ASSALTANTE REAGE COM TIRO À PRISÃO E ACABA MORTO PELA POLÍCIA

O assaltante Fernando Souza da Silva, vulgo “Vingor”, 22 anos de idade, morador do bairro Novo Castelo, em Chapadinha, cidade distante 69 km de Buriti-MA, morreu nesta sexta-feira (30) ao confrontar uma patrulha Policial Militar no povoado Roça Velha, zona rural daquele município.

“Vingor”  era suspeito de ter praticado assaltos ainda ontem (29) na cidade de Anapurus. Na ocasião, os Policiais Militares de serviço em Anapurus o perseguiram e ele entrou em uma estrada vicinal, abandonando uma motocicleta Yamaha modelo Lander, placa NXN 5908, de cor vermelha, e fugiu em um matagal existente naquele local.

Já na manhã de hoje (30), por volta das 9h50, a Guarda do Quartel recebeu a informação via telefone de que um elemento de posse de uma arma de fogo estava tentando tomar de assalto motos nas proximidades do povoado Roça Velha e, de imediato, uma guarnição da Policia Militar se deslocou até o local informado, e conseguiu visualizar o suspeito. Lá os policiais desembarcaram da viatura e deram voz de parada ao suspeito que desobedeceu e ainda apontou arma de fogo e efetuou um disparo em direção aos policiais. A guarnição, então, revidou, legitimamente, à agressão e o bandido foi atingido com três disparos.

Arma e moto apreendida com Vingor.

Segundo informações colhidas junto à Delegacia de Chapadinha, Vingor já respondia a vários processos na justiça por assaltos, roubos, furtos e outros.

POLÍCIA DE CODÓ PRENDE JOVENS SUSPEITOS DE ASSALTOS NA CIDADE

Leandro de Sá

índiceJá passava de meia noite de quinta para sexta (31), quando a viatura FT da polícia foi abordada por pessoas que estavam em um bar na Avenida 1° de Maio, no bar (1° gole). Os policiais foram abordados ouviram de pessoas que estavam no local que havia dois homens em uma moto FACTOR e CRIPTON tentando fazer assaltos. Ao fazerem rondas, os policiais observaram os dois homens e então foi dada ordem de parada.

Após isso, os dois suspeitos não obedeceram e foi feita abordagem interceptando-os, e depois disso foi constatado que a moto CRIPTON tinha registro de roubo. O dois suspeitos e as duas motos foram levados para a delegacia.  Entre os dois maiores tem um menor de 15 anos de idade. Os dois foram identificados pela polícia por: Raimundo Sousa Vieira, de 21 anos e Francisco Manoel Santos Neto, de 24 anos de idade. Todos são moradores do bairro São Raimundo na cidade de Codó.

Novamente, a Reforma Política

Por Murilo de Aragão.

Reforma política (Foto: Arquivo Google)

Tal qual o carnaval, todo ano acontece alguma “reforma política”. Este ano, como de praxe, o Congresso se debate para apresentar algo. O relator da Reforma Política, deputado Vicente Cândido (PT-SP), promete apresentar seu parecer sobre a matéria no dia 4 de abril.

São dois os principais pontos de sua proposta. O primeiro é a lista fechada para as eleições de deputados e vereadores em 2018, 2020 e 2022. Já a partir de 2026, seria adotado o chamado sistema distrital misto, pelo qual o eleitor vota no partido e no candidato.

Ele também vai propor o sistema de financiamento para campanhas de deputados em que 70% dos recursos sejam públicos e 30% venham de contribuições de eleitores, no limite de um salário mínimo e com proibição de autofinanciamento.

De acordo com o cronograma traçado por Cândido, a reforma seria votada em maio na Câmara, começando sua tramitação em junho no Senado. Esse cronograma é especialmente otimista e coincide com o da Reforma da Previdência.

Os parlamentares estão preocupados com três aspectos. O primeiro é resolver o problema do financiamento das campanhas eleitorais. Será a primeira eleição para presidente, governador, senador, deputados federal e estadual sem o financiamento privado. O objetivo seria instituir um fundo eleitoral destinado a financiar campanhas.

