Traficante em liberdade condicional é preso em Itapecurú

Daniel Sousa Ferreira de 22 anos, que atualmente está em liberdade condicional depois de passar dois anos na Unidade Prisional de Ressocialização de Itrapecurú, cumprindo pena por tráfico de drogas, foi preso novamente no bairro da Piçarra município de Itapecuru, por um grupamento da força tática, acusado do mesmo crime. Com Daniel foi encontrado uma balança de precisão, 222 gramas de chrak avaliada em R$ 3.500,00 (três mil e quinhentos reais) e R$ 416,00 (quatrocentos e dezesseis reais) em espécie. O acusado foi condenado a 5 anos de prisão e apesar de ter cumprido apenas dois anos em regime fechado e estar em liberdade apenas a dois meses, a polícia diz que ele continua traficando. Apesar da negativa do acusado, Dr. Samuel Murita delegado regional diz que ele é sem dúvidas, um dos chefes do tráfico na região. Após ser autuado em flagrante, Daniel foi reconduzido a UPR, onde ficará a disposição da Justiça.

Último saque da conta de Lula na Odebrecht foi em 2014

Sérgio Moro tem razão, quando diz que o mais espantoso é que a ORCRIM continuou operando em plena Lava Jato.

A última movimentação registrada na conta “Amigo”, aberta pelo departamento de propina da Odebrecht para Lula, ocorreu em outubro de 2014. Trata-se de um saque de R$ 300 mil, enviado ao doleiro Álvaro Novis, vulgo Paulistinha.

Segundo a Veja, seu papel na ORCRIM era distribuir as propinas a políticos de São Paulo e Rio, como Sérgio Cabral. Do O antagonista.

CHORO E RANGER DE DENTES

No Congresso, ressurge a proposta de ser anistiado o recebimento de ajuda eleitoral pelo caixa dois. Não se encontram deputados e senadores dispostos a votar contra. Depois que o Supremo Tribunal Federal admitiu como crime até o caixa um, Suas Excelências replicam com a iniciativa celerada.

Foi mais uma vez protelada a divulgação da lista do procurador Rodrigo Janot, no caso, a segunda, quando nem a primeira é conhecida. Deputados, senadores e ministros andam apavorados com a perspectiva de ter seus nomes conhecidos, na semana que vem. Mas também confiam em que, de novo, mudarão a lei para escapar de incriminações.

O risco é de novamente ficarem impunes os parlamentares que se elegeram com dinheiro podre. Sofrem também os vigaristas hoje sem mandato.

No Congresso, há quem esteja sem dormir, pois pelo menos 150 seriam referidos como beneficiados pelas falcatruas.

Outra sombra a pairar sobre a Praça dos Três Poderes refere-se ao futuro. Nas eleições do ano que vem, quando a maioria disputará a reeleição, estão proibidas as doações por empresas. Campanhas milionárias, só por candidatos milionários. Como a maioria parlamentar disputará as preferências do eleitor? O fundo partidário não chegará para todos, talvez nem para os caciques. A quase totalidade das empresas, com as empreiteiras à frente, decidiram não abrir os cofres. Resultado: choro e ranger de dentes…

OS GOVERNADORES

Quantos governadores integram a lista? Se forem os 27, não haverá surpresa. Mas uns poucos escaparão. Não muitos, porque as empreiteiras agiram nos Estados até com mais desfaçatez. Sofrem os que pretendiam candidatar-se à reeleição, abrindo-se para eles a frustração de buscar outros caminhos.