Sobe para 22 o número de casos do novo coronavírus no Maranhão

Destacado

Informação foi confirmada pelo governador do estado, Flávio Dino, por meio de uma rede social no sábado (28). Até o momento, o Maranhão monitora 647 casos suspeitos.

Por G1 MA — São Luís, MA


Coronavírus foram batizados assim por causa das pequenas 'coroas' na superfície — Foto: Getty Images via BBC
Coronavírus foram batizados assim por causa das pequenas 'coroas' na superfície — Foto: Getty Images via BBC

Coronavírus foram batizados assim por causa das pequenas ‘coroas’ na superfície — Foto: Getty Images via BBC

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), informou na noite de sábado (28) por meio de uma rede social, que subiu para 22 o número de casos confirmados do novo coronavírus no estado. Até o momento, estão sendo monitorados 647 casos suspeitos de infecção por Covid-19.

Dos novos casos, dois tiveram informações divulgadas no último boletim médico divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES). São eles um homem de 26 anos, diagnosticado após exames realizados na rede privada de saúde do estado. O quadro de saúde dele é estável e ele segue cumprindo isolamento domiciliar.

O segundo caso também é de um homem de 29 anos, que foi diagnosticado pela rede privada de saúde. Segundo a SES, ele está internado em um hospital de São Luís e o quadro de saúde é estável.

Os outros seis novos casos não tiveram informações divulgadas. A secretaria informou que todos os pacientes possuem quadro estável e estão sendo monitorados por equipes do Centro de Informações Estratégicas em Saúde (CIEVS).

Encerramos o sábado com o total de 22 casos confirmados de coronavírus no Maranhão. Mais detalhes no próximo boletim da Secretaria de Saúde, que talvez já traga mais casos. Infelizmente ainda vivemos no Brasil uma curva ascendente de casos. Daí a prudência.

Entenda como é feito o monitoramento de casos confirmados e suspeitos de Covid-19

Destacado

Uma equipe formada por profissionais do Centro de Informações Estratégicas e Vigilância em Saúde (Cievs) da Secretaria de Estado da Saúde (SES) monitora diariamente os casos suspeitos e confirmados do Covid-19 no Maranhão. Diariamente, os profissionais desta equipe monitoram esses pacientes e acompanham a evolução do estado de saúde de cada um deles, além de reforçarem a importância do cumprimento das recomendações médicas.

“O trabalho é dividido entre as pessoas da equipe que monitoram cada caso diariamente. Em conversa com cada um, acompanhamos como está o estado de saúde, a sintomatologia e verificamos se o isolamento está adequado, se alguém da família também está com os sintomas. Esse é um trabalho diário realizado por nós”, explica a coordenadora do Cievs, Jakeline Trinta Rios.

O trabalho do Cievs no controle do Covid-19 tem início quando um caso suspeito é identificado e notificado. Os dados chegam ao sistema do Cievs, que entra em contato com esse paciente e busca a rotina, mapeia as pessoas que tiveram contato com o paciente, se ele veio de outro estado, por qual meio de transporte, com quem ele teve contato e o paciente é orientado a fazer o isolamento domiciliar para barrar o contágio.

Se o paciente veio de outro estado em ônibus ou avião, o contato dos passageiros é anotado. Se o resultado do exame desse paciente é positivo, os passageiros mais próximos desses pacientes são contactados para que façam imediatamente o teste para detecção do vírus.

Quando o resultado do exame é negativo, o paciente recebe uma mensagem da equipe do Cievs, que informa o resultado. Já para os resultados positivos, um médico psiquiatra entra em contato com o paciente e informa o resultado do exame.

“Atualmente, a equipe conta com dois médicos psiquiatras e vamos ampliar essa assistência conforme a demanda. O médico entra para dar o diagnóstico porque ele tem outra abordagem, usa uma linguagem de conforto a esse paciente e está pronto para dar o suporte que ele necessitar”, contou Alberto Allan Rodrigues Patrício, chefe da Assessoria Especial da SES.

