Criança de 11 anos morre afogada em açude no Bairro Alto Alegre em Vargem Grande

Imagem relacionada

Ilustração

Era aproximadamente 5hs da tarde de hoje, 08/01 quando populares deram entrada no necrotério do Hospital Municipal Benito Mussoline do corpo de uma criança de 11 que teria morrido afogado.

De acordo com informações a criança é Italo Fernando da Costa Brito de 11 anos de idade estudante da escola Izabel almeida no Bairro Alto Alegre e estava matriculado no 6º ano.

Testemunhas informaram que o menor saiu de casa em companhia de alguns amigos para banhar no açude de propriedade do Sr. Conhecido como Mocinho. Lá em um ato até agora desconhecido por familiares e amigos, Ítalo se afogou. Os amigos de Ítalo ainda foram em busca de adultos para prestar socorro, mas como o local é distante das casas, quando os adultos chegaram a criança já tinha entrado em óbito.

A mãe da criança que é funcionária de uma funerária em Vargem Grande, se encontra a serviço na cidade de Coelho Neto, foi informada do ocorrido e pediu que nenhum procedimento seja feito no corpo do seu filho antes de sua chegada.

O corpo se encontra ainda no Necrotério do Hospital aguardando a chegada da mãe

Tropas federais e Governo do Ceará continuam perdendo para facções criminosas

O governador Camilo Santana (PT) é crente que engana a gente. Anuncia com estardalhaço que mais de 150 suspeitos estão presos e que a situação está sob controle. Mas a verdade é outra.

João Dijorge/Photopress/Estadão Conteúdo – 08.01.2019

Mesmo depois da chegada e de novos reforços das tropas federais, os ataques violentos aumentam, com bens públicos e privados sendo incendiados. E, ao que tudo indica, a população permanece refém da bandidagem.

Ontem, por exemplo, com todo aparato nas ruas batendo cabeça, mais ônibus foram queimados e explodiram uma ponte durante a noite e em quatro cidades reinaram o pânico e o terror, inclusive em Fortaleza.

Enquanto isso, o fraco e covarde governador petista fica sediado no Palácio da Abolição bem seguro, cercado de coturnos por todos os lados. Até quando? Fonte Luis Cardoso

Enquanto o Ceará pega fogo, seus principais políticos ficam calados

Com seis dias sendo atacado por bandidos, que tocam pânico e terror, sendo 153 ataques com incêndios a bens públicos e privados, os principais políticos tradicionais do Ceará estão mudos.

O ainda presidente do Senado Federal e do Congresso Nacional, senador Eunício Oliveira nada fala. O senador do PSDB, Tasso Jereissati, continua mudo. O senador eleito e ex-governador Cid Gomes finge que nada acontece. Até o ex-candidato a presidente da República, Ciro Gomes parece que mora em outro planeta.

Enquanto isso, as ações das facções criminosas avançam. Entre domingo (06) e segunda-feira (07) foram registrados 23 ataques, com incêndios a emissoras de rádios, carros, prédio do DNOCS, atearam na Prefeitura de Acaraú, agência bancária, base de operadora de telefonia, embarcação do Corpo de Bombeiros, Estação Ambiental, Clube de uma fábrica de cimento, atiraram contra uma unidade de segurança da PM e vários outros locais incendiados. Fonte Luis Cardoso

PASSAGEIRA DE MOTOCICLETA MORRE EM ACIDENTE NA BR-010

Por volta de 17h15 de segunda-feira (07), na localidade conhecida como Fazenda Chaparral, Km 273,5 da BR 010, que fica 13 quilômetros após a Unidade Operacional da PRF na Lagoa Verde, sentido Itinga do Maranhão, ocorreu um acidente com óbito.

Uma motocicleta Honda/CG Fan 160 de cor preta, que seguia no sentido crescente da rodovia, saiu de pista e provocou a morte da passageira Andreia Campos Velista, 33 anos, natural de Açailândia/MA.

O condutor da motocicleta, um homem de 36 anos, natural de Imperatriz, ficou gravemente ferido e foi socorrido pelo SAMU. A equipe da PRF que atendeu a ocorrência aguarda alta do condutor para esclarecimento do motivo que ocasionou a saída de pista da motocicleta.

