Vargem Grande: Queda de braço entre governo e G5 está só começando

Imagem relacionada

Ilustração

Estamos findando os dois anos de administração dos eleitos no último pleito das eleições de prefeitos e vereadores em todo país. Aqui em Vargem Grande, as coisas não estão muito boas para ambos os lados. Dos vereadores que copõem o grupo G5 que em algumas oportunidades é chamado de G7, apenas o vereador Chico do Zé Pedro não esteve no palanque e nas ruas, pedindo votos para si e para o prefeito José Carlos de Oliveira Barros, o Carlinho Barros ou CB, como queiram.

Ocorre que nas eleições últimas para deputado, o G5 depois de muitas conversas, resolveu apoiar o deputado Othelino Neto para deputado estadual, mas, não aceitou votar em Gastão Vieira para deputado Federal, que era o candidato do prefeito. Preferiram votar em Gil Cutrim. Numa “peleja” mais recente, o G5 se juntou aos vereadores Jociedson Aguiar e a Vereadora Conceição, e assim, conseguiram derrotar o presidente daquele poder, que pleiteava a reeleição. Nesse momento, não foi mais G5 e sim G7 como mencionei ainda pouco.

Com a derrota do presidente, observadores políticos aguardaram a retaliação, aos vereadores dissidentes da base do governo. Esse final de semana, aconteceram várias demissões de servidores contratados que alguns acreditam ser cassada as bruxas e outros, que são mais próximos do prefeito, dizem que é preciso enxugar a máquina, para poder cumprir com os compromissos com os aposentados e concursados. Sabemos que ainda vão acontecer muitos embates nessa seara política, cada qual puxando brasa para sua sardinha. Todos se defendendo e dizendo que o culpado sempre foi o outro. E agora lembro das palavras do meu avô paterno que dizia com muita propriedade: Quem pega os tiros é quem conta os buracos.A “peleja” está só começando, isso é o que dizem porta-vozes de ambos os lados.Vamos aguardar?

Bandidos assaltam advogada no centro de Vargem Grande e se dão mal

A Dra. Leidiane, advogada, por volta de 7 hs e 30 min da noite de ontem 29/11, entrou em uma lanchonete próximo ao ginásio Poliesportivo Gastão Vieira, pediu o lanche e nesse intervalo chegaram três bandidos em uma moto que anunciaram um assalto e tomaram de suas mãos o celular.

Ao tentar empreender fuga em uma moto, o que os bandidos não contavam, é que dentro do veículo estacionado na porta da lanchonete estava um policial militar que é esposo da vítima. Os bandidos ainda sentaram na moto, mas o policial que estava dentro do veículo atirou no pneu traseiro da moto, perfurando até a calha.

Um dos bandidos foi preso pelo próprio policial, que pediu ajuda a guarnição para prender os outros dois, que correram rumo ao bairro Rosalina, De imediato a guarnição chegou e minutos de pois prendia o segundo elemento. Ainda existe um foragido, mas a polícia espera por a mão nele o mais rápido possível. Estão presos Vitor Santos da Silva e Francinaldo dos Santos. Menos dois bandidos para dar trabalho a polícia e menos dois para atormentar a vida das pessoas de bem de Vargem Grande.

PROCON/MA notifica distribuidoras para que reduzam preço dos combustíveis

O PROCON/MA notificou novamente, nesta semana, as distribuidoras para que reduzam o valor do combustível de acordo com a nova tabela de preços da Petrobrás. Entre os meses de outubro e novembro, a Refinaria divulgou uma redução em 32,262%.
A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) também notificou todas as distribuidoras para que justifiquem o valor repassado aos fornecedores, que se queixam de continuar pagando caro pelo combustível.
Embora tenha constatado uma redução no preço dos combustíveis em todo o Estado (em média R$ 0,20), contudo, o PROCON/MA declarou não ser ainda o suficiente, pois até o momento, de acordo com os dados recebidos dos postos e distribuidoras pelo Instituto, foi repassado para o consumidor final apenas a média de 4,47%. Por isso, a presidente do órgão, Karen Barros, afirma que as fiscalizações não irão cessar.
“O PROCON/MA busca garantir a prática de um valor justo e proporcional aos consumidores. As reduções, embora consideradas positivas, ainda não são o suficiente, haja vista o valor da redução final passada ao consumidor ser muito inferior ao que foi determinado pela Petrobrás. Sendo assim, vamos continuar com as operações nos postos de maneira ostensiva, para assegurar ao consumidor, no momento da compra de combustível, que o valor praticado seja proporcional e sem aumento abusivo de tributação”, finaliza.
Entenda o caso
No dia 23 de outubro deste ano, logo após a determinação da Petrobrás em reduzir o valor do combustível, o PROCON/MA notificou postos e distribuidoras para que comprovassem que estão reajustando os preços conforme redução divulgada pela Refinaria. A ação faz parte da Operação Batismo.
Segundo os dados informados pela equipe de fiscalização do PROCON/MA, entre outubro e novembro, a redução média foi de R$ 0,197 no valor da gasolina em todo o Maranhão. Já na capital, essa média chegou a R$ 0,211, com variação máxima chegando a R$ 0,30 em um posto da capital (confira a tabela de preços da semana no site do PROCON/MA).
Outra cidade que foi constatada a redução de valor foi Codó. O preço que antes era de até R$ 4,97, agora pode ser encontrado com o valor de R$ 0,32 centavos mais barato. As reduções são devido às intensas ações das equipes de fiscalização do órgão.

