Fábio Braga defende recuperação de estradas para melhor escoamento da produção de grãos

 

Em pronunciamento feito na sessão na quarta-feira, 6, o deputado Fábio Braga (SD) enfatizou a necessidade da recuperação das estradas vicinais, estaduais e federais – que estão danificadas em decorrência das intensas chuvas que atingem o Maranhão. Ele acentuou que, com a recuperação da malha viária, vai melhorar o escoamento de grãos e da agricultura sustentável.

Fábio Braga lembrou que, nesse período, houve alagamentos, enchentes e transtornos para a população por conta da falta de energia e de água, mas houve também o aumento na produção dos grãos da agricultura familiar, do agronegócio e de todos os investimentos na agropecuária maranhense.

Disse também que muitas das estradas vicinais, estaduais e federais, que são trajetos do escoamento, estão danificadas, por isso, pediu que os prefeitos e os governos estadual e federal tomem providências, visto que, aquelas rodovias servem para o transporte de passageiros, de cargas e de todo seguimento de negócios que são feitos pelas malhas rodoviárias.

“Todos sabem que sem chuva dificilmente nós teremos boas colheitas, pois temos dificuldade ainda em ter uma agricultura que se sustente sem o período chuvoso. Agora, com os transtornos advindos da chuva, também tem que ser recuperada boa parte da nossa malha viária que corta o Estado do Maranhão”, afirmou Fábio Braga.

Polícia prende homem por suspeita de estupro em Chapadinha

De acordo com a Polícia Civil, os casos de estupro teriam acontecido durante os meses de outubro de 2017 e maio deste ano no município de Chapadinha e em cidades próximas.

FAROESTE NO MARANHÃO: APRESENTADOR DE TV E ADVOGADO MARCAM ENCONTRO PARA TROCAR TIROS EM SÃO LUÍS GONZAGA-MA

De acordo com informações do blog do Domingos Costa, o advogado Bismarck Moraes Salazar, irmão da desembargadora Ângela Salazar, disparou, nesta sexta-feira (08), diversos áudios ameaçadores contra o apresentador Israel Braga, proprietário da emissora TV Gonzaguense, afiliada a RedeTV, canal 14, na cidade de São Luís Gonzaga do maranhão, a 250 km de São Luís.
Adversário do prefeito Francisco Pedreira Martins Junior, o Dr. Júnior (PDT), o advogado não digeriu crticas feitas pelo apresentador. Em discussão de grupo de whatsApp, o causídico ameaçou o comunicador abertamente. “Israel, amanhã (sábado, dia 09/06) estou te esperando aqui na porta da tua TV”, avisa Salazar.
Enfurecido, o irmão da desembargadora ainda usa palavras de baixo calão, como “moleque”, “vagabundo de merda”,  além de termos pejorativos tipo “viado”, “miserável” e “cachorro”.
“Tu esculhamba é viado, aqui é macho filho de uma égua, vem, eu vou te esperar bem aqui, meu povo tá esperando tu vim meio dia como tu ta dizendo. Vem com polícia com o diabo que tu vier, tu não entra amanhã [09] nessa TV, vou te mostrar. Israel, vou te esperar, aí que eu quero ver se tu é esse macho que tu diz, meu povo já tá te esperando aqui, pode vim, agora tu vem com homem e armado, nós vamos te esperar aqui é armado vagabundo, nós vamos te esperar armado aqui filho da puta” (sic), continua o advogado.
Bismarck Salazar ainda desafia a ordem pública e provoca a polícia militar do estado do Maranhão. Fala como se fosse o próprio dono da Cidade.
“Vou te provar que tu não entra em São Luis Gonzaga amanhã [sábado, dia 09 ], doa a quem doer, doa a quem doer amanhã. Olha rapaz, eu vou te dizer uma coisa, vem amanhã do jeito que tu ta dizendo aí, nós estamos preparados pra ti, vem amanhã vagabundo vem. Não tenho medo de ninguém não, seu porra, viado, traumatizado, cachorro, aqui vai ter desgraça, eu vou te esperar, vou te esperar”, completa o advogado.
Em um segundo áudio o apresentador desafia o advogado e ofende de igual modo com palavras de baixo calão e marcando encontro para segundo ele trocar tiros com o advogado. O apresentador Israel acusa o advogado Bismarck de “estuprador, ladrão” e diz que quer ver se é impedido de entrar em São Luís Gonzaga amanhã. Fonte Francisco Vale

