2015 mal começou e brasileiro já paga mais caro em conta de luz

Sistema de bandeiras tarifárias entrou em vigor nesta quinta-feira em todo o Brasil

Conta da Eletropaulo e calculadoraConta de luz mais cara: bandeiras tarifárias entraram em vigor no dia 1º (Itaci Batista/Estadão Conteúdo/VEJA)

Os brasileiros já entraram em 2015 pagando mais pela energia que consomem. Desde quinta-feira, dia 1º, já está em vigor o novo sistema de bandeiras tarifárias e o ano começa com alta de 3 reais por 100/quilowatts/hora (kWh) nas contas de luz.

Agora, as distribuidoras são obrigadas a colocar na conta de luz uma sinalização sobre a situação do sistema elétrico descrita por meio de uma cor. Se a bandeira estiver vermelha isso significa que a situação climática está ruim e as empresas estão arcando com custos elevados. Isso custará um adicional de 3 reais a cada 100 quilowatts/hora (kWh) na conta do consumidor final. Se estiver amarela, é um nível intermediário, com alta dos custos, mas não incontroláveis como no cenário vermelho. Neste caso, o custo adicional será de 1,50 real a cada 100 kWh. Por fim, se verde, a bandeira indica que o sistema elétrico está sob controle e não há necessidade de cobrar a mais do consumidor.

Na prática, as bandeiras refletirão os custos para se gerar, transmitir e distribuir energia. Fatores como a falta de chuvas, o baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas e a necessidade de ligamento das térmicas acabam encarecendo – e muito – os gastos das empresas do setor e serão repassados para os consumidores.

O natural é que as despesas extras das distribuidoras sejam bancadas pelos consumidores via reajustes e revisões tarifárias, mas não foi bem isso que aconteceu em 2014. De olho no impacto que a aceleração da inflação poderia significar em ano eleitoral, o governo avalizou junto ao Tesouro e a bancos públicos e privados dois grandes empréstimos às empresas do setor. Até agora, o desequilíbrio nas contas das companhias elétricas já acarretou em rombo de aproximadamente 28,3 bilhões de reais, sendo que 10,5 bilhões de reais foram bancados pela União e outros 17,8 bilhões financiados por bancos. Os valores não sairão de graça: serão pagos pelos consumidores ao longo dos próximos três anos por meio de reajustes tarifários. Já o que saiu dos cofres do Tesouro entra na conta do contribuinte.

Leia também: Energia elétrica ficará mais cara em janeiro
Distribuidoras de energia correm risco de ficar inadimplentes 

Consumo — O consumo médio do brasileiro é de 163 kWh por residência, segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), e a tarifa média do consumidor residencial, de acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) é de 400 reais por MWh. Assim, uma conta de 65,20 reais na bandeira verde subiria automaticamente para 67,65 de reais ao passar para a bandeira amarela. Ao chegar à bandeira vermelha, a mesma conta vai a 70,09 reais. O cálculo não considera os encargos e impostos incidentes na tarifa de energia.

Os valores parecem pouco significativos individualmente, mas considerando o universo de 74 milhões de unidades consumidoras no país, em um mês de bandeira amarela, as empresas recolheriam 400 milhões de reais a mais em todo o Brasil, valor que chegaria a 800 milhões de reais em um mês de bandeira vermelha.

A regra vale para todos os Estados, com exceção de Amazonas, Amapá e Roraima, que ainda não estão interligados ao sistema nacional de energia elétrica.

2015 – As dificuldades de abastecimento de água e de geração de energia enfrentadas ao longo de 2014 tendem a se intensificar neste ano. Dados recentes do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) apontam que, mesmo que as chuvas deste verão fiquem muito acima da média histórica – o que não está previsto -, o país terá em 2015 um cenário muito pior que há 12 meses.

Leia também:
País deixa de fazer mais de um terço de obras antiapagão   
Governo derruba ‘à força’ teto do preço da energia no curto prazo  

Economia de energia – Nesta semana, o diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, disse que o modelo de bandeiras será importante porque permitirá ao consumidor entender a dinâmica de custo da geração de energia. “Conceitualmente, o que motivou a Aneel a fazer essa inovação é a ideia de que devemos dar para o consumidor um sinal de preço para ele reagir no momento em que está consumindo”, disse.

No modelo atual, o consumidor paga o reajuste anualmente, quando a Aneel autoriza revisões nas tarifas das distribuidoras. “O processo hoje acontece com certa defasagem, porque acontece uma vez por ano (reajuste das distribuidoras). Portanto, o consumidor recebe uma aviso no momento em que ele não pode mais reagir (no modelo atual)”, afirmou.