Indulto engavetado

O execrável indulto de Michel Temer deve apodrecer na gaveta de Luiz Fux.

Diz Merval Pereira:

“O ministro Luis Fux, com seu pedido de vista, fez uma defesa constitucional do Supremo, que estaria permitindo que políticos como Eduardo Cunha e Geddel Vieira Lima fossem soltos pelo indulto presidencial.

Como está terminando o ano judiciário, esse tema só deve ser retomado no próximo governo do presidente eleito Jair Bolsonaro, que já disse que não dará indulto.” Fonte O Antagonista

Brasileiros vão às compras e ignoram Lula

JORGE OLIVEIRA

Nova Iorque – A descoberta de outros casos de corrupção e lavagem de dinheiro deixa sombrios os dias de Lula. Para quem achava que passaria poucos dias na cela, que renasceria das cinzas como a fênix para um novo voo político como candidato a presidente da república, o tempo passou e só Carolina não viu, como diria Chico Buarque, seu mais ardoroso defensor. Da euforia da pré-campanha, quando se apresentava como candidato, mesmo com a certeza de que a Justiça iria impugnar seu registro, Lula agora se prepara para uma prolongada permanência atrás das grades, agora com o tempo desfavorável a um desfecho feliz.

 

Já não se vê por aqui os movimentos de “Lula Livre” e a campanha do “Fora Temer”, patrocinada pelos petistas. Parecem clichês do passado que vão se desmilinguido enquanto o país caminha para outro momento político. A brasileirada está mais preocupada em encher os carrinhos de compras nas lojas de departamento no frisson do Black Friday do que sair pelas ruas friorentas da Big Apple acenando a bandeira de PT injustiçado.

 

No meio dos brasileiros – até entre os petistas radicais – já não se ouve tanto a defesa doentia de Lula. Parece que os protestos foram engolidos pelos novos tempos, depois do último depoimento do ex-presidente à juíza Gabriela Hardt que o enquadrou de forma severa ao perceber a intenção dele em tumultuar o interrogatório quando insinuou que o juiz Sérgio Moro tinha relações próximas com o doleiro Youssef. Se Lula imaginava que iria impor suas bravatas, o que se viu foi um cara abatido e acuado diante da juíza determinada a não deixá-lo fazer proselitismo político.

 

A sensação que tenho por onde passo – Miami e Nova Iorque – é de que existe um conformismo entre os seguidores de Lula de que ele ficará mais tempo na cadeia do que se imaginava. E que depois da campanha feita no exterior com dinheiro público por embaixadores simpatizantes do PT e cineastas com dinheiro da Ancine, é fria, hoje, a reação dos brasileiros em relação a causa petista.

 

A imprensa, então, quase não fala de política brasileira. O próprio Bolsonaro já está frio, gelado, no noticiário. Trump, com os seus arroubos, não deixa espaço pra ninguém na mídia. Quem vem ocupando as manchetes por aqui é outro brasileiro, o ex-presidente da Nissan, o Carlos Ghosn, preso no Japão sob acusação de sonegação fiscal.

 

O executivo é figura presente nas primeiras páginas dos principais jornais como Financial Times, NYT e Washington Post. Há controvérsias quanto a sua prisão. Fala-se, inclusive, que os japoneses teriam armado uma arapuca contra Ghosn, também naturalizado libanês, para retirá-lo da presidência do conselho com inveja do sucesso dele à frente da própria empresa deles. É o que pensa pelo menos os dirigentes da Renault, empresa francesa, parceira da Nissan, que condena a prisão de Ghosn.