Além disso, a equipe do Cievs conta ainda com psicólogos que fazem o monitoramento dos familiares caso seja preciso alguma intervenção. O paciente é monitorado diariamente até ter alta médica. Em alguns casos, dependendo das circunstâncias, a equipe vai até a casa dos pacientes que testaram positivo para fazer coleta de material também dos familiares.

Prefeito morre com suspeita de coronavírus no Piauí

Destacado

a madrugada desta sexta-feira (27/03), o prefeito da cidade de São José do Divino (234 km de Teresina), Antônio Nonato Lima Gomes, mais conhecido como Antônio Felícia, morreu no Hospital Dr. José Brito Magalhães, do município de Piracuruca com sintomas suspeitos do novo coronavírus. O prefeito possui 57 anos e faz parte do grupo de risco por ser diabético.

De acordo com informações, quem realizou o primeiro atendimento do gestor foi o prefeito de Piracuruca, Raimundo Alves, que é médico. Ele declarou que Antônio Felícia ainda chegou a relatar que estava com febre e sentia dificuldades na hora de respirar, por se tratar de sintomas parecidos com o Covid-19, Raimundo recomendou que o prefeito fosse realizar testes em Teresina, mas ele não seguiu as recomendações.

Por volta de 02h, Antônio se sentiu mal e foi encaminhado ao hospital, onde já chegou com falta de ar intensa. Ele acabou não resistindo e veio a óbito em seguida. Todo o material necessário para análise no laboratório foi recolhido e encaminhado para o Lacen, em Teresina, onde será feito o teste para saber se o gestor morreu por Covid-19.

“A região amanheceu com sentimento de luto muito grande. Há dois dias ele me ligou como amigo perguntando onde eu estava atendendo e disse que estava com dois dias de febre. Eu perguntei se ele tinha algum sintoma gripal, ele disse que não, então eu recomendei que ele fosse a Teresina para diagnosticar essa febre, ele não foi. Hoje por volta de 02h, ele deu entrada no pronto socorro com uma falta de ar intensa, o médico de plantão me ligou, conseguiu entubar rapidamente mas já veio a óbito imediatamente. Na região a gente não tinha nenhum caso notificado, nem suspeito, ele passa a ser um caso clinicamente suspeito”, declarou o prefeito de Piracuruca acrescentando que Antônio não tinha frequentado nenhum lugar que já esteja com a doença.

O senador Ciro Nogueira disse que foi tomado de surpresa pela morte prematura do prefeito.

“É realmente uma situação muito triste, um momento de dor. Mesmo à distância, deixo meu abraço aos familiares, aos amigos e moradores do município”, afirmou Ciro.

Imparcial.

Câmara aprova auxílio de R$ 600 por mês para trabalhador informal

Destacado

O auxílio pode chegar a R$ 1.200 por família. O valor final, superior aos R$ 200 anunciados pelo Executivo no início da crise em virtude da pandemia

Por: Com informações da Agência Brasil

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (26) auxílio emergencial por três meses, no valor de R$ 600,00, destinados aos trabalhadores autônomos, informais e sem renda fixa durante a crise provocada pela pandemia de coronavírus. A matéria segue para análise do Senado. 

Pelo texto do relator, deputado Marcelo Aro (PP-MG), o auxílio pode chegar a R$ 1.200 por família. O valor final, superior aos R$ 200 anunciados pelo Executivo no início da crise em virtude da pandemia, foi possível após articulação de parlamentares com membros do governo federal. O projeto prevê ainda que a mãe provedora de família “uniparental” receba duas cotas. 

Os trabalhadores deverão cumprir alguns critérios, em conjunto, para ter direito ao auxílio:

  • – ser maior de 18 anos de idade;
  • – não ter emprego formal;
  • – não receber benefício previdenciário ou assistencial, seguro-desemprego ou de outro programa de transferência de renda federal que não seja o Bolsa Família;
  • – renda familiar mensal per capita (por pessoa) de até meio salário mínimo (R$ 522,50) ou renda familiar mensal total (tudo o que a família recebe) de até três salários mínimos (R$ 3.135,00); e
  • – não ter recebido rendimentos tributáveis, no ano de 2018, acima de R$ 28.559,70.

Pelo texto, o beneficiário deverá ainda cumprir uma dessas condições:

  • – exercer atividade na condição de microempreendedor individual (MEI);
  • – ser contribuinte individual ou facultativo do Regime Geral de Previdência Social (RGPS);
  • – ser trabalhador informal inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico); ou
  • – ter cumprido o requisito de renda média até 20 de março de 2020.

Pelas regras, o trabalhador não pode ter vínculo formal, ou seja, não poderão receber o benefício trabalhadores formalizados pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e servidores públicos. 

Pela proposta, também será permitido a duas pessoas de uma mesma família acumularem benefícios: um do auxílio emergencial e um do Bolsa Família. Se o auxílio for maior que a bolsa, a pessoa poderá fazer a opção pelo auxílio. O pagamento será realizado por meio de bancos públicos federais via conta do tipo poupança social digital. Essa conta pode ser a mesma já usada para pagar recursos de programas sociais governamentais, como PIS/Pasep e Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), mas não pode permitir a emissão de cartão físico ou cheques.

Impacto fiscal

No início da tarde, o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu o auxílio de R$ 500 durante o período de crise. Segundo ele, o valor referente a meio salário-mínimo (atualmente em R$ 1.039) deveria ser pago por três meses e teria um impacto fiscal estimado entre R$ 10 bilhões e R$ 12 bilhões. Com a mudança, a perspectiva fiscal é de um impacto de R$ 14 bilhões. Maia argumentou que o valor pago aos profissionais informais deve ser mantido caso ainda haja necessidade após os três meses previstos no texto. 

Não é possível que a gente não possa garantir aos trabalhadores informais uma renda por esse período de três meses e avaliando esse cenário a cada semana, porque isso é um cenário de guerra. É importante que a gente possa aplicar os recursos [públicos] também na sociedade brasileiradisse o presidente da Câmara.

O líder do governo na Câmara, deputado Vitor Hugo (PSL-GO), destacou o apoio de presidente Jair Bolsonaro para o auxílio de R$ 600. “O presidente Bolsonaro, muito sensível a esses 25 milhões de brasileiros que são os mais afetados, os mais sofridos, atento às reivindicações dos líderes partidários, decidiu apoiar a medida de R$ 600. Isso vai fazer com que as famílias que têm duas pessoas nessa condição tenham mais do que 1 salário mínimo, serão R$ 1.200.”

Para o líder minoria, deputado José Guimarães (PT-CE), a medida é essencial em tempos de crise. “Nós temos a compreensão de que, em um momento como esse, de grave crise na economia real, que está impactando a saúde pública no Brasil, nós não podemos ter restrições para gastar. Portanto, o gasto com a saúde tem que ser ilimitado”, afirmou.  

O líder do MDB, deputado Baleia Rossi (SP), afirmou que a proposta garante o “mínimo de esperança” para trabalhadores informais, mas também serão necessárias medidas para micro e pequenas empresas. 

São os informais que hoje não estão trabalhando, não têm renda. Hoje não têm a mínima esperança de chegar ao final do mês e ter o seu dinheiro para comprar as necessidades mais básicas da sua família’, argumentou o parlamentar

Nós aguardamos agora crédito para as pequenas e médias empresas, porque nós sabemos que também elas estão paradas e não têm como se sustentar. É preciso que o governo olhe para as pequenas e médias empresas e possa liberar crédito barato extraordinário para essa finalidade, e também a medida provisória para garantir emprego e o seguro-desemprego para os trabalhadores

img20200318175208058
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, conduziu sessão virtual da Casa Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Hospitais filantrópicos

O plenário também aprovou nesta quinta a suspensão, por 120 dias, a contar de 1º de março, a obrigatoriedade de hospitais filantrópicos de cumprirem metas quantitativas e qualitativas contratadas junto ao Sistema Único de Saúde (SUS). Em troca de isenção de impostos, essas unidades de saúde precisam prestar serviços de saúde como consultas, exames e procedimentos de média e alta complexidade (cirurgias, por exemplo) ao SUS.

