Governo do Maranhão suspende comércios e serviços não essenciais por 15 dias

Destacado

O governador Flávio Dino anunciou em entrevista coletiva, neste sábado (21), novas medidas para combater o coronavírus no Maranhão. Entre elas, está a suspensão por 15 dias de atividades e serviços não essenciais, tais como academias, shopping center, cinemas, teatros, bares, restaurantes, lanchonetes, centros comerciais, lojas e similares.

As medidas estão em novo decreto publicado neste sábado e começam a valer nesta mesma data. Continuam funcionando os hospitais, clínicas, laboratórios e demais estabelecimentos de saúde. 

Também seguem funcionando a distribuição e o comércio de alimentos pelos supermercados e similares. O mesmo para serviços de abastecimento de água, luz, gás e combustíveis. 

Também continuam funcionando a coleta de lixo, os serviços funerários, os serviços de telecomunicações, a segurança privada e a imprensa. 

“A função dessas medidas é diminuir a circulação de pessoas, ampliar medidas de distanciamento social, porque essa é a prevenção mais eficiente. Toda a literatura internacional neste momento mostra que o distanciamento social das pessoas determina a diminuição da curva da proliferação do vírus. E isso é vital para garantir  atendimento das redes de saúde”, disse o governador. 

Ele acrescentou que espera colaboração de todos para que as medidas sejam cumpridas. 

Delivery

Os restaurantes, lanchonetes e similares poderão fazer entregas (delivery) ou manter a retirada no estabelecimento por meio dos sistema drive-thru.

Aeroportos

O governador ressaltou que os aeroportos são de competência federal, por isso medidas não podem ser tomadas neste momento pelo Governo do Estado. A Justiça Federal negou o pedido pelo Maranhão para interromper voos nos aeroportos no Estado. 

Flávio disse que aguarda a atuação do governo federal não somente em relação aos aeroportos, mas também a outros serviços e equipamentos pertinentes à União, como bancos e lotéricas.

“Se o governo federal não adotar nenhuma medida ao longo desta semana, vamos reavaliar”, acrescentou.

Na sexta-feira (20), após autorização da Justiça Federal, o Governo do Estado começou a fazer exames nos aeroportos do Estado, com o objetivo de identificar casos suspeitos

Visitas

O decreto deste sábado também suspende por 15 dias as visitas a pacientes com suspeita de infecção ou infectados pelo coronavírus internados na rede pública ou privada de saúde.

Navios

Também está suspensa a atracação de navio de cruzeiro vindo de estados ou países onde a doença já foi confirmada ou com emergência decretada.

Órgãos públicos

A suspensão por 15 dias também vale para órgãos do Governo do Estado, com exceções de secretarias como a de Saúde, a de Segurança, a de Comunicação e outras. 

Na medida do possível, será feito o trabalho a distância.

Caso confirmado

Na sexta-feira (20) à noite, a Secretaria de Estado da Saúde confirmou o primeiro caso de coronavírus no Maranhão. 

Trata-se de um homem, idoso, que não apresenta sintomas graves e que retornou de viagem a São Paulo. Todas as providências de responsabilidade da vigilância sanitária estão sendo adotadas.

Leitos

O governador Flávio Dino explicou que, em todo o Maranhão, há mais de cem leitos de UTI reservados exclusivamente para casos de coronavírus, numa medida preventiva. 

“Faço questão de lembrar que a imensa maioria dos casos não demanda internação hospitalar, de acordo com a estatística internacional. Oitenta por cento dos casos são tratados em casas porque as pessoas não desenvolvem sintomas graves”, afirmou.

Governo determina adoção de isolamento domiciliar temporário a todos os casos de síndromes gripais

Destacado

O Governo do Estado estabeleceu, por meio de portaria, protocolo clínico para síndromes respiratórias gripais em razão da progressão do quadro pandêmico de coronavírus. O documento considera as diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde para o enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente da Covid-19. Entre as principais medidas previstas pela portaria, está a adoção do Protocolo de Isolamento Domiciliar por 14 dias a todos os casos de síndromes gripais, sem sinais de gravidade, independentemente de confirmação laboratorial, definidos em ato médico dentro da rede pública e privada.

O secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, explica que a portaria soma-se às demais ações do governo para conter a propagação do novo coronavírus no estado. “Precisamos pensar coletivamente. É um período de restrição pelo qual precisaremos passar para conter a doença, mas depois tudo voltará à normalidade. Com medidas assim, de contenção social, nossa intenção evitar exposição desnecessária, mas para isso a gente precisa da sociedade do nosso lado, para que a gente tenha as melhores condições possíveis para enfrentar a doença”, disse o secretário. 

A portaria estabelece que para todos os casos de síndromes gripais, sem sinais de gravidade e independentemente de confirmação laboratorial, deve ser adotado o Protocolo de Isolamento Domiciliar por 14 dias. Lembrando que considera-se isolamento domiciliar a separação de pessoas que apresentem sintomas de gripe do meio público, bem como de outras pessoas que não apresentem os sintomas virais de gripe de qualquer natureza. Os casos de síndromes gripais serão definidos em ato médico dentro da rede pública e privada.

A infectologista do Hospital Presidente Vargas, Ana Cristina Saldanha, explica a eficácia da medida. “Sem dúvidas, é uma medida eficaz, pois o paciente que tem a síndrome gripal instalada está transmitindo o vírus, seja ele o coronavírus, o H1N1, ou qualquer outro. No cenário atual, no qual estamos tentando conter a disseminação do novo coronavírus, o isolamento é um procedimento realmente eficaz, mas que perde a sua eficácia se as pessoas não seguirem as recomendações. Portanto é extremamente necessário que todos compreendam a importância das medidas”, diz a infectologista.

Além disso, a determinação evita que todos busquem ao mesmo tempo atendimento médico sem que realmente haja necessidade, sobrecarregando as unidades de saúde. “Se todos correrem para as unidades de saúde, o perigo de contágio é maior, e os pacientes que estão doentes podem contaminar as pessoas que estão só com sintomas de gripe. Por isso, a recomendação é de buscar auxílio médico apenas quando realmente for necessário”, completou Carlos Lula.

Outras providências

A portaria do poder público estadual estabelece, ainda, que o prazo de aceitação de prescrições para medicamentos de uso contínuo, no âmbito do Sistema único de Saúde (SUS), passa excepcionalmente seis para doze meses. A ampliação do prazo cabe também às dispensações de medicamentos através do Programa Farmácia Popular realizada por drogarias e farmácias.