Homem agride mulher e é preso em Vargem Grande

A senhora Juliane da Silva Ferreira, de 20 anos de idade, residente no povoado Paulica município de Vargem Grande, esteve no final da manhã de hoje, 07/01 na Cia de polícia queixando-se contra seu marido Carlos Eduardo Martins, conhecido como Cadu, também de 20 anos de idade e residente no mesmo local, por te-la agredido fisicamente.

A polícia esteve no local e conduziu o acusado até a delegacia de polícia civil onde o mesmo foi ouvido sobre a denuncia.

Segundo Juliane, o filho do casal queixava-se de fome às 11 hs do dia, e ela então foi a casa do vizinho onde Cadu estava e convidou para ir para casa para almoçar, pois o filho reclamava de fome.

Na casa do vizinho, o acusado não disse nada, mais ao chegar em sua residência, agrediu a vítima que ao ser jogada de encontro a porta da casa, bateu com a cabeça e sofreu fratura no supercílio, sendo encaminhada para o hospital municipal onde recebeu os primeiros socorros.

Na delegacia o acusado não negou as acusações, e disse apenas, que ele estava sendo humilhado pela esposa que não o deixava sair de casa. E que ela ao vir prestar queixa, disse que iria acabar com ele.

A polícia fez o flagrante e encaminhou a justiça, sendo o acusado enquadrado na Lei Maria da Penha. O delegado arbitrou fiança mais o acusado não pagou e por isso permanece preso a disposição da Justiça.

Juiz determina afastamento da prefeita de Anapurus

O juiz da Comarca de Brejo, Edmilson da Costa Lima, determinou o afastamento da prefeita de Anapurus, Vanderly Monteles, mais conhecida como professora Vanderly, por contratações ilegais de servidores.

A decisão atendeu a uma Ação impetrada por Vanessa Wenna Ferreira Lopes, que alega que foi aprovada no concurso público, dentro do número das vagas ofertadas, mas nunca foi nomeada, assim como os demais aprovados.

Segundo o magistrado, a gestora deixou de nomear aprovados no concurso público e contratou profissionais para atuar na área para a qual havia pessoas capacitadas.

“A nomeação de candidato(a) a cargo público para o qual concorreu e logrou aprovação dentro do número de vagas não implica aumento de despesa municipal que impediria a provisória execução do julgado, na medida em que pode [e deve] o gestor de imediato exonerar servidor contratado diretamente para realizar o serviço público de caráter permanente (compensação de gastos) cuja necessidade justificou a realização do certame com resultado final homologado há mais de dois anos.”, sustentou a decisão.

Emilson ressaltou que há inúmeras sentenças proferidas sobre o concurso público de Anapurus, mas Vanderly não cumpriu com nenhuma determinação. “(…) não têm surtido o almejado efeito, havendo patente desrespeito à dignidade da justiça. Assim, outra medida não resta que determinar o afastamento provisório da gestora municipal do seu cargo, medida drástica, mas a única apta a assegurar a efetividade do provimento jurisdicional”, frisou o juiz.

Policial militar é preso por envolvimento na morte de 3 adolescentes em São Luís

O soldado da Polícia Militar, Hamilton Caires Linhares, lotado na Companhia de Operações Especiais (COI), foi preso por envolvimento na morte de três adolescentes na comunidade Coquilho, zona rural de São Luís.

Hamilton foi preso pela PM ao se apresentar para trabalhar na COI, na manhã dessa segunda-feira, 7. Ele já estava acompanhado de advogado.

As investigações apontaram que dos três PMs, um estava armado e teria deixado cair o celular ao lado do corpo dos menores, que foram assassinados no dia 03 e tiveram os corpos achados no dia seguinte.

Entenda o caso

Na última quinta-feira (3), os jovens Gildean Castro Silva, de 14 anos, Gustavo Feitosa Monroe, 18, e Joanderson da Silva Diniz,17, foram assassinados em uma região de mato no bairro Coquilho, zona rural de São Luís. A princípio, segundo a polícia, todos foram mortos por arma de fogo com tiros na nuca. A primeira suspeita é de que vigilantes de uma área de construção da região teriam cometido o crime.

Após buscas, os parentes encontraram os corpos dos adolescentes por volta das 11h desta sexta (4). Depois do caso, moradores se revoltaram e incendiaram dois ônibus que fazem o transporte dos funcionários das construtoras da obra.