Fonte: PRF

PÉSSIMO EXEMPLO: 94% DOS MUNICÍPIOS DO MARANHÃO TEM GESTÃO EDUCACIONAL INEFICIENTE

No estado do Maranhão, a gestão da educação em 194 municípios – 94% do total analisado – é classificada como ineficiente no ensino fundamental. Por outro lado, apenas 13 (6%) são eficientes em termos de gestão educacional nessa mesma etapa da educação básica. Essas constatações estão no Atlas da Eficiência da Gestão Municipal da Educação 2018, lançado em Brasília (DF). Do total de 217 municípios maranhenses, 207 estão no atlas – 10 não dispõem de informações na publicação.

Dos 194 municípios considerados ineficientes, 82 (40%) têm ineficiência moderada; 106 (51%) apresentam ineficiência crítica; e 6 (3%), ineficiência extrema.

O Atlas, que conta com o apoio institucional da Universidade de Brasília (UnB), compara a gestão pública entre municípios de um mesmo estado, traduzindo-a em números e permitindo verificar quais são mais ou menos eficientes em diferentes setores. No caso da Educação, são observados critérios como valor investido por aluno, retenção escolar, aprovação e proficiência.

A coleção Atlas da Eficiência foi pensada como um instrumento para orientar os gestores públicos com parâmetros a fim de que possam melhorar o desempenho e o atendimento à população em áreas cruciais. Também disponibiliza os ajustes necessários para que os municípios se tornem eficientes. Serve, ainda, de suporte à própria sociedade, municiando-a com informações que auxiliem na avaliação dos gestores, seja apoiando o bom desempenho, seja cobrando melhorias nos serviços ofertados.

A publicação foi desenvolvida por uma startup de inovação e pesquisa sem fins lucrativos do Distrito Federal, com a coordenação técnica de um professor da UnB e de um consultor internacional. As duas primeiras edições, apresentadas no dia 27 de novembro, têm como temas a Educação e os tribunais de Justiça estaduais. Saúde, água e saneamento são outros assuntos a serem apresentados nos próximos meses. Além disso, em breve, serão lançadas publicações sobre os Tribunais Regionais do Trabalho e os Tribunais Regionais Eleitorais.

Gestão por Eficiência

Com o lançamento dos primeiros atlas, também está disponível, online, a plataforma Gestão por Eficiência, uma base de dados robusta que disponibiliza diversas opcões de pesquisa. Desta forma, gestores e a população podem fazer suas próprias buscas em um ambiente que processa as informações e devolve o cálculo individualizado de eficiência.

Por um Brasil mais Eficiente

Para viabilizar a pesquisa que resultou na plataforma e no atlas, o professor Alexandre Maduro-Abreu, da Faculdade de Administração, Contabilidade, Economia e Gestão de Políticas Públicas (FACE) da UnB, e o consultor Kayton Fernandes de Ávila, fundaram o Instituto de Inteligência em Gestão e Sustentabilidade (I3GS), sem fins lucrativos. Assim, nasceu o movimento apartidário Por um Brasil mais Eficiente.

O termo eficiência, principalmente em função da crise político-econômica pela qual passa o País, tornou-se protagonista para a gestão pública. Há uma exigência social para que o Estado seja mais eficiente quanto à utilização dos seus recursos. Esse fenômeno está permitindo desmistificar a carga ideológica que o termo carrega”,explica Alexandre Maduro-Abreu.

Selo Efi 10.001

Segundo o I3GS, a eficiência é estimada comparando-se os municípios – e os tribunais – a partir dos recursos utilizados e os resultados alcançados. Isso permite identificar as unidades mais eficientes, que se tornam “benchmarks”, indicando os ajustes necessários para que as outras alcancem os valores de referência.

Os municípios e tribunais que obtiverem os melhores resultados dentro de um mesmo estado serão chancelados com o selo Selo Efi 10.001, a ser concedido anualmente.

“O reconhecimento pelo Selo deve consolidar-se como um importante referencial a ser almejado pelos gestores públicos, destacando-os dos demais em relação à eficiência na gestão. Assim, os Atlas da Eficiência serão excelentes instrumentais para que os gestores priorizem as melhores práticas de gestão”, acredita Alexandre Maduro-Abreu.