 

Assim como a imprensa, os organismos internacionais também baixaram a bola na campanha do “Lula Livre”. Alguns dirigentes tentaram, em vão, tumultuar o processo eleitoral, mas recuaram diante da decisão soberana do TSE de manter a inelegibilidade de Lula nas eleições desse ano. Há um certo temor entre os minguados petistas sobreviventes no exterior de que o ex-presidente será novamente condenado. E se isso de fato ocorrer, dizem eles, Lula dificilmente sairá da cadeia, já que seu partido, derrotado nas urnas, está no ostracismo.

 

Outros militantes acreditam que Lula, caso condenado novamente, deverá ser transferido para um presídio comum para cumprir as penas. Mantê-lo sob custódia na Polícia Federal requer uma logística que a própria PF não está acostumada, pois o local não é para abrigar preso já condenado. Além disso, Lula custa muito caro ao estado pelo aparato à sua disposição por ser um preso que exige atenção especial.

 

Enfim, o velho ditado do “rei posto, rei morto” é o que se ouve dos brasileiros, que nesse momento se acotovelam com os japoneses nos corredores lotados das lojas de grife, quando falam sobre a situação atual de Lula.

 

O ostracismo do Lula assemelha-se a cena de um político apagado como se alguém tivesse puxado a tomada, deixando-o na escuridão.

CONCURSO DA PRF OFERECE 18 VAGAS PARA O MARANHÃO

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) publicou o edital nº 1/2018 que irá preencher 500 vagas para Policial Rodoviário Federal, Padrão I da Terceira Classe. As oportunidades são para todo o país. O concurso PRF 2018/2019 será realizado pelo Cebraspe (CESPE).

Vagas, atribuições e subsídio

 São 500 vagas distribuídas em todo o Brasil, sendo 367 vagas de ampla concorrência, 100 vagas para candidatos negros e 33 vagas para candidatos com deficiência. O Policial Rodoviário é responsável por realizar atividades de natureza policial envolvendo fiscalização, patrulhamento e policiamento ostensivo, atendimento e socorro às vítimas de acidentes rodoviários e demais atribuições relacionadas com a área operacional da Polícia Rodoviária Federal.

Inscrições 

 As inscrições serão realizadas somente no mês de dezembro de 2018, a partir das 10 horas do dia 03 até às 18 horas do dia 18, apenas via internet, através do endereço eletrônico http://www.cespe.unb.br/concursos/prf_18. O valor é de R$ 150,00. Poderão solicitar a isenção da taxa de inscrição os candidatos membros de família de baixa renda, de acordo com a legislação vigente, desde que inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) e os doadores de medula óssea em entidades reconhecidas pelo Ministério da Saúde.

Requisitos do cargo 

 Para concorrer ao cargo de Policial Rodoviário Federal é necessário possuir graduação de nível superior em qualquer área de formação e CNH na categoria B. Além dessas exigências, há as seguintes: ser aprovado em todas as fases; ter nacionalidade brasileira ou portuguesa (amparado pela legislação federal); estar em gozo dos direitos políticos; estar quite com as obrigações militares para os candidatos do sexo masculino; estar quite com as obrigações eleitorais; idade mínima de 18 anos; aptidão física e mental.

Fonte: Domingos Costa

QUADRILHA É PRESA ACUSADA DE ASSALTAR AGÊNCIA DOS CORREIOS DE CURURUPU

Nesta quinta-feira (29), a Polícia Militar de Cururupu prendeu um bando acusado de assaltar a agência dos Correios da cidade. Foram presos Rogério Pinheiro, Gilson Carlos Martins, Gilson Carlos Raiol Corrêa e Mailson Ribeiro Dias.

Segundo informações, na quarta-feira (28), a quadrilha, que é originada da cidade de Pinheiro, roubou a agência, de onde levaram uma grande quantia em dinheiro. Após a ação, as forças policiais iniciaram as investigações ao tomar conhecimento dos fatos conseguindo prender logo em seguida dois criminosos que prestavam auxílio aos autores, identificados como Júlio César Martins Costa e Rafael Pinheiro.

As diligência não cessaram e já por volta das 5 hrs da manhã de hoje o resto do bando foi localizado e preso em flagrante.

