Chefe de investigações criminais é exonerado no Maranhão

O superintendente estadual de investigações criminais, Thiago Bardal, foi exonerado do cargo por ter sido foi encontrado em um local que era alvo de crimes e investigado pela polícia militar.

A informação foi dada pelo secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, na tarde desta sexta-feira (22). De acordo com Portela, na madrugada desta quinta-feira (21) a polícia militar estava com realizando uma operação na região do Quebra Pote, em São Luís.

No caminho, Thiago Bardal foi encontrado em um carro com outro homem, que seria o seu advogado. Ao ser questionado, o superintendente afirmou que estava vindo de uma festa, mas depois mudou a versão falando que procurava um sítio para compra.

Thiago Bardal era o comandante da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (SEIC) (Foto: Arquivo/TV Mirante)Thiago Bardal era o comandante da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (SEIC) (Foto: Arquivo/TV Mirante)

Thiago Bardal era o comandante da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (SEIC) (Foto: Arquivo/TV Mirante)

O secretário também afirmou que policiais seguiram até um porto privado, localizado em um sítio da região do Quebra Pote. No caminho encontraram uma patrulha de militares dentro de um carro, que foram abordados e presos.

O comandante de área na região onde ocorreu a operação, coronel Edivaldo Mesquita, confirmou que os presos faziam parte da Polícia Militar, sendo um major, dois sargentos e um soldado. Outras sete pessoas também foram presas por suspeitas de integrarem um grupo criminoso com atuação na Região Metropolitana de São Luís. Armas, bebidas alcoólicas e cigarros também foram apreendidas.

No sítio, descobriu-se um esquema criminoso formado pelo major da polícia militar que já figurava em ações de inteligência. Ele articulava outros PMs para cobertura armada através de milícia para organização criminosa. Outro homem encontrado no sítio era o agenciador das atividades no sítio, segundo a SSP.

Thiago Bardal informou que ainda não prestou depoimento, não sabia da operação e que trabalhou o dia todo na superintendência nesta quinta-feira (22).

Seis envolvidos em assalto aos Correios de Matinha já foram presos


MATINHA/MA – Seis acusados de envolvimento em tentativa de assalto à agência dos Correios da cidade de Matinha já foram detidos. Quatro foram presos nessa terça-feira (20), logo após o crime. Os outros dois foram detidos na tarde dessa quarta (21), sendo que um deles é um vigilante da agência.
Segundo informações da Superintendência Especial de Investigações Criminais (Seic), os detidos foram: Welison Ferreira Ribeiro, conhecido como “Macarrão”; e Welyson de Sousa Santos, conhecido como “Moitinha”; Fabiano Rozeno Oliveira de Souza, 33 anos; Raniery Rego Cantanhede, 28 anos; Herbert dos Santos Costa, 29 anos; e Franciomar Costa Travassos.
De acordo com a Seic, nessa terça (20), duas pessoas, identificadas como Welison Ferreira e Welyson de Sousa, adentraram a agência dos Correios da cidade de Matinha e anunciaram um assalto. As polícias Militar e Civil foram acionadas e, com apoio do Centro Tático Aéreo, conseguiram encurralar os assaltantes no interior da agência. A dupla fez várias pessoas reféns e, após as negociações, liberou as vítimas e foi presa. Com os detidos a polícia apreendeu dois revólveres calibre 38.
Após algumas diligências, os investigadores do Departamento de Combate ao Roubo a Banco da Seic descobriram que outros dois envolvidos no crime estavam do lado de fora da agência e, quando a polícia chegou, eles fugiram para São Luís em uma caminhonete Triton de cor prata. Foi realizada uma barreira na Estiva, sendo preso o terceiro assaltante, identificado como Fabiano Rozeno, em posse da caminhonete.
Os investigadores foram informados, ainda, que o quarto assaltante tinha ficado na cidade de Rosário e tratava-se de Raniery Rego, o qual foi preso em flagrante delito em posse de um revólver calibre 38.
Em continuidade as diligências, os investigadores descobriram que um vigilante da agência dos Correios, identificado como Herbert dos Santos Costa, tinha facilitado o crime. Além disso, a polícia descobriu que havia um sexto integrante do grupo criminoso na cidade de Matinha, identificado como Franciomar Costa Travassos. As informações foram repassadas aos policiais de Matinha, os quais conseguiram prender em flagrante Herbert e Franciomar. Após as formalidades legais todos os seis conduzidos foram autuados em flagrante delito por roubo a agência dos Correios de Matinha e encaminhados ao Sistema Penitenciário onde permaneceram à disposição da Justiça.
Passagens pela polícia
De acordo com a Seic, Raniery e Welyson de Sousa possuem mandado de prisão em aberto pelo assalto ao banco do Bradesco da cidade de Icatu, que aconteceu no dia 12 de janeiro de 2016. Eles foram beneficiados pela Saída Temporária do Natal/2017 e não retornaram.
Já Fabiano possui mandado de prisão pelo crime de homicídio. E Welison tem antecedentes criminais por organização criminosa e roubo.

