Ladrões roubam Projovem

Servidores do PROJOVEM de Vargem-Grande ao chegarem para trabalhar na manhã de hoje, perceberam que ladrões haviam entrado nas dependências do prédio onde funciona o programa. Ao fazerem uma vistoria para avaliarem o que havia sido roubado, perceberam que produtos alimentícios, como feijão, arroz e outros, haviam sido levados pelos meliantes. Os diretores do programa irão a delegacia de polícia para fazerem o registro da ocorrência, para que a polícia prenda os acusados. Essa não é a primeira vez que bandidos invadem a sede do PROJOVEM e realizam roubo. Qualquer outra informação, passaremos posteriormente.

Fraudes e coincidências que ajudaram a eleger Dilma Rousseff

No gráfico criado pelo Estadão, vê-se o crescimento de Dilma em Estados sem segundo turno para governador

Carlos Newton

Uma das maiores surpresas dos brasileiros foi ligar a televisão no final da tarde e perceber que só estava ocorrendo apuração dos votos para governador nos Estados em que havia segundo turno. Nada de apuração da eleição presidencial.

Ninguém estava acostumado com isso. Nunca antes, na História deste país, isso tinha acontecido. Todos estavam acostumados àquela saudável e patriótica emoção de votos virem pingando de todo o país, até ocorrer o desenlace final.

Desta vez, não. As emissoras de TV ficaram embromando, fazendo debates entre intelectuais, enchendo linguiça e aguardando. E aguardando… Até que, depois da 20 horas, chegaram os primeiros resultados oficiais, que já vinham indicando a vitória de Dilma Rousseff, pois faltava apurar apenas 5% dos votos.

Como aconteceu isso? Ora, o estranho fenômeno eleitoral só ocorreu mediante uma série de “coincidências”.

1) O horário de verão, por decreto presidencial, começou dia 19 de fevereiro, às vésperas do segundo turno. Como atrapalhava a apuração (segundo o Tribunal Superior Eleitoral), bastava baixar um novo decreto adiando-o ou adiantando a hora no Acre, que só tem 500 mil eleitores e praticamente não influi nas eleições presidenciais. Mas por “coincidência”, o governo não fez uma coisa nem outra.

2) Sob esse ridículo argumento do horário da eleição no Acre, por “coincidência” o TSE do ministro petista Antonio Dias Toffoli criou a apuração secreta, que transcorreu numa sala reservada, à qual nem mesmo os ministros do TSE tiveram acesso, e sem fiscalização pelos partidos e pela Polícia Federal.

3) Nas eleições anteriores, os Tribunais Regionais Eleitorais iam transmitindo paulatinamente a apuração, diante da imprensa e sob fiscalização dos partidos e da Polícia local. Foi assim que em 1982 se descobriu a fraude do Proconsult para derrotar Brizola. O delegado Manoel Vidal, chefe da segurança da apuração, percebeu o golpe, simultaneamente denunciado também por nosso colega Pedro do Coutto, que cobria a apuração pelo Jornal do Brasil.

4) Mas nesta eleição estilo 2014, por “coincidência” (ou melhor, pelo efeito Acre), os TREs só divulgavam os votos para governador e iam enviando a apuração presidencial diretamente para a sala secreta do TSE.

5) Também por “coincidência” (digo, ainda pelo efeito Acre), os Estados onde não havia segundo turno para governador não divulgavam nada e também mandavam seus totais para a sala secreta do TSE.

6) E a grande “coincidência” foi saber que a vitória de Dilma Rousseff foi garantida pelos votos de Estados sem eleição para governador em segundo turno, onde não houve fiscalização dos partidos, nada, nada.

7) Foi também curioso e intrigante saber que Dilma estava perdendo para Aécio até 80% da apuração (às 19h32m) e de repente, no finalzinho, também por “coincidência”, ganhou por pequena margem, com base na votação em Estados sem segundo turno, cujos totais foram passados em bloco, diretamente para a sala secreta do TSE: Minas Gerais, Bahia, Maranhão, Pernambuco e outros estados do Nordeste.

8) E por “coincidência”, foi instigante saber que Aécio perdeu até mesmo em Pernambuco, onde o mito Eduardo Campos conseguira fazer o governador no primeiro turno.

9) Ainda por “coincidência”, o dirigente petista Luiz Eduardo Greenhalg adiantou a “vitória”, alardeando-a em sua conta no Twitter e no Facebook às 19h26m,e não adianta dizer que foi erro por causa do horário de verão, porque ele escreveu “vamos aguardar o final da apuração”. Se estivesse escrevendo às 20h26m, jamais diria isso, pois Dima já estava “eleita”.

10) E na “coincidência”, o site do PT anunciou a vitória de Dilma às 19h35m, com precisão impressionante, dizendo que ela tivera (na verdade, teria) 51,57% dos votos. Um erro de apenas 0,7%, ou seja, precisão de fazer inveja a qualquer “instituto de pesquisa. E não dá para negar, está lá no site do PT.

http://www.pt.org.br/dilma-reeleita/

TSE SABE QUE URNA É FRAUDÁVEL

O pior de tudo isso é saber que o Tribunal Superior Eleitoral está cansado de saber da precariedade da urna eletrônica, já denunciada desde os tempos de Brizola. E em setembro deste ano o PDT reforçou a denúncia ao TSE, através da advogada Maria Aparecida Cortiz, do CMind (Comitê Multidisciplinar Independente), formado por especialistas em tecnologia e informática, que pela enésima vez comprovaram a vulnerabilidade do sistema brasileiro de votação eletrônica, mas o TSE (leia-se: Toffoli) não tomou a menor providência, sequer aceitou submeter a urna a um teste.

Finalmente, o mais curioso ainda é ver o noticiário massivo da imprensa atribuindo a vitória de Dilma à tal divisão do país exclusivamente à Bolsa Família e à política social do PT. E a gente também pode acabar convencido de que foi tudo por mera “coincidência”.Fonte Tribuna da Imprensa.