O segundo aspecto diz respeito à preocupação de anistiar caixas 1 e 2 nas campanhas. Decisão recente do Supremo, segundo a qual até mesmo doações declaradas à Justiça Eleitoral podem ser investigadas se houver indício de vantagem indevida, deixou o meio político atônito.

Mais do que tudo, os congressistas envolvidos com a Lava Jato estão preocupados com sua reeleição em 2018, a fim de manter o foro privilegiado. Nesse sentido, a lista fechada poderia garantir algum privilegio nas primeiras posições, com maior chance de conquistarem um novo mandato.

Acredito que a lista fechada pode ser um caminho para o futuro, desde que não se assegure vaga cativa para os atuais detentores de mandato. Porém, é difícil acreditar que os deputados virem contra si mesmo. Talvez o mais prudente seja deixar o voto distrital misto para 2026 dano tempo para que o sistema se adapte.

No entanto, o que deveria ser aprovado imediatamente é o fim das coligações partidárias para as eleições proporcionais. Ou seja, não haveria coligações entre partidos para eleger deputados federais e deputados estaduais. Esse seria o grande avanço.

Cada cabeça, uma sentença

Por Maria Helena Rubinato

Não fiquei revoltada com a prisão domiciliar de Adriana Ancelmo. Fiquei foi muito revoltada e chocada ao constatar que eles ainda têm o imenso e luxuoso apartamento no Leblon. Deduzo que ainda tenham outros imóveis. E como não tenho notícias das joias e da coleção de diamantes, imagino que ainda pertençam ao casal Adriana/Sergio Cabral.

Discordo, enfaticamente, dos que abraçam a ideia que o que valeu para Adriana Ancelmo – a prisão domiciliar – tenha que valer para todas as mães presas em nosso país, que isso, sim, seria Justiça.

Para mim, essa decisão depende do crime cometido. Assassinas não teriam jamais direito a esse benefício. Quem mata não pode conviver em sociedade, tem mesmo é que servir toda a pena a que foi condenado em regime fechado.

Não pensem, nem por um minuto, por favor, que eu não sei quantas vidas foram abatidas pela corrupção. Quem mora no Rio, e vê sua cidade ter sido devastada pelo roubo, sabe o quanto é violenta a corrupção.

Mas são mortes, ainda que com o mesmo efeito, a cessação da vida, diferentes.

Tenho, entretanto, uma pergunta que ainda não vi ser respondida. Segundo a Força-Tarefa da Lava Jato, Cabral e sua mulher roubaram mais de 270 milhões de reais – quer dizer, isso é o que foi encontrado (mas ao que tudo indica, o teto não é esse… Suspeita-se de um total de 340 milhões).

Onde está esse dinheiro? Quem administra a fortuna bilionária amealhada pelo casal às nossas custas?

Como eles sustentam o imóvel no Leblon? (E os outros que porventura ainda tenham?). Quem paga o condomínio, o IPTU, a manutenção que toda casa habitada acaba por precisar, a luz, o gás, o salário dos empregados?

A vida da mãe e dos filhos nesse apartamento luxuoso não será um mar de rosas, por mais que eles se amem e que ela seja uma mãe dedicada. Proibir os meninos de terem acesso à Internet e aos celulares é brutal e eles não merecem essa punição – vai prejudicar sua vida escolar, a troca de ideias com os amigos, a conversa com os avós, uma palavrinha com o pai que, embora, criminoso, é o pai deles. Há de haver outra maneira de impedir a advogada Adriana Ancelmo de continuar a delinquir sem punir seus filhos.

Estou convicta que o maior castigo para os corruptos seria obrigá-los a devolver tudo que roubaram e não permitir, jamais, que voltem a ocupar cargos públicos. De que nos adianta ter essa gente na cadeia? Queremos que eles paguem pelo que fizeram com o país ou queremos nos vingar?

Justiça ou vingança?

