Governo escolta caminhões de combustíveis para diminuir efeitos da crise federal

O Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP), assegurou na manhã deste sábado (26) escolta policial para caminhões de combustíveis chegarem à capital, garantindo a normalidade em serviços públicos de saúde, segurança e o reabastecimento dos postos de combustíveis.

A medida foi definida na noite de sexta-feira (25), após reunião do governador Flávio Dino com diretores e presidentes de órgãos públicos, sindicatos, empresas privadas e representantes das Forças Armadas para discutir ações que amenizem, em âmbito estadual, os efeitos da crise federal de combustíveis.

Policiais militares fizeram a escolta dos caminhões para os postos e pontos públicos de abastecimento. A intenção é garantir serviços essenciais para a população, como transporte público coletivo, segurança, serviços de saúde e coleta de lixo.

“A situação deriva de um problema nacional, mas demanda uma reflexão conjunta, para garantir o fluxo normal dos serviços públicos em todo o Maranhão”, disse o governador Flávio Dino.

Para o secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, “a posição do Governo é de atender a população”.

Ted Lago, presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP), que gerencia o Porto do Itaqui, afirma que o trabalho emergencial foi iniciado em São Luís, e deve se estender para o interior a partir deste sábado (26).

“Nós já iniciamos uma estratégia especial para garantir o transporte urbano, ferry-boat, além da coleta de lixo na capital. Vamos trabalhar para ampliar o que já estamos fazendo”, disse.

Com a escolta, os serviços públicos são assegurados pelo Estado, e o reabastecimento completo dos postos de combustíveis da capital será concluído em breve.

URGENTE: Homem desaparece nas aguas do rio em Nina Rodrigues

Era aproximadamente 4 hs da manhã de hoje, quando o Sr. Adailto, conhecido como camaleão, chegou para trabalhar como passador em uma canoa de sua propriedade. Ao chegar, encontrou próximo ao pontão uma moto, roupas, carteira,sandálias, que mais tarde veio a saber que eram de propriedade do Sr. José Adriano dos Santos Nascimento de 26 anos de idade que está desaparecido desde a madrugada de hoje. Segundo sua esposa, Sra. Suely Almeida Silva e Silva, moradora do povoado São Domingos do Zé Macedo, Adriano teria feito uma ligação para ele aproximadamente às 1h e 46 dessa manhã e disse-lhe : ” Amor, estou indo pra ir.” Como não chegou ela esperou o dia amanhecer e foi procurá-lo. E qual não foi a sua surpresa ao saber que Camaleãotinha encontrado as margens do rio, os pertences de seu esposo. Foi dado o alarme e a policia foi acionada juntamente om a guarda municipal, que iniciaram as buscas e que foram suspensas as 5h da tarde sem terem encontrado o corpo. Os bombeiros foram informados e estarão em Nina Rodrigues amanhã pela manhã para resgatar o corpo de Adriano. A vítima deixa dois filhos do primeiro casamento, sendo um de nove e outro de sete anos.

A caminho do brejo

RI Rio de Janeiro (RJ) 22/06/2016 - Retrato da colunista Cora Ronai. Foto: Leo Martins / Agencia O Globo Foto: Leo Martins / Agência O Globo

A caminho do brejo

A sociedade dá de ombros, vencida pela inércia

Um país não vai para o brejo de um momento para o outro — como se viesse andando na estradinha, qual vaca, cruzasse uma cancela e, de repente, saísse do barro firme e embrenhasse pela lama. Um país vai para o brejo aos poucos, construindo a sua desgraça ponto por ponto, um tanto de corrupção aqui, um tanto de demagogia ali, safadeza e impunidade de mãos dadas. Há sinais constantes de perigo, há abundantes evidências de crime por toda a parte, mas a sociedade dá de ombros, vencida pela inércia e pela audácia dos canalhas.

