A esquerda “golpista”, o sonho do impeachment de Bolsonaro e a posição dos militares

Que ilusão achar que conseguirão o impeachment de um governo integrado por militares e eleito pelo povo.

Não passa pela cabeça das pessoas que os militares deixaram de dar um “golpe militar” várias vezes durante os últimos anos, quando o povo implorava nas ruas pela intervenção.

Lembram da saída da Dilma e das greves dos caminhoneiros? O povo pedia pro exército assumir o poder e eles ficaram calados, sem mexer um dedo, deixando o caldeirão ferver para ver se o povo aprendia em quem NÃO VOTAR.

Eles podiam ter pego o poder à força naquela época, mas isso não seria bom economicamente por conta de sanções de outros países. Ninguém queria um país quebrado igual a Venezuela, mas eles sabiam que aquela indignação seria transformada em votos e que a porta seria aberta democraticamente.

Já eleitos, eles mexeram em tudo, são provocativos, sabem quais assuntos acertam o tendão de Aquiles dos poderosos e eles fazem o que? Falam! Mexem no vespeiro mesmo…

Pra quem ainda não entendeu, comece a perceber como eles agem; primeiro eles mudam as coisas com medidas provisórias, mostrando o que deve ser feito, depois deixam os opositores rasgarem a própria máscara e mostrarem quem está a favor do povo e quem está com medo de ser engolido pelas mudanças.

Acham mesmo que eles aceitariam deixar o poder por conta de manobra política de político corrupto? Sem nenhuma palavra? Nenhuma ação? Apenas iriam em suas salas buscar seus pertences e voltariam para casa chorar em suas camas porque o projeto de mudar o Brasil foi boicotado por deputados?

Me dá um único motivo para os militares esquecerem o patriotismo que os move, guardarem suas bandeiras, encaixotarem suas medalhas de bravura e aceitarem serem escorraçados do poder?

Santa inocência…

Raquel Brugnera

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *