por algum tempo, e só depois do agravamento da enfermidade, é que o empresário prefeito buscou recursos, não obtendo êxito. Os amigos e correlegionários do ex-prefeito,rendem-lhe sinceras homenagens.

Poste quebrado na rua Lázaro Barroso assusta moradores

 

Moradores da rua Lázaro Barroso vivem momentos de muito medo. A razão é que o braço de um poste existente na rua, por onde passa os fios de alta tensão, está quebrado e pode desabar a qualquer momento. Segundo moradores, a CEMAR foi avisada diversas vezes e mesmo assim não toma as providências necessárias para a solução do problema. Vale lembrar, que ano passado, um problema igual a esse, tirou a vida de uma jovem estudante de 17 anos na cidade de Timbiras neste estado. Em maio de 2012 foi aberto um processo contra a CEMAR por morte de pessoas ocasionado por choque elétrico. Recentemente a CEMAR  foi condenada em outro processo a pagar uma indenização de R$ 200.000,00  por perda de vida ocasionada por choque elétrico. Mesmo assim, os servidores da empresa parecem não se preocupar com essas condenações. Esperamos que em breve o problema da Lázaro Barroso seja resolvido, sem que tenhamos perdas de vidas e indenizações na Justiça.

EMBUSTE NOS DIREITOS HUMANOS

Repórter do Diário Carioca (jornal que modernizou a imprensa cabocla), fui entrevistar Nelson Rodrigues, uma espécie de moralista às avessas que não rejeitava os holofotes da mídia. Lá para tantas, lhe fiz a pergunta clássica: – “Afinal, Nelson… As mulheres gostam mesmo de apanhar?” O dramaturgo, em sua voz cava e profunda, veio de lá: “Nem todas, as neuróticas reagem”.

A entrevista rolou em março de 1965, época em que ninguém ouvia falar de feminicídio, LGBT, passeata gay ou ideologia de gênero. Então, o esquema da subversão esquerdista se dava na catequese do operariado dentro das fábricas, no apelo à luta armada das guerrilhas nas cidades e no campo e no ativismo panfletário da UNE financiada por Moscou.

No entanto, apesar do fraseado rodrigueano, de efeito cáustico, o fato concreto é que, salvo sadomasoquistas de plantão, ninguém gosta de apanhar – nem mulher, nem homem, nem  criança, nem animais. Evidência disso encontra-se no rosário de denúncias que Michella Marys Pereira fez do ex-marido Roberto Caldas, advogado que ficou milionário com a rendosa indústria das ações trabalhistas.

Eis o fato: no Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, em Brasília, Michella declarou que Roberto Caldas a espancava habitualmente e a ameaçava de morte, além de acossar sexualmente as empregadas da casa, atracando-as com ímpeto de fazer inveja ao Palhares, personagem de Nelson Rodrigues.

A ex-esposa revelou como tudo se dava: “As agressões verbais e injúrias eram diárias. Físicas, como me bater com o controle remoto na cabeça, empurrão, tapas, cascudos, eram semanais. E ele sempre me cuspia. Fui espancada umas seis vezes, numa delas grávida do nosso segundo filho. Ele puxou meu cabelo, me empurrou de uma escada e deu chutes na minha barriga. Passei vários dias com dores. Quando fiz exame estava com um hematoma no útero. Passei a gravidez na cadeira de rodas”.

Detalhe curioso no comportamento brutal do advogado Roberto Caldas é que ele não tolerava os pratos nordestinos que a esposa, nascida em Aracaju, comia. Certa vez, ao vê-la comer uma buchada, quebrou o prato, tratou-a por vagabunda, dizendo depois que “a pobreza não saía de mim”. De outra feita, antes de acompanhá-lo numa cerimônia, comia um pão francês com manteiga e ele ficou furioso. Me puxou de dentro do carro, caí em cima de uma pedra. Não percebi que o porteiro tinha visto tudo”.

No capítulo da violência sexual, a mulher não escondeu os estupros sofridos:  “Várias vezes me acordei no meio da noite com ele me penetrando. Às vezes eu tomava remédio forte para dormir, mas chegou um momento em que não conseguia mais dormir”. Em Juízo, confessou sua indecisão em se separar do algoz: “Eu estava ao lado de uma pessoa que tinha um nome muito forte não só no Brasil mas no exterior, com muita influência jurídica, econômica e política. Toda vez que o Roberto me batia ele dizia: ‘Agora vamos para a delegacia para você prestar queixa. Quero ver se vão acreditar em você’.