Por Eixos Comunicação Integrada

Partiu Bolsonaro

JOSÉ MAURÍCIO DE BARCELLOS

Pronto, aconteceu. O novo Presidente da República foi empossado. Bolsonaro assumiu as rédeas do governo se comprometendo, diante do Brasil e do Mundo, a dar seu próprio sangue se preciso for para criar na economia desta Nação um ciclo virtuoso que traga a confiança para se apresentar perante o comércio internacional competitivamente, apostando no aumento da produtividade, da eficácia e da competência sem o viés social-comunista.

No Congresso Nacional, menos para um Parlamento ou para um Judiciário – ambos corruptos, venais e inconfiáveis, aos olhos do povo – e muito mais para este grande País, o Capitão pediu, com sensatez e altruísmo, que lhe ajudassem a restaurar e a reerguer nossa Pátria, libertando-a, em definitivo, do jugo da corrupção, da criminalidade, da irresponsabilidade econômica e da odiosa submissão ideológica de esquerda.

Antes mesmo do esperado discurso do marido no Parlatório do Planalto, a primeira dama surpreendeu e encantou o País com um emocionante pronunciamento, em Libras (Língua Brasileira de Sinais), homenageando a população surda e de deficientes de um modo geral, para a qual há muito trabalha voluntariamente. Aí Bolsonaro disse ao que veio. Firme e curvado diante da vontade de Deus, Bolsonaro, que antes já havia ressaltado o fantástico movimento cívico, espontâneo e indestrutível que se cobrindo de verde e amarelo o havia trazido à Presidência, se colocou diante do Brasil para liderar sua libertação contra o socialismo, contra a inversão dos valores, contra o gigantismo estatal, contra os privilégios, contra os favores politizados e partidarizados e contra o politicamente correto, porque havia escutado a voz de quem nunca nos últimos 30 anos realmente foi ouvido.

Proclamo sem medo de errar: nasce agora e desta forma um verdadeiro líder, como jamais se viu nesta Terra de Santa Cruz. Penso que até os mais incrédulos e céticos ou mesmo os ferrenhos inimigos de morte do Capitão no fundo vão admitir que antes nada igual ocorreu nesta sociedade, isso se ainda neles restar alguma consciência depois de tanto que foi consumida pelo ódio, pelo despeito e pela inveja.

Particularmente tenho certeza que, de 1985 para esta parte, nenhum Presidente da Republica nomeou uma esquipe de Ministros de Estado tão competente, tão isenta, tão coesa e tão afinada ideologicamente e, o que é o melhor, totalmente liberta do julgo das sociedades de bandidos travestidas de partidos políticos. Para sustentar o que alego ouso sugerir que se ouçam os discursos de posse dos novos Ministros da Economia e da Justiça, por exemplo, ao passo que lanço dois reptos.

Desafio a quem quer que seja que cite outro Ministro de Estado de governos passados que possa se ombrear ao Professor Paulo Guedes, mas vou logo dizendo que o nome indicado de qualquer “babilaca metido a besta” venha livre da pecha da incompetência, do interesse pessoal ou da corrupção. Desafio igualmente que alguém se lembre de outro nome a altura do herói nacional Sérgio Moro, porém que não se descure na indicação quanto à erudição, quanto à competência, quanto à experiência, quanto à coragem e quanto ao patriotismo do ex-magistrado que prendeu o “Ogro Encarcerado” e toda a sua quadrilha.

As solenidades da posse foram marcadas com muito simbolismo, aliás, como é próprio de qualquer Nação que se preze. Até o momento dos respectivos atos, Bolsonaro manteve-se na companhia de sua família e foi de lá que saiu para assumir de fato sua missão, como se quisesse dizer ao povo que é do seio de uma família cristã que veio para governar o Brasil e não do meio de um partido político qualquer ou de alguma entidade espúria, como vieram todos os governantes civis que o antecederam. Inobstante o fantástico esquema de segurança que frustrou a esquerda que antes tentou assassinar Bolsonaro, o filho caçula e seu leal protetor se postou, durante o percurso em carro aberto, como escudo humano para qualquer eventualidade. Fala-se que usava um colete à prova de balas e que estava armado. O fato trouxe para mim a lembrança do assassinato de JFK. Se no momento do tiro de Lee Oswald, o presidente americano tivesse um filho em suas costas, a história talvez tivesse sido outra.