No entanto, por causa da crise provocada pela pandemia de coronavírus, esses hospitais não conseguirão atingir as metas de quantidade e qualidade para que as mantenedoras possam contar com a isenção. 

[A medida] garante aos prestadores de serviço do SUS, especialmente as santas casas, hospitais universitários, a manutenção dos recursos que esses prestadores recebem mensalmente e que, infelizmente, podem ser interrompidos neste momento da pandemia do coronavírus

Porque infelizmente, neste momento, nós temos uma situação que suspende as cirurgias eletivas. A maioria desses prestadores de serviço trabalham com as cirurgias eletivas, com procedimentos ambulatoriais e certamente serão afetados. Por isso, a manutenção por 120 dias é fundamental, a fim de que eles possam ter a manutenção das suas atividades, da situação econômica dos seus empregosdisse o deputado Dr Luizinho (PP-RJ). 

Adicional de insalubridade

Outra proposta aprovada pelos parlamentares garantiu um adicional de insalubridade para trabalhadores de serviços essenciais ao combate a epidemias em casos de calamidade pública.

O texto prevê que profissionais da área de saúde, segurança pública, vigilância sanitária, corpo de bombeiros e limpeza urbana no combate de epidemias devem receber o pagamento de adicional de insalubridade em grau máximo, o equivalente a 40% do salário mínimo da região (R$ 418).

CORONAVÍRUS PODERÁ REDUZIR VALORES DOS ALUGUÉIS

Destacado

Vivemos dias de calamidade pública, decorrente da pandemia do coronavírus. Alguns países, como Itália e Espanha, já experimentam severa crise sanitária e social, e a crise econômica já lhes batem à porta. No Brasil, já se constata sinais de enfraquecimento das atividades econômicas, havendo a real possibilidade de ocorrência de um colapso na saúde pública, acompanhado de instabilidade sociopolítica, tudo a sinalizar que os brasileiros enfrentarão séria recessão num futuro breve. Desse quadro, certamente surgirão consequências: diversas relações contratuais também entrarão em crise, dentre as quais, os contratos de locação de imóveis, notadamente os de uso comercial.

Como se sabe, as autoridades têm decretado à população diversas estratégias anticontágio, especialmente no tocante a restrição de circulação dos cidadãos. Sem dúvida, uma das mais drásticas medidas adotadas é a imposição de fechamento (temporário) da parte do comércio considerada por tais autoridades como não essencial. Acontece que, por evidente, tal isolamento social já está provocando devastadores danos na economia: consumidores enclausurados em suas residências e estabelecimentos comerciais de portas fechadas já começam a significar desemprego, inadimplência e, não tardará muito, falências.

Diversos municípios já contam com decretos em vigor suspendendo as atividades comerciais consideradas não essenciais, sendo vários os empresários que, diante da inesperada suspensão do seu negócio, já passam a enfrentar dificuldades para pagar empregados, fornecedores e aluguéis dos respectivos imóveis comerciais. Como não há nada na história recente mundial que se compare à presente pandemia do COVID-19, já é dado como certo que tal crise produzirá efeitos duradouros também no setor de locação de imóveis comerciais.

A tendência é que incontáveis contratos de locação de imóveis comercias, que neste momento estão em vigor, se tornarão excessivamente onerosos (insustentáveis financeiramente) para os respectivos empresários locatários, o que claramente produzirá inadimplência dos aluguéis, que impossibilitará o perfeito cumprimento dos contratos locatícios, salvo se devidamente revisados. Certamente, esta é uma situação que exigirá das partes a capacidade de exercitar o bom senso, significando, no caso, a disponibilidade de readequação, mesmo que temporária, destes contratos, negociando-se reduções de valores dos aluguéis, vencidos e vincendos, parcelamentos, alterações de datas e prazos da locação etc.