E, então, falava que era juiz e que ia tomar os meus filhos”.

Bem, assim chegamos ao cerne da questão: o dito Roberto Caldas é (ou era, em vista do escândalo) nada mais nada menos do que presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos, órgão das Organização dos Estados Americanos, a célebre OEA. Anteriormente indicado por Tarso Genro para ser Ministro de STF de Lula, o renomado advogado se fez paladino global dos direitos humanos, a engenharia social posta de pé pelo Diálogo Interamericano (arauto do globalismo) financiado com a grana fácil das fundações Rockefeller e Ford.

No Brasil, açulado por FHC, o serpentário de centenas de ONGs e  ateus da Teologia da Libertação, a empulhação dos “direitos humanos” tornou-se política de Estado encampada pelos governos do PSDB e do PT. Seus objetivos básicos, camuflados pela mídia, são: perpetuar-se no poder, acuar o Exército brasileiro e prodigalizar com dinheiro público indenizações milionárias de centenas de terroristas e subversivos – ainda e sempre – empenhados em comunistizar o País.

Só para ficar em números, nos chamados “anos de chumbo”, que durou 10 anos, contaram-se, entre mortos e desaparecidos, segundo o Grupo Tortura Nunca Mais, cerca de 284 integrantes de organizações terroristas, enquanto, por outro lado,  foram identificados 120 mortos, entre civis e militares assassinados pelo terror vermelho. De minha parte, conheço inúmeros  esquerdistas que, presos por menos de 30 dias, até hoje ganham enxundiosas pensões da Viúva. Sobre isso, de resto, a Comissão da Meia-verdade (vale dizer, da mentira), outro penduricalho dos govenos corruptos tidos como democráticos, não abrem o bico.

Em suma, fracassando na guerra suja dos anos 1960, os comunistas e aliadas partiram para a guerrilha dos “direitos humanos” que hoje incidem sobre o rendoso embuste do aquecimento global, campanhas ambientalistas, a exploração do indigenismo, do feminismo, do  gayzismo etc. tudo incensado pelos aparelhos da famigerada ONU (Organização das Nações Unidas) que só pensa em se estabelecer no comando de um “governo mundial”.

A OEA, da qual o advogado Roberto Caldas era o presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos, é justamente um repeteco da ONU em proporção menor. Da mendacidade que se esconde sobre ela e boa parte dos seus quadros, nem é bom falar.

Contudo, voltaremos ao assunto.

PS – Direitos Humanos não são Direitos, são deveres. Basicamente, são os 10 Mandamentos inscritos na tábua de Moisés.

Urgente! Idosa sofre grave acidente na Ma 020 em Vargem Grande

Ilustrativa

A Sra. Maria de Jesus dos Santos Pereira Diniz ,deu entrada no Hospital Municipal Benito Mussoline de Sousa em Vargem Grande, pontualmente as 4 hs e 5 min da tarde de hoje, (24) ela foi vítima de acidente na Ma 020 próximo a cerâmica do Zé Pedinho.

De acordo com informações, Dona Maria de Jesus vinha da Zona Rural com destino a sua residência na Rua São Tome S/N, bairro do açude Velho em Vargem Grande, quando, de repente bateu em uma pedra e caiu no solo. A sua acompanhante, no primeiro momento tentou levanta-la, mas viu que a mesma sangrava pelos ouvidos e estava desacordada.

Imediatamente a acompanhante se dirigiu ao hospital, comunicou a direção desse, que de imediatamente determinou que a ambulância fosse socorre-la. Depois de chegar e se submeter aos primeiros socorros, ela foi transferida para uma unidade hospitalar em São Luís.

AMAPÁ DO MARANHÃO | Câmara afasta prefeita suspeita de superfaturamento em licitação

 

A câmara de vereadores de Amapá do Maranhão afastou na manhã desta quarta feira (23), por 7 votos a 2,a prefeita Tate do Ademar do mandato por 90 dias.

Os vereadores afastaram a prefeita por suspeita de falsa licitação e superfaturamento em compras de peças de carros.