Por outro ângulo, as ausências, no parlamento, dos FHC’s da vida, do PT, do PSOL, dos Mandarins da República, e de outras ratazanas do tesouro ou chupins desta Nação revelam com clareza quem são os inimigos da Pátria que estarão de tocaia para destruir o sonho desta “Terra Brasillis”.

O gentil e humilde pedido de licença de Bolsonaro a um companheiro de armas mais antigo – seu vice General Mourão – para dar início ao tão esperado discurso no parlatório e, antes disso, seu consentimento no sentido de que sua esposa fosse a primeira a se dirigir à Nação para emocioná-la com sua beleza, seu charme e elegância, mostraram ao País que o novo líder é um cidadão arraigado aos valores morais e éticos e, ao invés de ser um machista ou um feminista calhorda, é um “mãezista” convicto, além de ser um patriota capaz de dar a vida por seu País e um homem que não faltará jamais aos pequeninos sem, contudo tentar escravizá-los em troca de votos.

Foi isso que vi ser transmitido de Brasília no dia da posse de Jair Bolsonaro como 38º Presidente do Brasil e, pela primeira vez em muitas décadas, veiculado com igual oportunidade para todas as emissoras de rádio e televisão do País, para desespero da “Rede Goebells de Comunicação”, acostumada às benesses e aos privilégios concedidos pelos governos corruptos. Talvez por conta disso mesmo seja que a horda de seus deformadores de opinião veio de lá dizendo que: o “Capitão voltou a se pintar para guerra e que precisa descer do palanque”; que “seu filho pitbul quis aparecer em detrimento dos irmãos”; que “não há socialismo ou comunismo no Brasil, em Cuba e na Venezuela para ser combatido”; que “a oposição inconsequente e ladra não pode ser relegada a um segundo plano”; que “o Capitão e seu primeiro escalão vão ser engolidos pelas raposas do Congresso” e outras baboseiras do gênero.

Há quem diga que não adianta ficar perdendo tempo com esse tipo de gente, mas a coisa é tão pérfida que não me permite silenciar. Vamos trabalhar, mas manter o brasileiro alerta contra essa turma do mal é preciso. Não nos esqueçamos de que a vitoriosa Revolução de 1964 transigiu e acabou flanqueada pelos comunas que foram por ela derrotados e os terroristas de ontem são os bandidos de hoje que destruíram o Brasil e que agora estão homiziados principalmente no Congresso Nacional e na grande imprensa, fantasiados de democratas. Não se iludam ou não se deixem iludir, derrotamos a petralhada, mas eles vão tentar voltar ao poder de uma forma ou de outra. Estes pulhas não vão desistir jamais, porém nós também não vamos capitular.

Avaliem a audácia dessa gente. Outro dia li uns maldosos comentários de dois esquerdopatas, um do Jornal o Globo e outro da Folha de São Paulo. O primeiro disse que o fato do Bolsonaro ter rejeitado a “caneta de ouro” oferecida por um comensal do Palácio e de ter assinado com os Ministros os termos de posse com uma esferográfica barata nada provava quanto ao seu caráter e personalidade. Assim escreveu o tal capacho de Lula porque certamente gostava mesmo dos desprezíveis “novorichismo” de Lula e Dilma. O segundo patife deu ênfase ao tom de voz, alto e firme, com o qual o General Morão leu seu o juramento Constitucional. O idiota insinuou que tal circunstância escamoteia a disposição dos militares de um dia dar um golpe no governo Bolsonaro. Pode? A meu sentir aqueles imbecis tinham que ser processados por infâmia ou, antes disso, levar umas tapas em praça pública.

Os novos tempos chegaram! Partiu Bolsonaro! Vamos com ele, vamos com o Capitão e com toda sua equipe de grandes técnicos. O Brasil não pode esperar mais. Como escreveu Donald Trump em seu Twitter e disse Benjamim Natanyahu de viva voz, o Mundo inteiro está conosco e aguarda que essa verdadeira potencia do século XXI se ponha de pé para irradiar prosperidade, divulgar a democracia e propagar a liberdade para todo esse planeta azul.

Jose Mauricio de Barcellos ex Consultor Jurídico da CPRM-MME é advogado). Email:bppconsultores@uol.com.br.
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com