Assim, a primeira orientação neste contexto é a que locatários e locadores, de maneira inteligente e solidária, salvem a relação contratual por meio de acordo. As soluções amigáveis (de preferência, sempre por escrito, elaboradas e assessoradas por advogados) serão, sem dúvida, uma opção para que os brasileiros superem a crise econômica de maneira mais rápida. Todavia, naqueles casos onde for impossível resolver-se a questão por meio do consenso, restará aos contratantes mover ações judiciais visando restabelecer o equilíbrio destes contratos. Certamente, em muitos casos, infelizmente, apenas restará esse caminho ao empresário locatário, na tentativa de sobrevivência do seu negócio. Fiquem vigilantes! Afinal, a justiça é para todos.

*Dr. Couto de Novaes

Dois homens são presos em flagrante por receptação e venda de produtos roubados

Destacado

Na manhã de hoje (26), a Polícia Civil de Vargem Grande, realizou uma operação no bairro Trizidela, na casa de um conhecido casal de receptadores que comercializava objetos roubados.

Como resultado da operação foram apreendidas duas máquinas de lavar, uma motosserra e uma espingarda cano duplo calibre 20.

Os acusados (D.C) e (L. B) , foram autuados em flagrante por posse ilegal de arma de fogo de uso permitido e receptação dolosa, respectivamente.

Maranhão lança WhatsApp para caminhoneiros com dificuldade de encontrar comércio aberto

Destacado

O Governo do Maranhão lançou um serviço para receber mensagens de WhatsApp de caminhoneiros que estiverem enfrentando dificuldades para encontrar estabelecimentos abertos nas estradas. O número  do WhatsApp é o (99) 99191-0709.

“Caminhoneiros são essenciais para abastecimento de alimentos e materiais para saúde. Por isso, determinei que estabelecimentos nas estradas fiquem abertos para apoiar circulação dos caminhões”, disse o governador Flávio Dino.

A ideia é transmitir aos caminhoneiros informações sobre onde há estabelecimentos abertos e como estão as condições das estradas – sobretudo as MAs, que são de responsabilidade do Governo do Estado. 

Decreto expedido pelo Governo do Maranhão determinou que restaurantes, pontos de apoio, oficinas e borracharias nas estradas continuem abertos nas estradas. 

O funcionamento do comércio e dos serviços não essenciais está suspenso no Maranhão, mas a exceção são justamente as rodovias. 

O decreto mantém a circulação de cargas nas estradas, por considerar um serviço fundamental, tornando o trabalho dos caminhoneiros imprescindível, tendo em vista que é necessária a chegada de insumos e alimentos para abastecer a população.

Manutenção e construção de rodovias

A  Secretaria de Estado da Infraestrutura (Sinfra) atua em frentes de serviços de manutenção, conservação e construção de rodovias importantes do Maranhão. Os trabalhos garantem a estrutura adequada, permitindo a trafegabilidade do transporte de carga e maior rapidez na chegada de insumos e alimentos, assegurando que a população maranhense esteja devidamente abastecida.

Vargem Grande e o coronavírus, como as pessoas estão reagindo diante da pandemia

Destacado

Resultado de imagem para coronavirus brasil

A realidade que parecia distante, se tornou presente bem mais cedo do que o esperado. A cidade de Vargem Grande, localizada no estado do Maranhão, felizmente ainda não possui casos confirmados de coronavírus. Porém, o local já sofre com alterações nos modos de vida, trabalho e socialização, além do grande impacto na economia local.

Em conversa com o delegado Bruno França Sobreira, responsável pela delegacia do município em questão, eu perguntei se ele sentia alguma resistência da população, quanto ao cumprimento do decreto estadual, que determina o fechamento de bares e restaurantes, autorizando somente o delivery. Em resposta, ele relatou que não, que todos estão em alerta, inclusive monitorando e denunciando casos suspeitos de coronavírus.

Nos conforta saber, que os Vargengrandeses estão consciente de que a melhor forma de prevenção e contenção do COVID- 19 é o distanciamento social.