Operação prende soldados e Major da Polícia Militar suspeitos de formação de Milícia

Desde as primeiras horas da manhã desta quinta-feira (22), uma Operação deflagrada pela Polícia Militar e Polícia Civil do Maranhão coordenada pelo próprio secretário Jefferson Portela e o Comandante da PMMA, Coronel Pereira, está desarticulando e prendendo membros de uma milícia formada por militares do corporação maranhense. De acordo com as primeiras informações já foram presos dois soldados, um major e muito armamento.
A prisão dos militares ocorreu numa localidade chamada Arraial no bairro do Quebra Pote em São Luís. A Secretaria de Segurança já confirmou a Operação e informou que é o próprio secretário ao lado do Coronel Pereira que estão conduzindo os trabalhos.
Além dos PM´s e das munições foram apreendidas muitas bebidas e cigarro no local.
Aguarde mais informações

CEMAR É CONDENADA POR SUSPENDER FORNECIMENTO DE ENERGIA INDEVIDAMENTE EM MATÕES

A Companhia Energética do Maranhão (CEMAR) deverá reparar os danos causados a uma consumidora que teve a energia cortada mesmo com as contas pagas. Esse é o entendimento de sentença proferida pelo Poder Judiciário na Comarca de Matões. A empresa, mesmo citada, não se manifestou nem compareceu à audiência de conciliação e nem à audiência de instrução e julgamento.
A sentença destacou que os serviços de energia elétrica, sem dúvida, se enquadram como relações de consumo, sendo o fornecedor a empresa de energia elétrica CEMAR, na forma do art. 3º do Código de Defesa do Consumidor, e os usuários dos serviços da empresa são consumidores.
“A empresa demandada teve oportunidade para apresentar suas alegações, podendo ter comprovado fato extintivo do direito do autor, o que não ocorreu”, diz a sentença.

Para a Justiça, neste caso, estão presentes requisitos que autorizam o dever de indenizar, consistente no corte indevido feito pela CEMAR, evidenciando o dano, principalmente pelo fato de que mais de um usuário do serviço público suportou um vexame de natureza moral perante terceiros.

O vínculo existente entre a conduta do agente e o resultado por ela produzido, promovendo a suspensão de fornecimento de energia, e o dano de natureza moral sofrido pelo reclamante afigura-se evidente”, expressa, reforçando que o fornecimento de energia é serviço essencial e a sua interrupção acarreta o direito de o consumidor pedir em juízo, buscando que se condene a administração a fornecê-la.

A sentença concluiu que restou evidente o dano moral suportado pela consumidora, pela demonstração dos transtornos enfrentados por ela, que superaram o mero dissabor, pela indevida e não advertida suspensão do fornecimento de energia, mesmo com as faturas pagas e sem qualquer notificação prévia.
A empresa foi condenada ao pagamento da quantia de R$ 3,5 mil a título de reparação por danos morais, com incidência de correção monetária, conforme a Súmula N° 362 do Superior Tribunal de Justiça (STJ

Jovem é assassinado por uma adolescente com tiro de “garruncha” e faca em Coelho Neto-MA

Na manhã desta quarta-feira (21), um jovem identificado como Laércio Gomes Cabral de Moraes,19 anos, foi morto com 01(um) tiro de garruncha e 01 (um) golpe de faca no bairro Olho D’aguinha em Coelho Neto.
Segundo a Polícia Civil de Coelho Neto, o autor do homicídio é um adolescente de 16 anos, primo de uma namorada da vítima. Eles já haviam tido desentendimentos, e Laércio teria ameaçado o adolescente de morte. E, na manhã desta quarta-feira o menor sentindo-se ameaçado, efetuou 01 disparo fatal de garrucha em Laércio. Após o crime, o menor fugiu conduzindo a motocicleta da vítima.
A vítima possuía várias passagens pela polícia, e respondia processo por roubo. Usava tornozeleira eletrônica, que o mesmo retirou recentemente. Segundo a polícia Civil, no período do carnaval a vítima havia sido perseguido após roubar uma motocicleta, mas conseguiu fugir e abandou o veículo.
O vítima residia na rua Maranhão, no bairro Subestação em Coelho Neto.

OS CORRUPTOS GANHAM BEM

Alguém em sã consciência, a pretexto de defender melhorias para servidores, diria que defasagem salarial provoca atos de corrupção? Seria um argumento frágil, embora revestido de boas intenções, que enodoaria o segmento mencionado.

Corrupção existe em todos os setores. Se salários altos evitassem atos desonestos, não teríamos tantos parlamentares e governantes presos e envolvidos em esquemas de malversação de recursos públicos.

Atribuir a corrupção a salários defasados é o mesmo que acusar os trabalhadores brasileiros, em sua maioria ganhando pouco mais de um salário mínimo, de serem ladrões. Como vivem com tão pouco? Será que complementam a renda furtando?

Claro que a satisfação salarial e profissional faz o servidor pensar duas vezes antes de praticar um ato ilícito que prejudique sua carreira para sempre, levando-o à perda do cobiçado cargo. O desonesto, no entanto, por ser de sua índole, um dia cairá em tentação.

Os policiais civis, por exemplo, não são mais ou menos honestos do que eram antes. Estão, sim, desestimulados com a perda da paridade salarial com a Polícia Federal e a falta de efetivo, o que levou o governo a fechar 20 das 31 delegacias do DF à noite, nos finais de semana e feriados.

Quem consultar direito o dicionário vai ver que corrupção jamais poderá ser sinônimo de tristeza e depressão. Na falta de alegria, curemos esse mal com doses de esperança e coragem de mudar.

*Miguel Lucena é Delegado de Polícia Civil do DF, jornalista e escritor.