Com a quadrilha, foram apreendidas armas de fogo e o dinheiro subtraído dos Correios e dos clientes.

Fonte: Neto Ferreira

Operação da Polícia Civil prende membro de organização criminosa no Maranhão

Isaque Vital foi preso na manhã desta quinta-feira (29) no bairro Araçagy — Foto: Reprodução/ TV Mirante

Uma operação realizada nesta quinta-feira (29) pela Polícia Civil do Maranhão e do Distrito Federal, no bairro Araçagy, na Região Metropolitana de São Luís, resultou na prisão de Isaque Vital. Ele é suspeito de ser o chefe de uma organização criminosa que praticava roubos de contas bancárias via internet.

De acordo com o delegado da Polícia Civil do Distrito Federal, Gian Carlos Zuliani, 33 mil contas foram acessadas e outras pessoas da quadrilha estão sendo investigadas. “A informação de que o indivíduo estava aqui chegou através do líder da quadrilha que morava no Paraná, através disso foi feito o rastreamento do Isaque que utilizava técnicas modernas para se ocultar na internet e com o apoio da polícia do Maranhão conseguimos identificar e prender ele”, explicou.

O delegado afirmou que o laudo pericial confirmou que 33 mil contas foram acessadas pelo suspeito. “O laudo pericial demonstra que 33 mil contas foram acessadas, nós temos um prejuízo estimado em R$ 1 milhão e 200 mil reais. O Isaque será levado para Brasília e tudo que for encontrado no computador dele que diga a respeito a vítimas em São Luís, nós vamos repassar para a polícia do Maranhão para continuar as investigações”, finalizou.

Do G1 MA

Vargem Grande: Eleições 2020. Mais um nome surge no cenário político

 

 

 

É claro que ainda muitos insistem em resistir ao novo. Ontem quando divulgamos com autorização do casal  o nome de Dona Marluce Silva Mesquita, ou Marluce Pinto como muitos a chamam, houve um verdadeiro furacão nas estruturas das mentes conservadoras. Ora, todos temos o direito de querer dirigir a cidade em que nascemos ou que habitamos, É preciso entender que existe a necessidade de abrirmos perspectivas para o novo. Não podemos achar que os governos, por nos darmos bem, tem que perdurar por todo tempo. No dia de hoje, conversei demoradamente com o Ferreirinha Neto, formado em direito, amigo do Deputado e ex-secretário do governo Flavio Dino, Neto Evangelista, Ferreirinha, nessa eleição para governador votou em Maura Jorge, que aqui no Maranhão defendeu as idéias de Bolsonaro. A um ano atrás quem acreditaria que Bolsonaro seria o no presidente da República? Acho que se tinha alguns, eram muito poucos. Ele é um exemplo de alternância de poder. Ferreirinha me disse sem nenhum receio que pretende disputar a próxima eleição como candidato a prefeito de Vargem Grande. Isto é salutar, é viável e compreensivo. Está mais do que na hora de não radicalizarmos. E que só esse ou aquele porque tem dinheiro, ou porque já é político tradicional, pode governar nosso município. Jair Bolsonaro não tinha tempo no rádio nem na televisão, seu tempo era insignificante para o cargo pretendido.Mas soube usar com muita propriedade as redes sociais. E chegou Lá. Não vamos subestimar esse ou aquele. Quem quer o melhor para Vargem Grande, deve procurar o melhor. Isso sim. Ferreirinha é neto de João Ferreira Lima, que foi vereador pela Arena e prefeito do município de Vargem Grande nos anos 60. Agora é só esperar para ver.

Delegado Tiago Bardal, investigador e advogados são presos por envolvimento com bandos de assaltos a banco, diz polícia

O ex-superintendente estadual de investigações criminais (Seic) do Maranhão, Tiago Bardal, foi preso novamente na manhã desta quarta-feira (28) por conta de uma investigação da Polícia Civil sobre uma quadrilha de assaltos a banco no interior do estado. Ele foi encaminhado para a sede da Superintendência Estadual de Prevenção e Combate à Corrupção (Seccor), em São Luís, para prestar depoimento.

Além do delegado afastado, o investigador João Batista de Sousa Marques e os advogados Werther Ferraz Júnior e Ary Cortez Prado Júnior também foram presos nesta operação realizada de forma simultânea em São Luís e Imperatriz, nesta manhã. Os mandados de prisão preventiva foram expedidos pela 1ª Vara Criminal de São Luís.

