Polícia prende ladrões que roubaram Hilux na manhã de hoje em Vargem Grande

Contrariando todas as previsões e prognosticos de especialistas em rotas de fuga, o ladrão que roubou a Hilux do Sr. Ednaldo Oliveira Coêlho, O Maguinho dos teclados, não fugiu para muito longe, foi para a cidade de Urbano Santos onde recebeu apoio de três comparsas. O autor do roubo Thaylison Viana Santos de 25 anos, ao chegar em Urbano Santos procurou os comparsas Clemilson Corrêa da Silva, Lindomar Oliveira de Araújo e Francisco dos Santos Nunes, que iriam lhe dar cobertura. Acontece que a polícia já estava avisada do roubo e fazia incursões pela cidade para ver se encontrava alguma pista que os levassem, aos culpados.. Ao encontrá-los a polícia fez a abordagem e ao verificar que o veículo era produto de roubo, deu voz de prisão  ao quarteto, que  juntamente com o veículo foi encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil de Urbano Santos, para serem autuados em flagrante e posteriormente  transferidos para o presídio de Chapadinha onde ficarão a disposição da Justiça. Se condenados, deverão cumprir pena no presídio de Itapecuru, pois de acordo com a lei, o réu cumpre pena no distrito da culpa.

Começa o julgamento do Caso Bertin, ex prefeito de Presidente Vargas

Resultado de imagem para prefeito bertin

Sob a presidência da Juíza titular da 2ª Vara Criminal da Comarca de Itapecuru Dra.  Mirela Freitas, está sendo realizado o Julgamento dos três acusados de terem executado a tiros em 06 de março de 2007, o prefeito de Presidente Vargas, Raimundo Bartolomeu Santos Aguiar, o Bertin,  e tentado contra a vida de Pedro Albuquerque, conhecido como Pedro Pote que na época do crime, exercia a função de secretário de esportes do município de Presidente Vargas – Ma.

O Julgamento está sendo realizado no prédio da Câmara Municipal de Itapecuru. Foi montado um forte esquema de segurança, e todos os acessos ao local do Júri, estão bloqueados pela polícia e só é permitido a entrada ao recinto onde está sendo feito o julgamento a pessoas credenciadas, Populares e a imprensa, para não serem barrados, tem que passar pelo detectador de metais.

Mais uma moto é roubada na Zona Rural do município de Vargem Grande

Resultado de imagem para POP vermelha, ano 2012

Ilustração

Era aproximadamente 12 hs e 35 min, de ontem 09/12, domingo, quando o jovem Carlos Alves Teixeira residente no bairro Santo Antônio em Vargem Grande, retornava do povoado Riacho do Mel para a sede do município. Teixeira que havia feito uma entrega de mercadorias naquele povoado, ao retornar foi interceptado por dois elementos encapuzados que estavam na estrada, armados com revolver.

Não demorou muito tempo e um outro bandido, saiu do mato também encapuzado e com um revolver, renderam a vítima que estava em uma POP vermelha, ano 2012 de propriedade da jovem Sara dos Reis Soares Sousa. Os bandidos ao tomarem a moto, tomaram rumo ignorado. A vítima esteve na Delegacia de Polícia prestando queixa, e solicitando da polícia a elucidação do caso.

Urgente! Hilux é roubada no centro de Vargem Grande

Resultado de imagem para foto de hilux

Ilustração

Era aproximadamente 7 hs e 30 min da manhã de hoje (10), quando o Sr. Ednaldo Oliveira Coelho, conhecido como “Maguinho dos teclados”, estacionou o seu veículo uma Hilux ano 2006 nas proximidades de um comércio na av. São Raimundo, centro de Vargem Grande. Estacionou e deixou o veículo com a porta aberta e em funcionamento.

Nesse instante, aparece uma pessoa desconhecida que entrou no carro e saiu como disse as testemunhas, “cantando pneu”. O proprietário, informou que o carro está na reserva de combustível e pede aos proprietários de postos que desconfie de alguém que possa vir comprar gasolina em botijões.

