RECEITAS DE ECONOMIA SUSTENTÁVEL

PEDRO ROGÉRIO MOREIRA

1 – A partir desta data, correm por conta do causador do desastre de carro as despesas efetuadas pela União, Estados e Municípios, com médicos, hospitais, remoção do acidentado (por ambulância terrestre ou aérea) e remoção do veículo sinistrado. E demais despesas decorrentes do acidente, como destruição de bens urbanos e rodoviários (postes, muretas etc). Havendo paralisação do tráfego com evidente prejuízo a terceiros, estes podem acionar o causador com o apoio da autoridade pública. A mesma decisão abrange: acidentes de trabalho, atropelamento de pessoas e animais, desastres aéreos, marítimos e fluviais; e demais acidentes em que o causador for pessoa física ou jurídica.

2 – A partir desta data, fica proibida a importação de animais exóticos e a aquisição de animais silvestres nacionais para os zoológicos brasileiros. Não haverá mais reposição de espécies exóticas nem nacionais. Tais medidas ocasionarão paulatinamente a extinção dos zôos, aberração que o mundo civilizado herdou dos povos antigos. Tais instituições, para preservar sua mão-de-obra especializada, se transformarão em centros veterinários de animais domésticos e de apoio à pecuária. Gatos de madame (como os meus) pagam; cachorro de pobre, não. Pecuarista paga. E “fessora” e pais que reclamarem da decisão levem seus alunos e filhos aos museus de história natural, vejam filmes e procurem na internet os animais de interesse dos meninos. E adulto vai procurar outra coisa pra fazer no domingo do que ver bicho enjaulado e triste. Veterinário que quiser se especializar em elefante que vá pra Índia às suas custas. E o mundo inteiro vai aplaudir o Brasil por esta iniciativa pioneira e libertadora que já tarda há séculos.

3 – A partir desta data, os governos da União, dos Estados e dos Municípios e suas empresas não podem mais fazer publicidade institucional. Propaganda governamental só de produtos que tenham concorrentes na iniciativa privada (tipo gasolina e bancos) ou avisos de alienação de bens, hastas públicas e correlatos. É permitida a publicidade de interesse público relevante (como aviso de falta de luz, de ocorrência de fenômenos meteorológicos perigosos ou quaisquer esclarecimentos de interesse público comprovado) somente nos casos em que jornais, rádio e TV, por motivo justo, se recusarem a noticiá-los. A lei que rege a chamada publicidade legal será alterada a fim de permitir que as empresas estatais (e privadas) não sejam obrigadas a publicar seus balanços, mas sim oferecê-los à curiosidade pública pela internet depois da devida comunicação à autoridade competente (bolsas, CVM etc etc). As empresas jornalísticas terão dado enorme contribuição às finanças do Brasil.

4 – A partir desta data fica proibida a edificação de tolices a pretexto de homenagear instituições e pessoas obviamente reconhecidas pelo bem à humanidade ou ao Brasil, tais como monumentos à Liberdade, à Negritude, à Imprensa Livre, ao Índio etc; e memoriais como o projetado em Brasília a João Goulart. A Família Goulart e seus admiradores honrarão a memória dele e manifestarão respeito ao dinheiro público doando seus arquivos à Fundação Getúlio Vargas ou a qualquer centro de estudos políticos.

5 – A partir desta data a União, Estados e Municípios ficam proibidos de patrocinar campeonatos esportivos de quaisquer modalidades. Do mesmo modo não haverá dinheiro público para festas populares de qualquer natureza, religiosa, secular ou cívica, salvo o Sete de Setembro.

6 – A partir desta data os três níveis de governança pública não poderão construir estádios de futebol, vilas olímpicas, sambódromos ou similares. A iniciativa privada poderá fazê-lo ao seu bel prazer.

7 – A partir desta data, qualquer cidadão pode (e deve) acrescentar novas proibições para conter a gastança do dinheiro público.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *