Morre em Teresina o irmão de Heráclito

Foto
JAYME FORTES CASTELO BRANCO

Ex-diretor da Caixa e irmão do ex-senador Heráclito Fortes (DEM), Jayme Fortes Castelo Branco faleceu na madrugada deste domimngo, segundo informou o Portal AZ, de Teresiba. Ele tratava de um câncer há cerca de dois anos.    O ex-senador Heráclito Fortes já está em Teresina para acompanhar o velório e o sepultamento do irmão. O velório de Jayme Fortes Castelo Branco está sendo. O sepultamento está marcado para às 17h, no cemitério Jardim da Ressurreição, zona Sudeste de Teresina.

Sarney recebe alta após exames

Foto
SENADOR PROCUROU HOSPITAL APÓS DOR NO PEITO

O senador José Sarney (PMDB-AP), de 83 anos, sentiu dores no peito na noite de ontem e foi encaminhado ao Instituto de Cardiologia do Distrito Federal. Após passar por exames, ele foi liberado pela equipe médica ainda ontem. De acordo com o hospital, o atendimento foi rápido e os exames descartaram complicações cardíacas. Segundo a assessoria de imprensa do senador, ele foi ao hospital tirar dúvidas após sentir desconforto. No entanto, após eletrocardiograma e exame de sangue, os médicos identificaram que a dor era muscular. “Está tudo tranquilo”, afirmou a assessoria.No ano passado, Sarney ficou internado em São Paulo após ter corrido risco de infarto. Na ocasião, fez exames que detectaram entupimento de uma artéria e foi submetido a cateterismo seguido de uma angioplastia.

Dirceu, Fiscal do Sarney, por Mary Zaidan

José Dirceu é mesmo o máximo. Ministro-chefe da Casa Civil e homem de confiança do presidente Lula, foi desapeado do Planalto em junho de 2005 quando as denúncias do mensalão começaram a esbarrar no chefe-maior, que o tinha como capitão do time. No fim do mesmo ano teve seu mandato de deputado federal cassado.

De lá para cá, mesmo com direitos políticos suspensos até 2015, Dirceu, ao contrário do que se poderia supor, só ganhou poder.

Aproximou-se da nata empresarial, para a qual presta serviços de consultoria, vendendo caro seu trânsito e influência. Embora visivelmente baqueado, não perde a pose.

Continua poderoso mesmo depois de condenado pela Suprema Corte. Dá ordens, manda e desmanda.

Na última semana de abril foi ele quem intercedeu em favor da governadora do Maranhão Roseana Sarney (PMDB) para que o PT suspendesse as críticas a ela nas inserções regionais do partido na TV.

Os 30 segundos de propaganda traziam elogios aos feitos de Lula e Dilma Rousseff em contraponto à triste realidade maranhense: “O Maranhão continua ostentando os piores indicadores sociais do país. Somos os piores na Saúde e na Educação. Vivemos num estado de profunda insegurança, medo e violência, que aterroriza todos nós. Com o PT, haveremos de inaugurar um tempo de mudança, renovação e esperança para o Maranhão”.

A filha de José Sarney não teve dúvidas: reclamou com Dirceu e, rapidamente, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, mandou suspender o comercial.

Parece uma questiúncula local, mas não é.

Dirceu dá as cartas em várias instâncias do PT. Em uma frente, percorre o País fazendo-se de vítima, encarnando o injustiçado por um julgamento político.

Na outra, interfere nas pautas do partido. Saem dele os discursos mais contundentes sobre reforma política – financiamento público de campanha e voto em lista – e de controle mais ferrenho da mídia, que o PT chama de democratização.

 

 

Chega ao cúmulo de querer escalar o papel dos ministros do Supremo Tribunal Federal, requerendo que o presidente da Corte seja afastado da função de relator no julgamento dos recursos do mensalão.

E, assim como fez no Maranhão, mete a mão também nas brigas locais.

Quando o País lutava contra a inflação galopante, buttons com os dizeres “Eu sou fiscal do Sarney” tomaram as ruas. Quem diria que 27 anos depois Dirceu passaria a ostentá-lo. Não como os brasileiros crédulos de 1986, que apostaram cegamente nas pirotecnias do Plano Cruzado. Mas para proteger o rei do Maranhão, que sobrevive da miséria de seu Estado natal.

Ao que parece a dívida com os Sarneys não é apenas alta. É impagável. Fonte Blog do Ricardo Noblat.