Desde que assumiu a prefeitura, Tate tem realizado uma administração desastrosa e o município tem sofrido pela péssima gestão.

O vice-prefeito João Vilar Almeida (PCdoB) tem 24 horas para tomar posse na câmara Municipal de Amapá do Maranhão.

Os vereadores que votaram a favor do afastamento da prefeita foram:Raimunda Torres, Arlete Pacheco, Dorinha da Pesca, Gilvanilson Rocha, Erick Domingos, Rosemary Sousa e Renato Araújo.

OPERAÇÃO POLICIAL APREENDE 4 TONELADAS DE MACONHA EM ALTO ALEGRE DO PINDARÉ

Uma operação policial foi deflagrada nesta quarta-feira (23), na região  indígena do povoado Massaranduba, no município de Alto Alegre do Pindaré-MA. A operação durou mais de 11:00h e contou com equipes da Polícia Militar, Centro Tático Aéreo e policiais da delegacia de Santa Inês.

A polícia conseguiu queimar cerca de de 25 mil pés de maconha além de 7 sacas de maconha prensada, um total de 4 toneladas de maconha pronta para o consumo e tudo isso avaliado em mais de R$ 1.000.000 (um milhão de reais).

O local do plantio é de difícil acesso o que fez com que a polícia usasse o apoio da aeronave. Além da apreensão da droga a polícia ainda apreendeu uma espingarda.
A polícia Militar do Estado do Maranhão em conjunto com a polícia Civil e equipes especiais, tem realizado um trabalho ostensivo de combate ao plantio, armazenamento e comercialização de maconha na região do Vale do Pindaré. Somente nos este mês já foram apreendidas mais de 11 toneladas da droga, com apreensões em Santa Luzia e Alto Alegre.

CINCO PESSOAS MORREM EM COLISÃO ENTRE ÔNIBUS E GOL NA BR-135 NO MARANHÃO

Cinco pessoas morreram no íncio da manhã desta quinta-feira (24), em um grave acidente de trânsito, tipo colisão traseira. registrado no km 46 da BR 135, na localidade Peris de Cima, no município de Bacabeira-MA.
Conforme a Policia rodoviária federal, por volta das 5h da manhã desta quinta, um veiculo modelo VW/Gol de cor preta, vindo de Arari/MA com cinco ocupantes, ao reduzir em um quebra molas, foi atingido por um ônibus da empresa Guanabara, linha Fortaleza/São Luís, que não conseguiu parar, atingido violentamente a traseira do automóvel, que foi jogado para o canteiro central, ficando completamente destruído.
Os cinco mortos são ocupantes do automóvel que viajavam de Arari para São Luís. O motorista do ônibus se apresentou a PRF. Os corpos continuam no local aguardando a chegada de peritos do IML. O ônibus permanece no local do acidente. No decorrer do dia deverá ser divulgada a lista com o nome dos mortos.
Equipes da PRF, Corpo de bombeiros e IML foram acionadas. Uma equipe da empresa Guanabara também foi até o local. Fonte Francisco Vale

DELEGACIA DE ITAPECURU MIRIM EXPLICA SOBRE MENOR QUE FURTOU METRALHADORA DA DELEGACIA DE PIRAPEMAS

A Polícia Civil do Maranhão-Delegacia Regional de Itapecuru Mirim vem informar que o adolescente M.I.O., de 17 anos, autor do ato infracional análogo ao crime de furto qualificado e dano qualificado, com subtração da metralhadora e do colete da Delegacia de Pirapemas, apos uma abordagem pela Polícia Militar da região, em uma Van, próximo a Bela Vista MA, conduziram-no para Delegacia Regional de Santa Inês e o Dr Ederson nos avisou. Providenciamos uma Equipe para buscar o adolescente e traze-lo para Itapecuru. Entramos em contato com o Juiz pedindo agilidade na decretação da Internação e fomos atendidos. O adolescente colaborou e entregou seu comparsa e que um tal de Ronaldinho emprestou o revólver cal.38 que utilizou quando entrou na DP Pirapemas. Que venderia a metralhadora por 8.000 reais a facção bonde do quarenta, a qual faz parte. Já praticou vários assaltos, responde por porte ilegal de arma de fogo e já esteve internado por 2 vezes no Canaã. Seu comparsa Charles, que também entrou na DP, foi localizado e conduzido para DP Pirapemas.