Vargem Grande: pré-candidato a vereador antes de ser obrigado a quarentena teve contato com Toinho do Juvenil e outras pessoas

Destacado

O pré-candidato a vereador Francisco Cunha, que recentemente chegou de Brasília e ainda teve passagem pela cidade goiana, Rio Verde, antes de ser obrigado a quarentena teve contato com o secretário de agricultura, Toinho do Juvenil,  e com dezenas de outras pessoas da sede e zona rural de Vargem Grande.
Depois de muita pressão da população Vargem-Grandense, Francisco Cunha, foi obrigado pela comissão municipal específica de prevenção e controle do Coronavírus a ficar de quarentena. 
Após postagem do Blog que tratou da medida da Comissão de obrigá-lo a quarentena, recebemos diversas denúncias de Vargem-Grandenses que ratificam seu contato com diversos cidadãos e cidadãs de Vargem Grande. Recebemos denúncias até de que estava transitando normalmente, após imposição da quarentena, defronte sua residência nas proximidades do Fórum Eleitoral, no Bairro Rosalina.
Voltamos a dizer, que diante da gravidade da situação, é de extrema importância que a comissão municipal específica de prevenção e controle do Coronavírus, não só monitore essas pessoas, como determine quarentena, principalmente ao secretário de Agricultura, Toinho do Juvenil. 

Do blog do Thales Castro

Governo do Maranhão suspende comércios e serviços não essenciais por 15 dias

Destacado

O governador Flávio Dino anunciou em entrevista coletiva, neste sábado (21), novas medidas para combater o coronavírus no Maranhão. Entre elas, está a suspensão por 15 dias de atividades e serviços não essenciais, tais como academias, shopping center, cinemas, teatros, bares, restaurantes, lanchonetes, centros comerciais, lojas e similares.

As medidas estão em novo decreto publicado neste sábado e começam a valer nesta mesma data. Continuam funcionando os hospitais, clínicas, laboratórios e demais estabelecimentos de saúde. 

Também seguem funcionando a distribuição e o comércio de alimentos pelos supermercados e similares. O mesmo para serviços de abastecimento de água, luz, gás e combustíveis. 

Também continuam funcionando a coleta de lixo, os serviços funerários, os serviços de telecomunicações, a segurança privada e a imprensa. 

“A função dessas medidas é diminuir a circulação de pessoas, ampliar medidas de distanciamento social, porque essa é a prevenção mais eficiente. Toda a literatura internacional neste momento mostra que o distanciamento social das pessoas determina a diminuição da curva da proliferação do vírus. E isso é vital para garantir  atendimento das redes de saúde”, disse o governador. 

Ele acrescentou que espera colaboração de todos para que as medidas sejam cumpridas. 

Delivery

Os restaurantes, lanchonetes e similares poderão fazer entregas (delivery) ou manter a retirada no estabelecimento por meio dos sistema drive-thru.

Aeroportos

O governador ressaltou que os aeroportos são de competência federal, por isso medidas não podem ser tomadas neste momento pelo Governo do Estado. A Justiça Federal negou o pedido pelo Maranhão para interromper voos nos aeroportos no Estado. 

Flávio disse que aguarda a atuação do governo federal não somente em relação aos aeroportos, mas também a outros serviços e equipamentos pertinentes à União, como bancos e lotéricas.

“Se o governo federal não adotar nenhuma medida ao longo desta semana, vamos reavaliar”, acrescentou.

Na sexta-feira (20), após autorização da Justiça Federal, o Governo do Estado começou a fazer exames nos aeroportos do Estado, com o objetivo de identificar casos suspeitos

Visitas

O decreto deste sábado também suspende por 15 dias as visitas a pacientes com suspeita de infecção ou infectados pelo coronavírus internados na rede pública ou privada de saúde.

Navios

Também está suspensa a atracação de navio de cruzeiro vindo de estados ou países onde a doença já foi confirmada ou com emergência decretada.