Nesta sexta-feira, o diretor-geral do ONS, Hermes Chipp, disse que se chover 70% da média esperada nos próximos três meses, os reservatórios das usinas hidrelétricas das regiões Sudeste e Centro-Oeste devem atingir um nível de 33% em abril. Com essa quantidade de água armazenada, os reservatórios poderiam atravessar o período seco e chegar a um nível de 10% em novembro, suficiente para assegurar o suprimento de energia elétrica no país este ano. Depois disso, o abastecimento permanece uma incógnita. Fonte Veja

Flávio Dino dá posse a secretariado

Os 28 secretários do Governo do Maranhão foram empossados nesta sexta-feira (2), em São Luís. A solenidade foi realizada no Teatro Arthur Azevedo e representou um marco para o início da gestão do secretariado escolhido pelo governador Flávio Dino.
Durante a cerimônia, o governador sinalizou que irá cobrar empenho e dedicação de toda a sua equipe. Para ele, o Maranhão precisa de respostas rápidas e a orientação é que os gestores trabalhem com metas e prazos para concretizar o plano de desenvolvimento social apresentado ao Estado.
Escolhidos desde a segunda quinzena de outubro, os secretários receberam a missão de apresentar medidas eficazes para transformar a realidade social do Maranhão.

Posse de Simplício Araújo na Secretaria de
Desenvolvimento, Indústria e Comércio do Estado do Maranhão.
“Os secretários estão, desde que foram indicados, trabalhando de forma gratuita para o povo do Maranhão. Porque nosso Maranhão tem muita pressa. Temos pouco tempo para reverter os indicadores sociais que assolam a população. Por isso, agradeço muito ao meu secretariado por ter aceitado esse convite missionário”, disse o governador.
Falando em nome de todo o secretariado, Márcio Jerry, que a partir de hoje comanda a pasta de Articulação Política e Assuntos Federativos falou da motivação e empenho dos gestores empossados.
“Mudar pra valer o Estado do Maranhão: este é um sonho que nos motiva muito. Podem ter muita certeza que esta equipe é competente e cheia de motivação para mudar o Maranhão. Uma equipe que tem a força e a beleza dos que desejam transformar o mundo. Somos todos missionários desta causa comandada por Flávio Dino”, discursou Jerry.
Ao finalizar a solenidade, o governador Flávio Dino levou à plateia uma reflexão do Papa Francisco sobre a necessidade de se doar em favor do próximo e de fazer o bem. “Temos que recuperar na gestão pública o entusiasmo de fazer o bem. Esta é a mensagem ética fundamental que quero deixar aqui”, concluiu. (Da SECOM).

A roubalheira e a incompetência do PT impõem à presidente a renúncia ou o impeachment

Dilma e o PT insistem em tratar todos os demais brasileiros como imbecis. Ela se supera em desfaçatez ao comentar os desdobramentos da Operação Lava-Jato. Não consegue disfarçar o propósito de escamotear os fatos e as manobras para evitar as investigações. Foi Ministra das Minas e Energia, Chefe da Casa Civil, presidente do Conselho de Administração da Petrobras. É a presidente da República. E finge surpresa com as revelações da corrupção bilionária na empresa.

A presidente e o PT repetem o padrão do Mensalão: negam os crimes, sabotam as investigações, acusam os que buscam justiça e os que noticiam o escândalo, protegem e aplaudem os delinquentes. Não demonstram arrependimento algum. Não se desculpam à sociedade por roubar o dinheiro dos impostos, por destruir empresas e instituições públicas, por agir contra a democracia, por desviar recursos que poderiam ampliar o acesso da população pobre à saúde, educação, transporte público e segurança.

Está na hora de Dilma pedir desculpas ao Brasil pelo assalto à Petrobras. Está na hora de parar de dizer que autoriza investigações que não dependem dela. Está na hora de parar de dizer que o governo não atrapalha as investigações, porque isso não é favor do governo a ninguém.

Está na hora da presidente pedir para ir embora.

Se não sair, corre o risco de ser saída.

Renúncia ou impeachment? A presidente parece não ter outro caminho. A roubalheira e a incompetência do PT impõem a Dilma um destes dois destinos. Essa lição a sociedade brasileira aprendeu. É como disse Lula depois do impeachment do companheiro Collor: “(…) foi uma coisa importante o povo brasileiro, pela primeira vez na América Latina dar a demonstração de que é possível o mesmo povo que elege um político destituir esse político. Eu peço a Deus que nunca mais o povo brasileiro esqueça essa lição”.

Dilma sabia e sabe da roubalheira na Petrobrás e no resto do governo. E o seu partido é o maior beneficiário das fraudes e dos desvios de recursos. Fonte esse mundo possível,