MAIS UM MORRE VÍTIMA DE PISTOLAGEM NO MARANHÃO E AS ELUCIDAÇÕES CONTINUAM NO ESCURO

Alagoas, Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba, perderam para o Maranhão a posição de destaque em crimes com características de encomendas, a chamada pistolagem. Só nesta semana, tivemos dois, sendo um de um boliviano e outro ontem (08), em Governador Nunes Freire, sendo a vítima conhecida por Marcos Bolão, executado dentro do carro.
Bolão é de Presidente Médici, mas foi avistado ontem por motoristas às margens da BR 316, em Nunes Freire. Na quarta-feira, dia 6, o colombiano Edwin Fernando Mendez, 33 anos, foi executado em Buriti quando pilotava sua motocicleta. O crime estaria relacionado com outro colombiano em Coelho Neto, em março deste ano.
Nos últimos meses, mais de três colombianos foram executados no Maranhão. Todos por envolvimento com agiotagem. Mas em nosso estado existem as encomendas por questões políticas e acertos de contas. Registros apontam mais de 12 mortes em menos de três anos.
Cinco vereadores, três blogueiros e vários empresários foram executados, principalmente naquela região de Governador Nunes Freire. O pior de tudo é que os assassinatos acontecem à luz do dia e as elucidações permanecem no escuro.

Fonte: Luís Cardoso

O Brasil é uma guerra

MIGUEL LUCENA

O Brasil é, para quem exercita o autoengano, um país tropical e abençoado por Deus. Inventaram, até, que o Criador nasceu aqui, mesmo que a evolução tenha chegado antes a outras partes do mundo. Na realidade, o Brasil é mesmo um país violento, repleto de mortandade.

O Atlas da Violência do Ministério da Saúde, divulgado pelo Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea), mostra que o Brasil registrou 62.517 mortes violentas em 2016, superando o patamar de 30 homicídios a cada 100 mil habitantes. O número corresponde a 30 vezes a taxa de assassinatos na Europa, onde a crise econômica também se faz presente.

O que faz do Brasil um país violento? Por que pretos e pardos são os mais atingidos? Qual o papel do autoengano na não-resolução dos problemas?

O autoengano nos impede de enxergar a realidade e encontrar soluções para todos os problemas, especialmente o da violência. Se somos especiais, cordiais e alegres, bons de bola e carnaval, com uma natureza esplêndida e encantos mil, o que nos falta?

Essa visão de mundo nos faz empurrar os problemas com a barriga. “Hoje, só amanhã”, costumam dizer os baianos. Sempre que acontece algo grave, saltam paladinos enchendo a veia do pescoço e os mesmos somem na mesma velocidade em que apareceram, logo que as coisas se acalmam. O assunto morre. Põe-se uma pedra em cima. Águas passadas não movem moinhos.

A maioria das mortes ocorre entre criminosos. São acertos de contas. Delinquentes comuns ou a serviço do Estado. Tanto faz. Bandido é bandido. O Judiciário, preocupado com seus auxílios, fecha os olhos, trata os criminosos como vítimas da sociedade, ninguém cumpre pena integralmente no Brasil, os presídios foram tomados pelo crime estruturado, as quentinhas dos presos viraram negócio milionário, a lavagem de dinheiro corre solta, os apartamentos dos políticos sujos vivem abarrotados de dinheiro do crime, enquanto a violência campeia para deixar o povo apavorado e sem enxergar a ladroagem dos de cima.

Pretos e pardos são os mais atingidos desde o início da nossa história e assim continuam porque são os mais pobres na escala social. Vivem em guetos, favelas e bairros sem estrutura. É nessas vielas que os bandidos comuns se escondem, guardam as drogas que lhes foi fornecida pelos grandes, saem para cometer delitos no corpo a corpo e por isso são presas fáceis para o policiamento ostensivo, razão pela qual as cadeias também estão abarrotadas de pretos e pardos.

O Brasil só vai ser um país sério quando se desenvolver sem roubar, criar oportunidades para a maioria no mercado de trabalho, diminuir a pobreza, valorizar a investigação qualificada, em vez de sucatear as Polícias Civis e Federal, modificar as leis processuais e de execução penal (para acabar com as benesses e colocar os presos para ganhar seu sustento com o suor do próprio rosto), banir os privilégios de castas do serviço público e combater a corrupção.

Miguel Lucena é Delegado de Polícia Civil do DF, jornalista e escritor.