Nem sempre o Leblon é o paraíso (Foto: Arquivo Google)Nem sempre o Leblon é o paraíso (Foto: Arquivo Google)

Recordar é viver: O PT perdeu o controle sobre a corrupção e não sabe o que fazer (31/03/2015)

É tal o desligamento do PT da realidade em sua volta que foi aprovado um manifesto onde o partido afirma que vem sofrendo não por seus erros, mas “por suas virtudes”

Ricardo Noblat

No auge do escândalo do mensalão em 2005, tendo assumido temporariamente a presidência do PT, Tarso Genro, atual ex-governador do Rio Grande do Sul, propôs a refundação do partido.

Isso passaria, entre outras coisas, pelo reconhecimento dos erros do PT, o afastamento de militantes suspeitos de envolvimento com corrupção e a escalação de novos nomes para comandar o partido.

A proposta de Tarso esbarrou na força da corrente majoritária no PT, aquela liderada, na época, pelo ex-ministro José Dirceu. Lula também não se empenhou para que a proposta de Tarso vingasse.

O mundo gira, a Lusitana roda, e o PT se vê metido outra vez em crise semelhante, mas muitas vezes superior à do mensalão. Saiu o pagamento de propinas a deputados. Entrou o Petrolão.

As diferenças: o escândalo de agora movimentou muito mais dinheiro. E não serviu apenas para financiar campanhas. Serviu também para enriquecer muita gente.

À falta de novas ideias, Tarso voltou a propor uma limpeza em regra no partido. A começar pelo afastamento de João Vaccari Neto, tesoureiro do PT e réu no processo da Lava-Jato.

Tudo indica que sairá derrotado novamente. Ontem, os 27 diretórios estaduais do PT se reuniram em São Paulo com a presença de Lula. E nada se falou sobre Vaccari. Pelo contrário.

É tal o desligamento do PT da realidade em sua volta que foi aprovado um manifesto onde o partido afirma que vem sofrendo não por seus erros, mas “por suas virtudes”. Pode crer. Foi isso mesmo.

Como resposta à crise, o PT sugere o aprofundamento da reforma agrária, o apoio à criação de um imposto obre grandes fortunas e aprovação do projeto de lei que estabelece o direto de resposta nos meios de comunicação. Tudo ideia velha. Sem apelo nas ruas.

Pelo seu absurdo, o trecho do manifesto destinado a mais repercutir é aquele onde o PT se diz vítima de uma campanha que almeja o seu aniquilamento.

– Condenam-nos não por nossos erros, que certamente ocorrem numa organização que reúne milhares de filiados. Perseguem-nos pelas nossas virtudes. Não suportam que o PT, em tão pouco tempo, tenha retirado da miséria extrema 36 milhões de brasileiros e de brasileiras. Que nossos governos tenham possibilitado o ingresso de milhares de negros e pobres nas universidades.

Até hoje, o PT, Lula à frente, não admite que o mensalão existiu. Não é de duvidar que possa dizer o mesmo quando chegar ao fim o caso da roubalheira na Petrobras.

A verdade é que o PT perdeu o controle do esquema de corrupção que ele mesmo montou nos últimos 12 anos. E a essa altura não sabe mais o que fazer.

Corrupção custa caro (Foto: Arquivo Google)

 

A falência da ORCRIM

Leia o comentário de Merval Pereira sobre a nova etapa da Lava Jato, que pediu um ressarcimento de 2,3 bilhões de reais à ORCRIM do PP:

“A ação de improbidade administrativa contra o PP e dez políticos da legenda é a primeira movida contra um partido político com base nas investigações do esquema de propina instalado na Petrobras. Ela estava prevista desde o início das apurações, à medida que ficava patente que os partidos políticos, especialmente PT, PMDB e PP, usavam suas legendas para negociatas envolvendo dinheiro público desviado das estatais.

A ideia inicial dos procuradores de Curitiba era pedir a extinção das legendas partidárias envolvidas nas falcatruas, e a suspensão de suas cotas no Fundo Partidário. Com a evolução das investigações, temendo serem acusados de ‘criminalizar’ a política partidária, decidiram não mexer no Fundo Partidário e não pedir a extinção das legendas, mas punir com pesadas multas os acusados…

Certamente PMDB e PT serão duramente atingidos por outras ações de improbidade, e é possível que as legendas não tenham condições de continuar existindo diante da falência financeira que se avizinha”.