A população também incendiou o setor administrativo dos condomínios, quebraram portas, janelas e pias das casas que estão sendo construídas. Por fim, moradores ainda bloquearam ruas do bairro com galhos para impedir a passagem de veículos.

Já sexta-feira, a Polícia Civil começou a ouvir parentes das vítimas, além de funcionários da empresa de vigilância que presta serviço na obra do ‘Minha Casa, Minha Vida’ do bairro. Fonte Neto Ferreira

Lutadora do UFC reage a assalto e ‘acaba’ com ladrão usando mata-leão; vejaPolyana Viana estava esperando Uber, quando ladrão se aproximou para roubar o seu celular.

A lutadora Polyana Viana acabou causando nesta segunda-feira, 7 de janeiro. Isso porque ela que é lutadora do UFC decidiu a reagir a um assalto no bairro de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. Polyana Viana conta que estava esperando um Uber, quando tudo aconteceu. A situação teve grande repercussão nas redes sociais.

Polyana Viana conta que, inicialmente, o criminoso que não teve o nome identificado, perguntou as horas, mas não saiu de perto dela. Como estava na rua e sozinha, a lutadora teve ainda mais atenção com quem estava à sua volta.

Lutadora Polyana Viana reage a assalto e bate em ladrão no Rio de Janeiro

O homem então voltou a falar com a lutadora do UFC e, colocando a mão na cintura, anunciou que estava ali ocorrendo um assalto.A esportista então percebeu que a cintura do homem estava com algo maleável, que não poderia ser uma arma.

A lutadora então decidiu agredir o criminoso, usando chutes, socos e um mata-leão. Polyana Viana esperou até à polícia chegar e o homem foi preso. O caso teve muita repercussão na internet. A última luta da brasileira no UFC acabou acontecendo em janeiro. Fonte Notícia ao vivo

MA-315 entre Barreirinhas e Paulino Neves será a primeira ecorodovia no Maranhão.

Foto: governo do maranhão
O Maranhão dá mais um salto positivo na área do turismo com a construção da primeira ecorodovia no estado. É a MA-315, no trecho que liga Barreirinhas a Paulino Neves, que está sendo concluída de duas formas. Nos espaços habitados, a pavimentação é por bloqueteamento e nos quilômetros restantes em TSD, técnica que garante mais segurança e aderência à rodovia, principalmente no período chuvoso.
A obra, orçada em mais de R$ 9 milhões, está sendo realizada por meio de parceria entre o Governo do Estado e uma empresa de energia eólica. O trecho rodoviário tem 38 quilômetros dos quais 10 receberam bloqueteamento. Além da pavimentação completa, a terá sinalização horizontal e vertical.
Foto: governo do maranhão
Para o secretário de Estado da Infraestrutura, Clayton Noleto, essa obra, na região dos Lençóis Maranhenses incentivará o turismo. “O investimento na Rota das Emoções tem sido permanente. Nós já fizemos a ponte sobre o Rio Novo em Paulino Neves e, agora, concluímos a pavimentação dessa rodovia que liga Barreirinhas a Paulino Neves fora os investimentos em segurança e turismo”, informou.
Clayton Noleto disse que esses investimentos contribuir com a integração regional na Rota das Emoções nos estados do Maranhão, Piauí e Ceará, atraindo turistas dessas regiões. “O Maranhão, ano passado, teve um dos maiores crescimentos do PIB e essas ações contribuem para que isso seja possível”.
 
Primeira Ecorodovia do MA
O processo em que a MA-315 foi construída transforma a rodovia na primeira ecorodovia do Maranhão. A iniciativa visa colaborar com o meio ambiente e ainda com a preservação da fauna e da flora local, como explicou o engenheiro ambiental e especialista em rodovias, Jailson Rêgo.
“Precisamos estar de bem com a natureza em todos os sentidos: preservando a flora e a fauna da região, protegendo os mananciais, respeitando a história e as comunidades que vivem ao seu entorno, minimizando o consumo de energia e a emissões de gases na sua construção, manutenção e operação, além de garantir segurança, conforto e econômica ao usuário” detalhou o engenheiro.
 
Incentivo ao turismo
O espaço rodoviário ligando Paulino Neves a Barreirinhas abre uma nova possibilidade de acesso na área da Rota das Emoções e diminui o trajeto entre Jericoacoara, no Ceará, e os Lençóis Maranhenses. Além da rodovia, o Governo do Maranhão também construiu uma nova ponte, que tem 140 metros de extensão e 12 metros de largura sobre o Rio Novo, na cidade de Paulino Neves. A ponte tem duas pistas, ciclovia e área protegida para pedestres.
O Maranhão tem com o maior número de cidades participantes na Rota das Emoções, com 14 municípios: Araioses, Barreirinhas, Paulino Neves, Santo Amaro, Tutóia, e, neste novo ciclo, a inclusão do município de Água Doce do Maranhão.
“Além de estimular e oferecer possibilidade de turismo, a obra, também, vai beneficiar o transporte de carga, que terá ganho em tempo e economia de recursos”, afirmou o secretário Clayton Noleto. A rodovia encurtará em 400 quilômetros o trajeto entre o Maranhão e os estados incluídos na Rota das Emoções.
Foto: governo do maranhão

A liberdade é trans-lúcida

MARLI GONÇALVES

Polêmicas coloridas. Nunca as cores foram tão visadas. Que rosa e azul, que nada! O verde e o amarelo estão na berlinda. O laranja anda sumido. O vermelho, coitado, ainda bem que pelo menos foi liberado para a passagem de ano, porque alguém descobriu que podia dar sorte e porque é a cor de Ogum, o santo guerreiro que regerá este ano.

 

Deixem o branco e o negro em paz; os vermelhos em suas terras. Os verdes, livres para cuidar do meio ambiente. Os do arco-íris vivendo suas vidas. Os religiosos com seus mantos e adereços roxos. Continuem mantendo o marrom longe dos olhos de Roberto Carlos. Chega de cinzas na vida, nos carros, nas paredes, nos prédios das cidades.

Sabiam que existem apenas três cores “verdadeiras”? O amarelo, o azul e o vermelho. Nada, nenhuma mistura pode criá-las, mas são elas que criam todas as outras cores. O azul e o amarelo, juntos, criam o verde; o vermelho e o amarelo, o laranja; o azul e o vermelho, o roxo. A partir daí as primárias e secundárias se fundem e criam a miríade.

Porque não levamos em conta essa liberdade infinita na vida real? Para que ficar batendo na tecla do controle da liberdade, de coisas que nos são tão caras, pelas quais a humanidade luta há tanto tempo? De onde vem essa mania humana de limitar as pessoas, dividi-las, ordená-las, literalmente? Rotulá-las, etiquetá-las?

O Brasil é um país reconhecidamente multicolorido, multifacetado, feliz por isso, composto de povos de todo o mundo. Preocupa perceber que podem tentar a hegemonia de um pensamento, o incentivo e aplausos a uma religião, forçando a barra e impulsionando perigosos conflitos em um momento em que tudo o que precisamos é do branco, da Paz. A junção de todas as cores do espectro, a clareza máxima, a que reflete e ilumina.

Peraí, alô! – que como já ando cansada de levar bordoadas de todos os lados, presta atenção que não estou falando só nem do novo governo, nem dos ministros despreparados e da ministra (tão poucas mulheres e vejam só a que está lá) desavisada.

Estou falando de você também, você que vive dizendo que mulher pode isso, não pode aquilo. Que aponta o dedo e dá aquela risadinha morfética quando encontra pessoas livres – sejam de idade, modos, referências, aquelas que não estão nem aí, porque não saíram para você gostar delas, elas se bastam – pelas ruas. Claro, você pode gostar ou não. Mas jamais dizer que elas não poderiam estar assim ou assado. Quem disse?

É muito jeca um país que fica batendo palminhas para uma primeira dama só porque ela apareceu com “vestido adequado”, aliás, rosinha, neutrinho, bonitinho, bobinho. Adequado para o quê? Para quem? Para uma “jovem senhora” (me dá até alergia essa expressão), para uma evangélica? De outro lado, desceram o pau na vice-segunda dama que apareceu de azul com rendas, sem ser tão bonita, etc, etc, etc. Ela ousou. Palmas para ela. Me fizeram lembrar umas dessas consultoras de etiqueta que há algum tempo decretou que “não se mostra os braços em solenidades”. Essa zinha deve ter ficado bem incomodada com a Michele Bolsonaro e com todas as outras que apareceram com seus ombros descobertos e decotadas na posse, naquele assombroso dia de verão.

Creio que ainda será preciso percorrermos uma longa estrada até alcançarmos um país melhor, socialmente justo, especialmente livre e responsável.

A cultura da liberdade individual, um bem que temos de prezar. A liberdade é translúcida, deixa passar a luz. Ilumine-se.