As liçôes do Governo Itinerante

Que lições podemos tirar da visita da governadora Roseana no seu governo itinerante em Vargem Grande? Muitas. Mas é preciso que analisemos o macro para depois tirarmos nossas conclusões. No Maranhão existem dois grupos. O grupo Sarney e os inimigos do Sarney. Até a imprensa é assim. Para muitos Sarney é Deus, para outros, Satanás. Não existe uma terceira via. Ou somos Sarneysista e governistas ou somos Inimigos dos Sarneys e estamos fora do governo. Em Vargem Grande todos sabem quem é o amigo da governadora e quem recebe as benesses do seu grupo, Dr. Miguel o amigo de longas datas. Com a presença de parte do PT no governo, inimigos tornaram-se aliados de ultima hora para servir aos mandatários e ajudarem o grupo Sarney a permanecer no poder. Ficou evidente que no ambito estadual manda Roseana Sarney no municipal Dr. Miguel e aí aparece a figura do engenheiro Edmilso Carneiro que nas eleições municipais usa a maquiagem de opositor para atrapalhar a oposição e dar continuidade da permanência do Sarneismo no poder. Todos partícipes da trama ganham. Roseana e seu grupo permanecem no domínio do estado, Dr. Miguel continua dando as cartas com seu aliados em Vargem Grande e Edmilson continua com bons cargos na esfera federal e estadual. Deu para ver  que a governadora visitou a casa de Miguel, Edmilson, mas não dos opositores. Em tempos de eleição municipal, Edmilson é opositor de oportunidade. Assim se mantendo, mantem-se no poder ele e o grupo o qual pertende, o grupo Sarney.

Para promotor, seguranças de PC Farias sabiam que empresário e namorada seriam assassinados

Dida Sampaio/AE
R7.com
O promotor de Justiça Marcos Mousinho quer que os quatro réus que irão a júri popular pelo  assassinato do empresário Paulo César Farias e de sua namorada, Suzana Marcolino, sejam condenados pelo crime de homicídio, e não de coautoria, pelo qual respondem.

O julgamento começará na próxima segunda-feira (6), em Maceió (AL). PC, ex-tesoureiro de campanha do ex-presidente Fernando Collor, e Suzana foram mortos no quarto da casa de praia de Farias, no Povoado de Guaxuma, litoral norte de Maceió, na madrugada do dia 23 de junho de 1996.

Os réus são ex-policiais que atuavam como seguranças do empresário. O promotor disse acreditar que eles não cumpriram com sua função — zelar pela vida das vítimas — porque sabiam que o crime seria cometido.

Os ex-militares que atuavam como seguranças do empresário vão estar no banco dos réus. São eles Adeildo dos Santos, Josemar dos Santos, José Geraldo da Silva e Reinaldo Correia de Lima Filho. Ao todo, serão ouvidas 27 testemunhas, entre elas o ex-deputado Augusto Farias, irmão de PC Farias. O júri deve durar cinco dias e será presidido pelo juiz Maurício Breda, da 8ª Vara Criminal de Maceió.Na época em que foi morto, PC estava em liberdade condicional. Ele respondia por crimes como sonegação de impostos, falsidade ideológica e enriquecimento ilícito.

A morte do tesoureiro foi investigada como queima de arquivo, pois ele poderia fazer revelações sobre a participação de outras pessoas nos esquemas.

Inicialmente, as investigações apontaram que Suzana teria matado Farias e depois se suicidado, mas a hipótese logo foi descartada. O Ministério Público ofereceu denúncia aos quatro réus, porém nenhum foi apontado exatamente como o assassino. Mesmo ao longo desses 17 anos ninguém foi acusado como mandante do crime que nunca foi realmente esclarecido.

Abaixo assinado pede pavimentação da MA-034

Imagem: Maranhão da GenteClique para ampliarSituação das estradas do Maranhão(Imagem:Maranhão da Gente)Situação das estradas do Maranhão

A ausência de pavimentação na BR 034 – que liga o município de São João dos Patos, Passagem Franca, Buritibravo ao povoado Baú em Caxias, incomoda a tal ponto a população da região sudeste do Maranhão que o site http://www.passagemfrancama.com/ lançou esta semana um abaixo assinado para encaminhar ao governo do estado pedindo a construção da estrada.

O site faz um pedido à governadora Roseana Sarney e à secretaria de Infraestrutura do estado que resolvam o problema que assola a população local e emperra o desenvolvimento.

Segundo o portal, a MA 034 deveria servir para o escoamento da produção da região e para transporte de passageiros, mas apresenta sem as mínimas condições de tráfego, hoje se torna um caos para a população da região de Balsas, Cocais e do Sertão Maranhense.

A ideia de fazer o abaixo-assinado surgiu após sucessivos pedidos da população ao governo do estado para construção da via através de deputados, mas até o momento a administração estadual não moveu esforços para a pavimentação entre os municípios.

Leia o abaixo assinado e assine seu nome completo, se possível com profissão, cidade e RG no espaço “comentários”. Ou se preferir envie os dados no email: passagemfrancama@hotmail.com.