Aquelas alegres viagens do então governador Sérgio Cabral, por exemplo, aquele constante ir e vir de helicópteros. Aquela paixão do Lula pelos jatinhos. Aquelas comitivas imensas da Dilma, hospedando-se em hotéis de luxo. Aquele aeroporto do Aécio, tão bem localizado. Aqueles jantares do Cunha. Aqueles planos de saúde, aqueles auxílios moradia, aqueles carros oficiais. Aquelas frotas sempre renovadas, sem que se saiba direito o que acontece com as antigas. Aqueles votos secretos. Aquelas verbas para “exercício do mandato”. Aquelas obras que não acabam nunca. Aqueles estádios da Copa. Aqueles superfaturamentos. Aquelas residências oficiais. Aquelas ajudas de custo. Aquelas aposentadorias. Aquelas vigas da perimetral. Aquelas diretorias da Petrobras.

A lista não acaba.

Um país vai para o brejo quando políticos lutam por cargos em secretarias e ministérios não porque tenham qualquer relação com a área, mas porque secretarias e ministérios têm verbas — e isso é noticiado como fato corriqueiro da vida pública.

Um país vai para o brejo quando representantes do povo deixam de ser povo assim que são eleitos, quando se criam castas intocáveis no serviço público, quando esses brâmanes acreditam que não precisam prestar contas a ninguém — e isso é aceito como normal por todo mundo.

Um país vai para o brejo quando as suas escolas e os seus hospitais públicos são igualmente ruins, e quando os seus cidadãos perdem a segurança para andar nas ruas, seja por medo de bandido, seja por medo de polícia.

Um país vai para o brejo quando não protege os seus cidadãos, não paga aos seus servidores, esfola quem tem contracheque e dá isenção fiscal a quem não precisa.

Um país vai para o brejo quando os seus poderosos têm direito a foro privilegiado.

Um país vai para o brejo quando se divide, e quando os seus habitantes passam a se odiar uns aos outros; um país vai para o brejo quando despenca nos índices de educação, mas a sua população nem repara porque está muito ocupada se ofendendo mutuamente nas redes sociais.

Leia mais: https://oglobo.globo.com/cultura/a-caminho-do-brejo-20606929#ixzz5GcbJf2cX
stest

Motoristas do Uber aderem paralisação e fecham saída de São Luís

Vários motoristas de Uber resolveram fechar a saída da capital do Maranhão São Luís, além dos motoristas de uber, o blog tomou conhecimento que taxistas e outros motoristas aderiram ao protesto.
A revolta da categoria é contra o abuso dos empresários donos de postos de combustíveis da capital que se aproveitaram do momento para alavanca absurdamente o preço dos combustíveis.
Na região do Renascença/Calhau o preço varia de R$ 4,08 à R$ 4,34. O valor da gasolina aditivada tem assustado os motoristas. O menor valor da gasolina aditivada é de R$ 4,299. Em um posto do bairro Renascença ela é ofertada ao valor de R$ 4,99. No bairro da Maioba, em Paço do Lumiar, Região Metropolitana de São Luís, a gasolina comum está sendo vendida a R$ 4,99., Em alguns postos de combustíveis não se encontra mais gasolina por conta da paralisação dos caminhoneiros. Fonte Neto Weba

Homem recorre ao suicídio após manter esposa e filho reféns no MA

Um homem identificado como Raimundo Nonato Ferreira de Moraes, popularmente conhecido como ‘Raimundão’, atirou no próprio peito no início da tarde desta sexta-feira (25), no município de Codó.
O gesto tresloucado ocorreu no momento em que os policiais invadiram a casa onde ele mantinha a mulher e filhos reféns, na Rua Nossa Senhora Aparecida, no bairro São Raimundo.
O homem mantinha a família em cárcere privado desde as 5h de hoje, sob a mira de um revólver calibre 32.
A mulher e os filhos saíram sem ferimentos. Nenhum tiro foi disparado pelos policiais militares.
‘Raimundão’ havia saído no indulto do dia das mães e não retornou ao presídio de Codó, passando a ser considerado foragido.
Uma equipe do SAMU foi acionada e levou o corpo para o necrotério do Hospital Geral Municipal – HGM Fonte Neto Weba