Prefeito Magno Amorim Instala duas Secretarias

DSCF0745Cumprindo promessa de campanha o prefeito Magno Amorim instalou hoje em Itapecurú duas secretarias que vão dinamizar ainda mais suas ações administrativas. A secretaria das comunidades que tem como titular Wilson Aires, homem nascido em uma comunidade pobre e que conhece como poucos as necessidades e os anseios dos comunas da Zona Rural. A outra Secretaria a de Articulação Política tem como titular Dr. Jadiel Melo, médico conceituado e com vasta experiência na política local e de grande penetração nas diversas camadas da sociedade. Esses dois homens foram escolhidos segundo o prefeito, porque tem o perfil das pastas para as quais foram escolhidos. Magno ao falar ao público, mostrou-se agradecido com o carinho que tem recebido de todos que acreditaram e continuam a acreditar no seu projeto político. Convidou a todos para com ele participarem do programa Governo presente que amanhã estará na comunidade dois mil. A cerimonia de instalação e posse nas secretarias foi bastante concorrida onde estiveram presentes o deputado Fábio Braga que acompanha Mgno desde a campanha, o secretário estadual Clodomir Paes e sua esposa a deputada Graça Paes. Apesar do sol forte, o povo não se deixou abalar, mostrando que acredita nas propostas de Magno e que Itapecurú vive realmente um novo momento.

Banco do Brasil deve controlar repasse de recursos públicos federais no Maranhão

 

A pedido do Ministério Público Federal no Maranhão (MPF/MA), a Justiça Federal concedeu liminar para determinar ao Banco do Brasil (BB) a adotar medidas que dificultem o desvio de recursos públicos federais em convênios da União com o Estado do Maranhão e seus municípios.
A ação civil pública (ACP) proposta pelo MPF/MA pretende que o BB proíba os gestores dos Municípios e do Estado do Maranhão de sacarem em espécie ou transferirem para outras contas públicas os recursos federais alocados em contas específicas, abertas em razão dos repasses referidos nos Decretos 6.170/2007 e 7.507/2011.
“A despeito de todas as normas que impõem a custódia dos recursos em contas vinculadas e a saída dos valores apenas (e diretamente) para as contas do fornecedor do produto e/ou prestador do serviço contratado, tornou-se rotineira no âmbito do Maranhão a prática de saques ‘na boca do caixa’ desses recursos federais”, ressalta o procurador da República José Milton Nogueira.
Segundo o procurador, “com a progressiva vedação dos saques pelo BB, os gestores passaram a transferir esses valores para outras contas dos entes federados, sobre as quais possuem amplo poder de movimentação, inclusive podendo sacar o dinheiro em espécie”. Fonte Blog do Sérgio Matias

O Estado de S.Paulo

Sob o comando de Lula, o PT antecipou o início da campanha presidencial, cuja eleição se realiza daqui a 17 meses, de modo que tudo o que as lideranças do partido e do governo fazem e dizem deve ser considerado de uma perspectiva predominantemente eleitoral.

E desse ponto de vista ganham importância as mais recentes declarações do chefe do PT que, do alto de seu irreprimível sentimento de onipotência, anda sendo acometido por surpreendentes surtos de franqueza.

No lançamento de um livro hagiográfico dos 10 anos de governo petista, Lula garantiu que não existe político “irretocável do ponto de vista do comportamento moral e ético”. “Não existe”, reiterou. Vale como confissão.

Lula está errado. O que ele afirma serve mesmo é para comprovar os seus próprios defeitos.

 

 

Seus oito anos na chefia do governo foram de uma dedicação exemplar à tarefa de mediocrizar o exercício da política, transformando-a, como nunca antes na história deste país, em nome de um equivocado conceito de governabilidade, num balcão de negócios cuja expressão máxima foi o episódio do mensalão.

É claro que Lula e o PT não inventaram o toma lá dá cá, a corrupção ativa e passiva, o peculato, a formação de quadrilha na vida pública. Apenas banalizaram a prática desses “malfeitos”, sob o pretexto de criar condições para o desenvolvimento de um programa “popular” de combate às injustiças e à desigualdade social. Fonte Blog Ricardo Noblat

Câmara rejeita projeto da Ficha Limpa

HPIM0164

A Câmara Municipal de Vargem Grande rejeitou na sessão de ontem, projeto de autoria do vereador Roberto Juvenil que implantava a Ficha Limpa no município. Os oito vereadores da base aliada do governo não aceitaram a proposta e votaram contra a sua aprovação. Dos oito vereadores, apenas três se manifestaram e explicaram as razões pelas quais eram contra. O relator da emenda vereador Germano Barros, disse que a Lei da Ficha Limpa era inconstitucional e que não votaria em uma lei que feria a Constituição e que, as leis municipais não podem superar as leis federais. A vereadora Conceição alegou que em caso de um erro técnico em prestações de conta poderá levar o vereador que não sabe quebrar coco a passar oito anos desempregado e sobrevivendo de favores de amigos. Acrescentou ainda, que é demais e um grande castigo um político passar oito anos sem poder concorrer a um cargo eletivo e depois, não poder nem ocupar cargo de confiança. O vereador Abdias Cidrão, presidente da Casa, usou a tribuna para dizer que esse projeto era uma briga pessoal do ex-vereador Toinho do Juvenil que pretendia atingir o ex-prefeito Dr. Miguel, e como o vereador Germano, acrescentou que a lei era inconstitucional e que por isso usou do direito de votar, e votou contra. Os outros que votaram contra, deram o seu voto mais não se manifestaram verbalmente.