Ministério vai ampliar vacinação de febre amarela fora de áreas de risco

Ministro da Saúde, Ricardo Barros

Ministro da Saúde, Ricardo Barros

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, disse nesta quinta (30) que o governo vai disponibilizar a vacina contra a febre amarela para toda a população, mesmo fora das áreas de risco da doença. Segundo ele, as notícias causam um “alarde desnecessário e as pessoas ficam ansiosas e querem se vacinar”.

“Nós vamos dar uma solução para isso, mas não é necessário que a pessoa que está em uma área de não recomendação vá procurar a vacina, ela não está correndo nenhum risco”, disse o ministro.

Ele alertou ainda que a vacina tem efeitos adversos e que as pessoas que não precisam da dose contra febre amarela, ao se vacinar, estão correndo um risco desnecessário. Barros participou hoje do 3º Encontro da Rede Nacional de Especialistas em Zika e doenças correlatas (Renezika), em Brasília.

“O Rio de Janeiro vacina 4,5 mil pessoas por mês nas unidades durante a rotina e agora está vacinando 6 mil por dia. Então, é preciso dispor dessas vacinas porque as pessoas estão indo nas unidades, embora o Rio de Janeiro não seja uma área de recomendação de vacinação. E para esses casos estamos adotando uma nova estratégia”, disse.

Barros contou que, como não há planejamento para essa demanda espontânea, ele pediu hoje aos secretários de saúde estaduais e municipais que façam um levantamento a respeito das doses necessárias para atender a população. “Essa ansiedade é natural e o ministério entende isso e, embora não esteja no protocolo de vacinação, nós vamos atender. É uma questão de conforto ao cidadão que o Estado vai providenciar”, disse.

Não há previsão de quando as vacinas estarão disponíveis para todos nem da estratégia que será adotada. Segundo Barros, isso dependerá da quantidade de doses necessárias e de um planejamento para não desperdiçar as vacinas.

O ministro contou ainda que a vacinação é universal em 19 estados do Brasil e que o governo estuda, para o ano que vem, vacinar todas as crianças, mesmo onde não há recomendação.

Segundo Barros, não há falta de vacinas nas unidades de saúde das áreas de risco e para a vacinação de rotina, como os casos de viajantes. “Não há falta de vacina, elas estão sendo entregues dentro da cota estabelecida para a vacinação regular e atendimento do protocolo. Mas, se as pessoas buscam mais vacinas, essa cota tá sendo utilizada para isso”, disse. Fonte Agência Brasil

Ministra pede a STF que detentas tenham mesmo tratamento dado a mulher de Cabral

A ex-primeira-dama do Rio Adriana Ancelmo

A ex-primeira-dama do Rio Adriana Ancelmo

Diante da repercussão da decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de conceder prisão domiciliar à ex-primeira-dama do Rio de Janeiro Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador Sérgio Cabral, a ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois, encaminhou nesta quinta (30) à presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, um pedido para que esse tipo de decisão seja estendido a todas as detentas na mesma situação.

Adriana Ancelmo ganhou o direito à prisão domiciliar após decisão da ministra Maria Thereza de Assis Moura, do STJ, que levou em conta o fato de ela ter dois filhos, de 11 e 14 anos, e de o pai das crianças também estar preso.

Para a ministra Luislinda Valois, é preciso adotar medidas para que todas as mulheres na mesma situação tenham o mesmo direito.

“Como ministra do Estado dos Direitos Humanos e além disso e principalmente, por ser cidadã brasileira, percebo que tenho o dever de recorrer a Vossa Excelência para que juntos adotemos medidas legais urgentes no sentido de que aquele decisu, mesmo ainda passível de recurso, seja aplicado extensivamente a todas as mulheres brasileiras que se encontrem em situação análoga, sem qualquer distinção e no menor espaço de tempo possível”, diz o ofício enviado à presidente do STF.