A ação é resultado de uma investigação da Seccor e do Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Maranhão. As autoridades disseram ainda que as investigações continuam para averiguar a participação de outros policiais no esquema.

Como funcionava
Pelas informações policiais, a investigação começou em 2018, mas tem como foco ações criminosas entre os anos de 2015 e 2016. Segundo a Seccor e o Gaeco, os presos na manhã desta quarta tinham relações com os bandos de assalto a banco no interior do Maranhão por receberem propina para evitar as prisões dos chefes, por exemplo.

Segundo os investigadores, os policiais mantinham relação direta com os advogados ligados aos assaltantes. Assim, a parte que caberia tanto ao delegado quanto ao investigador em cada negociação girava em torno de R$ 100 mil.

Os policiais vão ficar recolhidos na carceragem para policiais na Delegacia Especial da Cidade Operária (Decop), enquanto que os advogados devem ficar em alguma unidade do sistema penitenciário do estado.

Outras ocorrências
Não é a primeira vez que Tiago Bardal é preso. Em março de 2018 quando ainda era superintendente estadual de investigações criminais, ele foi acusado pela própria Secretaria de Segurança Pública de fazer parte de um esquema de contrabando internacional de bebidas alcoólicas e cigarros.

Ele foi encontrado por policiais militares durante uma operação perto do Quebra Pote, zona rural de São Luís. A área, depois a investigação mostrou, era rota dos envolvidos em um esquema internacional de contrabando de carga como cigarros e bebidas alcoólicas.

A época, Bardal foi encontrado dentro de um carro com Ricardo Jefferson Muniz Belo, que seria seu advogado. Segundo o secretário de segurança pública, Jefferson Portella, ao ser questionado, o superintendente afirmou que estava vindo de uma festa, mas depois mudou a versão falando que procurava um sítio para compra.

Na tarde do dia 22 de fevereiro deste ano, Tiago Bardal foi exonerado do cargo e depois a SSP pediu a prisão preventiva dele. A delegada Nilmar da Gama assumiu o cargo de superintendente da Superintendência de Investigações Criminais (Seic).

Neste caso do contrabando, vários policiais militares, entre eles oficiais, foram presos também suspeitos de integrarem o esquema criminoso.

Como o esquema envolvia o mercado clandestino internacional, a Justiça Federal tomou à frente e no fim de abril, revogou a prisão de oito acusados mediante fiança de valores diferentes. O delegado Bardal teve fiança fixada em R$ 30 mil. Bardal responde também a um crime de contrabando no município de Viana.

Do G1MA

Filha acusada de mandar matar pai é condenada a mais de 20 anos de prisão no Maranhão

Elineia Francisca Galvão foi condenada na terça-feira (27) a 27 anos e 11 meses de prisão após ser levada a júri popular no município de Pindaré-Mirim, a 255 km de São Luís, por encomendar a morte de seu pai, o empresário Fernando Henrique Cruz Pinho, ocorrido no dia 6 de julho de 2017, em Pindaré-Mirim.

A polícia concluiu que os tiros que mataram o empresário foram disparados por Cleiton Cerqueira Frazão, que é primo da vítima.

O empresário morreu um dia depois do crime no Hospital Macrorregional de Santa Inês, a 250 km da capital, depois de ser baleado ao fazer uma caminhada pela estrada que liga Pindaré-Mirim e Santa Inês.

A primeira prisão do caso aconteceu no dia 24 de julho de 2017. Investigando e ouvindo testemunhas a polícia chegou a Raimundo Nonato Campos, suspeito de pilotar a motocicleta que transportava o atirador.

No dia 11 de agosto do ano passado foi preso Felipe Rocha Moraes, por ser suspeito de emprestar a motocicleta. No mesmo dia Elineia Francisca também foi presa.

Fernando Henrique Cruz Pinho atuava no comércio de material de construção e aluguel de imóveis na cidade de Pindaré-Mirim.

O crime

O empresário Fernando Henrique Cruz Pinho atuava no comércio de materiais de construção e alugueis de imóveis e era muito conhecido no município de Pindaré-Mirim. Ele foi baleado no dia 6 de julho de 2017 enquanto fazia caminhada em um trecho da estrada entre Pindaré-Mirim e Santa Inês.

Após ser baleado, ele foi levado para o Hospital Macrorregional de Santa Inês onde faleceu no dia 7 de julho.

Informações Blog do Gilberto Lima

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com