“Maguinho” não informou a placa do veículo, porque segundo ele, foi comprado recentemente e não deu tempo para decorar. Os documentos pessoais da vítima, também se encontram dentro do carro.

 

Plataforma vai acompanhar vida escolar de crianças do Bolsa Família

O Governo do Brasil lançou, esta semana, a Plataforma Iniciativa Trajetórias Escolares, Desigualdades e Diversidades. A iniciativa vai permitir o acompanhamento da situação dos estudantes beneficiados pelo Bolsa Família. O objetivo é compreender e apoiar os casos mais sensíveis, como situação de abandono escolar, risco de violência e trabalho infantil, por exemplo.
O diretor de Educação, Direitos Humanos e Cidadania do MEC, Daniel Ximenes, explica que nos cinco períodos de coleta de informações do acompanhamento da frequência foram observados diversos casos de crianças que apresentam situações mais sensíveis na frequência escolar.
“Esse trabalho será uma lupa, uma oportunidade para que nós consigamos observar e trabalhar junto com estados e municípios para reverter a possibilidade de abandono escolar das crianças que apresentam maior risco”, explicou Ximenes.
Mais de 14 de milhões de crianças e adolescentes, entre 6 e 17 anos, compõem o público da iniciativa. Eles serão acompanhados bimestralmente em sua frequência escolar (condicionalidade de educação do Programa Bolsa Família), em quase 140 mil escolas, com o trabalho realizado por 56 mil funcionários cadastrados no Sistema Presença.
Daniel Ximenes afirma que as oportunidades têm de ser iguais a todos os brasileiros. “Temos que trabalhar no Brasil para que todas as crianças, as mais pobres inclusive, tenham uma trajetória escolar regular como as crianças de classes média e alta têm. Apenas 58% dos jovens de 19 anos de idade no Brasil têm ensino médio completo. Então temos que reverter essa situação”, alertou.
Com informações do Ministério da Educação.

Acusado de estelionato que deu golpe de R$ 60.031,96 em idoso de Peritoró também atuava em Codó e Coroatá

Luís Carlos Pinto Meireles foi preso na semana passada na cidade de São Mateus por ordem da Justiça. Abriu sete empresas de empréstimos bancários consignados, segundo o delegado que preside o inquérito, Dr. Fábio Cordeiro,  em seis cidades do LESTE do Maranhão ( entre elas Codó, Coroatá, Santo Antonio dos Lopes, Capinzal do Norte), duas delas em Peritoró onde as denúncias que motivaram a investigação começaram.

“Esse indivíduo cooptava pessoas idosas, beneficiárias do INSS para realizar empréstimos consignados na sua empresa, após conseguir que essas pessoas realizassem empréstimo  na sua empresa, tinha acesso às contas-correntes delas e fazia uma verdadeira devassa nas contas realizando transferências, saques, pagamentos de contas pessoas causando prejuízo enorme à estas pessoas”, explicou o delegado

A investigação constatou que ele ganhava dinheiro ilegalmente de várias formas. A primeira delas era dividir a entrega do dinheiro do empréstimo em duas vezes, sem nunca entregar a segunda parcela.

Não satisfeito, passou a invadir contas bancárias dos aposentados e pensionistas.

“Ele pouco tempo ficava com os cartões dessa vítima, de imediato ele devolvia os cartões mas ele cadastrava o celular dele na conta-corrente da vítima, isso o próprio banco nos informou que ele fazia todas as movimentações a partir do seu celular por meio do  Mobile Bank”, revelou Fábio Cordeiro

GOLPE DE MAIS DE 60 MIL NUMA SÓ VÍTIMA

Só  em PERITORÓ já são 10 inquéritos abertos para apurar, o que mais chama a atenção é de um aposentado de 71 anos de idade, só dele o suspeito de estelionato conseguiu tirar R$ 60.031, 96 em empréstimos fraudulentos.