Ascom: Delegacia de Itapecuru Mirim

A MALDIÇÃO DE ADHEMAR DE BARROS

Apesar da ser a unidade líder da Federação, o último governador do Estado de São Paulo eleito diretamente à presidência da República foi Jânio Quadros, que não era paulista, mas natural de Campo Grande, hoje capital do Mato Grosso do Sul. O instável político, após vencer o pleito de 3/10/1960 com mais de 5,6 milhões de votos e assumir o governo em 31/1/1961, deixou a Nação atônita e perplexa ao renunciar no dia 25/8. Em lacônica mensagem encaminhada ao Congresso Nacional disse sentir-se esmagado por forças terríveis que “levantam-se contra mim e me intrigam ou difamam, até com a desculpa da colaboração”.

Na Velha República (1889-1930) três ilustres paulistas foram governadores do Estado e presidentes da República: Prudente de Moraes, nascido em Piracicaba (15.11.1894-15.11.1898); Campos Sales, natural de Campinas (15.11.1898-15.11.1902); Rodrigues Alves, filho de Guaratinguetá (15.11.1902-15.11.1906).

ADHEMAR DE BARROS.

Desde 1906 governador algum, nascido em solo paulista, assumiu a presidência pela força do voto. Jânio Quadros foi governador, mas era mato-grossense. Ulysses Guimarães candidatou-se em 1970, foi derrotado e não havia sido governador. Franco Montoro exerceu o governo, mas não disputou a presidência. Adhemar de Barros, Paulo Maluf, Orestes Quércia, Mário Covas, José Serra, Geraldo Alckmin foram governadores e tentaram ostentar a faixa presidencial. Apesar de experientes e poderosos não conseguiram a popularidade necessária para ocuparem o Palácio do Planalto. Lula é pernambucano de Garanhuns, foi presidente, mas não foi governador. Michel Temer jamais ocupou o Palácio dos Bandeirantes. Atingiu a presidência por caminhos transversais. Foi vice-presidente de Dilma Roussef, deposta­­­­­­ por crime de responsabilidade.Afirmam os antigos recair sobre o Palácio dos Bandeirantes anátema lançado por Adhemar de Barros. Atribuindo a derrota nas urnas à ingratidão dos aliados, teria lançado, sobre os futuros governadores, a maldição de que jamais alcançariam sucesso na disputa em que fracassou.

Afastada a suposição do sobrenatural, cabe indagar porque governadores paulistas, após longa e vitoriosa carreira não conseguem superar o último desafio e conquistar o maior galardão que o político brasileiro pode almejar. Várias hipóteses podem ser aventadas para fato incapaz de ser explicado e impossível de ser entendido. Uma das muitas alude à rejeição entre eleitores do norte-nordeste.

O mato-grossense Jânio Quadros foi vereador, governador, e presidente, graças à popularidade granjeada no combate à corrupção. O homem da vassoura fez de Adhemar de Barros, cujo lema seria “rouba, mas faz”, o alvo predileto. Não teria, contudo, suportado o isolamento na recém-inaugurada Brasília, e enfrentava dificuldades de diálogo com a imprensa e o Poder Legislativo. O carioca Fernando Henrique Cardoso teve a campanha pavimentada pelo Plano Real do presidente Itamar Franco. Não conseguiu, todavia, fazer de José Serra o sucessor.

Nas disputas de 7 e 28 de outubro a hipótese da maldição será novamente testada. Geraldo Alckmin busca, pela segunda vez, eleger-se presidente da República. Com a ausência compulsória de Lula, as candidaturas encontram-se niveladas. Alckmin não aparece, até o momento, entre os mais fortes candidatos. Conseguirá o ex-governador do Estado de São Paulo desmentir a lenda e concretizar antigo projeto político, ou o imaginário anátema atribuído ao Dr. Adhemar terá o poder necessário para derrotar o político de Pindamonhangaba?

As eleições se aproximam. As pesquisas indicam disputa acirrada na conquista da preferência do eleitorado. Prevalecerá a razão ou se confirmará a superstição? Seria o caso de se convocar algum exorcista? É aguardar e ver.

Almir Pazzianotto Pinto, advogado, foi ministro do Trabalhoe presidente do Tribunal Superior do Trabalho.