Excelentíssima Senhora Roseana Sarney Governadora do Estado do Maranhão.
Os abaixo assinados, brasileiros, maranhenses vêm por meio deste, solicitar de vossa excelência junto à secretaria de infraestrutura que estudem a possibilidade de asfaltar o mais rápido possível a MA-034 (trecho do povoado Baú de Caxias, Buriti Bravo, Passagem Franca até São João dos Patos). Esses e outros municípios dependem da MA-034 não só para o escoamento de toda produção da região, como também para o transporte de pessoas para cidades como Caxias, Timom e Teresina, visto que são as mais próximas grandes cidades que suprem a necessidade da população no que diz respeito à saúde e educação.
Confiantes no espírito ético, altruísta e facilitador do exercício de cidadania que norteia a vida pública de Vossa Excelência, subscrevemo-nos:

Participe clicando aqui e dirija seu comentário com os dados solcitados, nome, profissião e RG ou enviando um e-mail com os dados para passagemfrancama@hotmail.com.

Justiça começa a ouvir na segunda (6) envolvidos no Caso Décio Sá

Domingo, 05 de Maio de 2013

 


Imagem: DivulgaçãoClique para ampliarTestemunhas no caso também vão depor até o dia 24 deste mês(Imagem:Divulgação)Testemunhas no caso também vão depor até o dia 24 deste mês

A Justiça começa a ouvir nesta segunda-feira (6) os envolvidos no assassinato do jornalista Décio Sá. As 55 pessoas prestarão depoimento na 1ª Vara do Tribunal do Júri, no Fórum Desembargador Sarney Costa, no Calhau, em São Luís.

Depois de um ano de investigação do assassinato do jornalista Décio Sá, 13 pessoas foram indiciadas por envolvimento no crime, entre elas, o assassino confesso Jhonatan Silva e os acusados de serem os mandantes o empresário Glauco Alencar e o pai dele José de Alencar Miranda. Todos estão presos desde o ano passado.

As investigações apontaram que os envolvidos faziam parte de uma quadrilha de agiotas, que emprestava dinheiro para financiar campanhas de candidatos a prefeito que pagavam a dívida com dinheiro público quando venciam as eleições.

A Polícia diz que o grupo de agiotas tinha ligações com pelo menos 41 prefeituras maranhenses, no período de 2009 a 2012. Cerca de R$ 100 milhões teriam sido desviados. A Polícia Federal também investiga a quadrilha pelo desvio de recursos federais.

“O que se constatou pela Operação Detonando é que muitos dos recursos empregados nessa prática de agiotagem eram, eram recursos públicos federais. Então o que vem pra Polícia Federal agora é pra apurar o desvio do recurso público federal que, infelizmente, é uma prática comum e corriqueira no Estado”, completou o superintendente da Polícia Federal, Cristiano Sampaio.

De acordo com a Polícia Civil, as investigações apontaram que havia indícios da participação de um delegado federal no esquema. A Polícia suspeita que Pedro Meireles montava operações para pressionar prefeitos que não pagavam os agiotas. O nome do delegado chegou a ser citado em grampos telefônicos que monitoravam a quadrilha. O advogado do empresário Gláucio ligou uma mulher identificada como Andrea, que, na época, era namorada do delegado Pedro Meireles.

Ronaldo: “E aí tudo bem?”
Andrea: “Tudo bom”
Ronaldo: “Naquela hora eu não pude falar contigo porque eu ‘tava aperreado’ com aquele negócio lá, viu?”
Andrea: “Eu imagino. Por isso que eu também não te liguei naquela hora”
Ronaldo: “Pois é, cara… Eu… tá todo mundo aqui surpreso com isso, viu?”
Andrea: “Ronaldo, me desculpe, mas eu acredito que tenha feito. A minha surpresa é que eu não imaginava que ele fosse capaz de fazer isso, mas me desculpe, você, Pedro… Ninguém me engana que vocês todos estão enrolados. E o Gláucio era o mais de todos”.

Ainda de acordo com o superintendente Cristiano Sampaio, ainda não há fatos que possam comprovar a participação do delegado no esquema, que sejam suficientes para que ele fosse afastado das funções. Pedro Meireles continua trabalhando na Polícia Federal como chefe da delegacia de crimes de assaltos a banco e crimes contra o patrimônio. “Existe um trabalho de apuração para que a gente possa definir a responsabilidade, só que como o trabalho está em curso, a Polícia Federal normalmente não fala das investigações. Tão logo elas sejam concluídas, a Polícia Federal fará uma manifestação pública sobre isso”, disse.

Ainda de acordo com as investigações, outros policiais também são suspeitos de fazer parte da organização criminosa. Os policiais civis Alcides Nunes da Silva e Joel Durans Medeiros, da Superintendência de Investigações Criminais (Seic), justamente o departamento que investiga os agiotas. Os dois foram transferidos e continuam trabalhando normalmente.

O capitão da Polícia Militar, Fábio Aurélio do Lago e Silva, o ‘Fábio Capita’, está preso, também suspeito integrar o grupo e ter participação na morte do empresário de Teresina, Fábio Brasil. Apesar de preso, o PM continua recebendo salário.

A Polícia Militar do Maranhão informou que abriu um inquérito policial militar para apurar a conduta do capitão Fábio Capita. E o delegado da Polícia Federal, Pedro Meireles, não quis falar sobre o assunto.