Na conta de seu Francisco Anacleto de Sousa o suspeito fez mais de 35 movimentações financeiras, foram tantas que desde agosto deste ano o idoso  não consegue receber mais nem um centavo de sua aposentadoria. Como vive sozinho, está sendo sustentado por dois amigos.

“Zerada, todo tempo zerada, aí a moça do banco sempre falava – não, seu dinheiro saiu e o banco já comeu, o senhor tá devendo o banco tanto, tanto no seu nome, não paga não…AÍ O SENHOR FICOU DESESPERADO, SÓ VIVIA DISSO? Só disso, só tinha isso pra viver, tinha não, tenho ainda porque eu tenho fé em Deus que um dia eu recebo este dinheiro”, disse-nos o idoso.

O delegado completou.

Cada vez que ele realizava um empréstimo na conta de seu Anacleto ele transferia esse dinheiro que deveria ser entregue ao idoso fazia transferência pra conta de terceiros, laranjas, fazia pagamentos pessoais e saques também por isso que chegou à esta quantia exorbitante em apenas três meses, no caso até o mês de agosto. Posteriormente eu conseguiu fazer mais empréstimos até que esta conta foi bloqueada”

Luis Carlos Pinto Meireles segue preso. Com a divulgação do caso, o delegado acha que mais vítimas aparecerão. Seu Anacleto, quer apenas o dinheiro dele de volta.

“O SENHOR ATÉ SE EMOCIONA AO FALAR DO CASO? Num sei não, não me aquieto não…ESPERA QUE JUSTIÇA SEJA FEITA? Seja feita, Quanto mais breve possível”, respond

O que a imprensa não fala sobre a pobreza

TIAGO DE VASCONCELOS

O ritmo de crescimento da pobreza é o menor dos últimos 4 anos no Brasil, mas com base nas manchetes da imprensa, você não sabia disso. E mais: a pobreza mundial é a menor da História. Vivemos o melhor momento da humanidade.

Quem consumiu qualquer jornal produzido pelo grupo Globo (na TV, impresso, rádio ou internet) na última quarta-feira (5/dez) ficou sabendo que “no Brasil, 15,2 milhões vivem abaixo da linha da extrema pobreza, diz IBGE” ou “em 1 ano, aumenta em quase 2 milhões número de brasileiros em situação de pobreza, diz IBGE”. Isso se espalhou pelas dezenas de veículos do conglomerado de comunicação repetidamente, durante todo o dia, e se entranhou na mídia em geral. Do Globo Rural à Bloomberg e à agência AFP, todos seguiram a mesma narrativa: a pobreza no Brasil se alastra. A blitz do noticiário não permitiu conclusão diferente: o país vive um dos piores momentos. Isso é falso.

Os números são reais, mas a informação é incompleta. Na comparação de resultados do IBGE entre 2016 e 2017 houve um aumento de 0,8% na proporção de pessoas no Brasil que vivem em situação de pobreza (de 25,7% para 26,5%). Mas o fato mais relevante a ser extraído dos resultados do IBGE sobre a pobreza em 2017 deveria ser que o ritmo de crescimento é o menor desde 2014. Além do mais, o valor é o mesmo do ano de 2011. A notícia deveria ser positiva. Atualmente, o ritmo de crescimento da miséria é cerca de 20% daquele de 2015, auge da tragédia petista (ver gráfico 2). Nós jornalistas parecemos não gostar de admitir, mas o governo Temer freou consideravelmente o alastramento da pobreza e essa situação está quase revertida.

Gráfico 1; Folha de S.Paulo de outubro de 2017 mostra a taxa de brasileiros abaixo da linha da pobreza desde 2001. Este ano, não houve gráfico.