Órgãos públicos

A suspensão por 15 dias também vale para órgãos do Governo do Estado, com exceções de secretarias como a de Saúde, a de Segurança, a de Comunicação e outras. 

Na medida do possível, será feito o trabalho a distância.

Caso confirmado

Na sexta-feira (20) à noite, a Secretaria de Estado da Saúde confirmou o primeiro caso de coronavírus no Maranhão. 

Trata-se de um homem, idoso, que não apresenta sintomas graves e que retornou de viagem a São Paulo. Todas as providências de responsabilidade da vigilância sanitária estão sendo adotadas.

Leitos

O governador Flávio Dino explicou que, em todo o Maranhão, há mais de cem leitos de UTI reservados exclusivamente para casos de coronavírus, numa medida preventiva. 

“Faço questão de lembrar que a imensa maioria dos casos não demanda internação hospitalar, de acordo com a estatística internacional. Oitenta por cento dos casos são tratados em casas porque as pessoas não desenvolvem sintomas graves”, afirmou.

Governo determina adoção de isolamento domiciliar temporário a todos os casos de síndromes gripais

Destacado

O Governo do Estado estabeleceu, por meio de portaria, protocolo clínico para síndromes respiratórias gripais em razão da progressão do quadro pandêmico de coronavírus. O documento considera as diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde para o enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente da Covid-19. Entre as principais medidas previstas pela portaria, está a adoção do Protocolo de Isolamento Domiciliar por 14 dias a todos os casos de síndromes gripais, sem sinais de gravidade, independentemente de confirmação laboratorial, definidos em ato médico dentro da rede pública e privada.

O secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, explica que a portaria soma-se às demais ações do governo para conter a propagação do novo coronavírus no estado. “Precisamos pensar coletivamente. É um período de restrição pelo qual precisaremos passar para conter a doença, mas depois tudo voltará à normalidade. Com medidas assim, de contenção social, nossa intenção evitar exposição desnecessária, mas para isso a gente precisa da sociedade do nosso lado, para que a gente tenha as melhores condições possíveis para enfrentar a doença”, disse o secretário. 

A portaria estabelece que para todos os casos de síndromes gripais, sem sinais de gravidade e independentemente de confirmação laboratorial, deve ser adotado o Protocolo de Isolamento Domiciliar por 14 dias. Lembrando que considera-se isolamento domiciliar a separação de pessoas que apresentem sintomas de gripe do meio público, bem como de outras pessoas que não apresentem os sintomas virais de gripe de qualquer natureza. Os casos de síndromes gripais serão definidos em ato médico dentro da rede pública e privada.

A infectologista do Hospital Presidente Vargas, Ana Cristina Saldanha, explica a eficácia da medida. “Sem dúvidas, é uma medida eficaz, pois o paciente que tem a síndrome gripal instalada está transmitindo o vírus, seja ele o coronavírus, o H1N1, ou qualquer outro. No cenário atual, no qual estamos tentando conter a disseminação do novo coronavírus, o isolamento é um procedimento realmente eficaz, mas que perde a sua eficácia se as pessoas não seguirem as recomendações. Portanto é extremamente necessário que todos compreendam a importância das medidas”, diz a infectologista.

Além disso, a determinação evita que todos busquem ao mesmo tempo atendimento médico sem que realmente haja necessidade, sobrecarregando as unidades de saúde. “Se todos correrem para as unidades de saúde, o perigo de contágio é maior, e os pacientes que estão doentes podem contaminar as pessoas que estão só com sintomas de gripe. Por isso, a recomendação é de buscar auxílio médico apenas quando realmente for necessário”, completou Carlos Lula.

Outras providências

A portaria do poder público estadual estabelece, ainda, que o prazo de aceitação de prescrições para medicamentos de uso contínuo, no âmbito do Sistema único de Saúde (SUS), passa excepcionalmente seis para doze meses. A ampliação do prazo cabe também às dispensações de medicamentos através do Programa Farmácia Popular realizada por drogarias e farmácias.