Nessa quarta (29), a ex-primeira-dama do Rio de Janeiro foi recebida com um grande protesto no retorno ao apartamento dela, no bairro do Leblon, onde cumprirá prisão domiciliar. Ela deixou o Complexo Prisional de Bangu após quase quatro meses presa por suspeita de envolvimento em negócios ilegais e corrupção praticados pelo marido, o ex-governador fluminense Sérgio Cabral e outros acusados. Fonte Agência Brasil

JOVEM É PRESO EM CODÓ ACUSADO DE MATAR EX-SOGRO EM COELHO NETO

Leandro de Sá

RA polícia da cidade Codó esteve hoje pela manhã cumprindo mais um mandado de prisão expedido pela justiça da cidade. Na ocasião, a polícia conseguiu prender no bairro Codó Novo, um homem identificado por Francisco Denis Amorim, de 34 anos de idade. O mesmo é acusado de ter executado o ex-sogro na cidade de Coelho Neto, a pauladas. A redação do Blog não obteve informação de quando o crime aconteceu naquela cidade. O jovem estava foragido da cidade de Coelho Neto e após uma investigação de policiais civis e militares de Codó, foi descoberto que o mesmo estava no município, e assim a delegacia regional de Codó pediu a prisão do mesmo.

A VIDA SE RESUME À SEXTA-FEIRA

A ansiedade das pessoas pela chegada da sexta-feira transforma os demais dias, exceto os sábados e uma parte do domingo, em um tormento.

Nas redes sociais, a segunda é o dia mais odiado, com pessoas reclamando da vida e sentindo-se cansada, aborrecida ou triste. Na terça e quarta, sobram reclamações sobre o trabalho, a quinta já é de euforia e a sexta é como um gol no final da partida de futebol.

No meio da semana, os amigos da cachaça começam a combinar como vai ser o happy-hour da quinta e nesse encontro, tomando todas, combinam o programa da sexta, que começa ao meio-dia e só termina quando o corpo e a mente não aguentam mais.

Ainda há uma outra programação no sábado: o futebol com os amigos, quando a pelada já não ocorreu no meio da semana. Depois da correria, cerveja e churrasco, que ninguém é de ferro.

Quando sobra algum tempo, algum pai menos desalmado leva o filho a um parque, ao shopping, ao cinema ou ao teatro, sendo o sujeito de classe média para cima, porque nos lugares mais pobres as crianças, quando têm pai, ficam aguentando as farras de fim de semana.

Geralmente, as farras descambam para brigas domésticas, que representam 40% de todas as ocorrências registradas em delegacias. Pelo conteúdo dos registros, o diálogo entre os casais é 99% à base de ofensas pessoais.

Dia desses, um indivíduo foi preso no Paranoá por ter bebido muito e chamado a mulher de “afolosada”. Inquirido pelo delegado sobre o motivo que o levara a dispensar aquele tratamento ofensivo à companheira, ele simplesmente justificou:

– Quem mandou ela me chamar de bebo?

Miguel Lucena é delagado da Polícia Civil e jornalista.

FORA DA CORRUPÇÃO NÃO HÁ SALVAÇÃO

Cinco conselheiros do Tribunal de Contas do Rio, mais o presidente da Assembleia Legislativa, reúnem-se ao ex-governador Sérgio Cabral e a antigos auxiliares para responder por toda sorte crimes de corrupção. Inclua-se na lista o governador Pezão e se terá a receita de um Estado em decomposição. Sobrará o quê, dessa quadrilha empenhada em enriquecer às custas de um povo entregue à própria sorte?

O Rio já foi a capital do Brasil. Hoje transformou-se em centro do crime organizado. Do tráfico de drogas aos assaltos, sequestros e ao desvio de verbas públicas de toda espécie, não sobrou nada. Para cada canto que o cidadão se vire, escorre lama.

Tem saída? Provavelmente, não. Daqui, só para pior. A corrupção estendeu-se por todos os setores e atividades públicas. Os encarregados de zelar pela ordem entregam-se à desordem. Receber propinas tornou-se regra fundamental de comportamento social.

Claro que existem exceções, do Ministério Público à Polícia Federal, mas o enfraquecimento das elites conduziu à rendição das massas, breve a se transformar em rebelião. Qualquer um que se disponha a protestar diante da roubalheira indiscriminada receberá o repúdio dos que servem como exemplo às avessas. Fora da corrupção não há salvação.