Na matéria de 2017 sobre o estudo anual do IBGE, a Folha de S.Paulo mostrou que desde 2003 o Brasil assistiu a uma queda constante (sempre, segundo dados do IBGE) na proporção da população que vivia abaixo da “linha da pobreza”; limite definido pelo Banco Mundial – em 1992 e revisto em 2015 – do valor em dólar que um ser humano precisa para sobreviver, por dia. Teve até gráfico (acima). Mas a matéria da Folha deste ano não menciona os resultados dos anos de 2013, 2014 e 2015, assim como o release oficial do IBGE, que 100% dos veículos reproduziram. Não houve atualização do gráfico. Aliás, nem sequer um veículo que noticiou essa “novidade” menciona a evolução do quadro desde os últimos anos de governo do PT e o tamanho do desastre deixado de herança por Dilma e cia.

Gráfico 2; a curva de crescimento da pobreza estava acentuada especialmente entre 2015 e 2016. No ano seguinte, quase estabilizou.

Dados do IBGE (acima) demonstram que o Brasil cortou o ritmo do avanço da linha da pobreza. Em 2003, primeiro ano do governo Lula, a proporção era de 45,8%. A queda foi constante até atingir 20,4% há quatro anos, um recorde no histórico no levantamento. No entanto, desde 2014, os resultados têm piorado de forma assustadora. Em 2015 a taxa pulou para 22,1%. Em 2016, para 25,7%; o mais grave crescimento de todos os tempos, com 3,6 pontos percentuais. Mas desde o impeachment essa explosão de pobreza diminuiu de intensidade; o último levantamento mostra 0,8 ponto de aumento e isso ainda não contabiliza o ano de 2018.

Para entender a história completa, é preciso destrinchar a metodologia por trás das conclusões do IBGE. Anualmente o instituto produz a Síntese de Indicadores Sociais (SIS) que, segundo o próprio IBGE, “reúne múltiplas informações sobre as condições de vida da população brasileira, acompanhadas de comentários”. A SIS tem base nos resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, o PNAD População. É importante destacar que a amostra do PNAD é de 1.000 domicílios, universo de entrevistados menor que muitas das pesquisaseleitorais do segundo turno. Em contraste, o próprio IBGE projeta o total da população brasileira em 209,2 milhões. Também vale destacar que os “comentários” de analistas que acompanham o levantamento estatístico são os responsáveis por guiar a interpretação da SIS e consequentemente da assessoria de imprensa do instituo acerca da pesquisa, a responsável por pautar a imprensa brasileira e estrangeira.

A boa notícia: é a melhor época da Humanidade

As matérias não refletem, mas os resultados do IBGE dos últimos anos são positivos e animadores. É possível perceber que o país exibiu desenvolvimento estável e maduro suficiente para arrumar a casa para superar crises. Outra pesquisa que também demonstra isso, do instituto Insper em conjunto com a Oliver Wyman publicado este ano, estudou a evolução de um conjunto de indicadores socioeconômicos no Brasil. E não há más notícias (veja abaixo):

Estudo Renda e Produtividade nas Últimas Duas Décadas, do Panorama Brasil, produzido pelo instituto Insper e Oliver Wyman

Desde meados da década de 90, todos os principais indicadores sociais e econômicos do Brasil evoluíram de forma impressionante. Vale ressaltar a média de anos de escolaridade de brasileiros com mais de 25 anos, que dobrou desde 1990 de 4 para 8 anos, o aumento da expectativa de vida, que pulou de 67 para 75 anos em duas décadas e também o avanço de 173% no valor do salário mínimo. O Insper/OW compilou dados do Banco Central do Brasil, World Development Indicators, Banco Mundial; Total Economy Database, The Conference Board, IBGE e IPEA.

Além do Brasil, a notícia é boa para todo o planeta. Em abril deste ano, o psicólogo e acadêmico Steven Pinker proferiu palestra num evento TED (disponível com legendas em português), onde demonstra que o mundo nunca esteve tão bem. Os números de homicídios, o volume de pobreza e até a taxa de poluição nunca estiveram tão baixos. A quantidade de guerras é a menor da História e até os atos de terrorismo diminuíram nos últimos 30 anos. Enquanto isso, liberdades pessoais e políticas cresceram, além de haver progresso unânime em questões tangíveis como expectativa de vida, mortalidade infantil, renda e acesso a saúde, segurança e educação. Problemas ainda existem, claro. Mas das Américas à Europa e por toda a África e Ásia o progresso da raça humana no último século é inegável.

Pobreza extrema; 1820-2015

 

Mortes por Homicídio na Europa Ocidental, EUA e México; 1300-2015

No seu estudo, o professor Pinker defende que houve e há progresso. Ele definiu variáveis que podem ser medidas para indicar se de fato o mundo está melhor em relação ao passado. São oito: Vida, Saúde, Sustância, Prosperidade, Paz, Liberdade, Segurança, Conhecimento, Lazer e Felicidade. Se existiu crescimento aferível dessas variáveis, houve progresso. Ele compilou estudos de várias décadas (e até séculos) sobre esses aspectos e o resultado não poderia ser melhor. Em todos os quesitos os seres humanos estão melhores. Até “atos de Deus”, como relâmpagos, matam menos pessoas nos dias de hoje. Mais de 90% da população mundial abaixo dos 25 anos, por exemplo, sabe ler e escrever, segundo o Our World in Data. Os resultados nunca foram tão positivos. Mas essa não é a sensação comum do telespectador de jornal ou usuário de internet.

O problema é o humor da imprensa

Paralelamente, segundo Steven Pinker, a percepção da imprensa sobre os acontecimentos mundiais vem piorando cada vez mais desde o início do século passado. De acordo com o Cultureconomics 2.0 – estudo que fez uma tabulação das emoções de palavras nas reportagens de todo o mundo –, durante as décadas em que a humanidade se tornou mais saudável, mais rica, sábia, segura e feliz, “os noticiários mundiais em geral se tornaram cada vez mais melancólicos e o New York Times, por exemplo, se tornou cada vez mais taciturno”, diz.

A pesquisa usa milhares de fontes, incluindo acervos dos principais jornais do mundo, como o NYT, para atribuir valores emocionais positivos ou negativos às informações. O levantamento inclui o Summary of World Broadcasts (SWB), banco de dados criado na Segunda Guerra pela rede inglesa BBC para monitorar a imprensa mundial, e o Foreign Broadcast Information Service (FBIS), iniciativa da agência de inteligência americana CIA de 1941 com o mesmo propósito dos ingleses. O SWB monitorou os veículos de imprensa em mais de 100 países até 1997, e o FBIS se transformou em 2005 no Open Source Center (OSC), a principal fonte aberta de informações de inteligência estratégica, sob a supervisão da CIA.

O software que realiza a tabulação utilizado pelo autor do estudo, Kaleev Leetaru, destrinchou entre 10 mil e 100 mil artigos desses bancos de dados por dia entre 1º de janeiro de 2006 e 31 de maio de 2011 para atribuir o valor das emoções das manchetes e notícias da imprensa. O gráfico (abaixo) com os resultados delineia a tendência: o humor da imprensa só piora.

O valor mais alto de humor é 3, o menor -3. Desde a década de 90 a imprensa tem humor médio de -1. Entre 2001 e 2011 flutuou entre -3 e -2.

Há uma desconexão de humor e também de interpretação. Nos últimos anos repórteres e acadêmicos da Grã-Bretanha não compreenderam o Brexit; o mesmo aconteceu com a eleição de Donald Trump nos EUA. Este ano foi a vez dos jornalistas brasileiros estarem “chocados” com a eleição presidencial. Mas o pior de tudo é que nos três países a imprensa não foi capaz de prever movimentos políticos amplos, populares e majoritários. A reação desses setores à própria incapacidade de manter o dedo no pulso da sociedade tem sido diversa; resistência, indignação, militância. Sinal de que é provável que essa massa majoritária continue a se afastardos meios de comunicação tradicionais.

 

Tiago de Vasconcelos é Diretor de Redação do Diário do Poder